Hematologia Forense: Teste de Sensibilidade e Especificidade do Método de Takayama

Rogéria Maria Ventura, Dulce Aparecida NASCIMENTO Da Silva, Valdeny NUNES Vanzeler

Resumo


Cenas de crimes onde ocorrem atos de violência contra a pessoa, são encontradas vestígios de sangue, que devem ser analisados pericialmente para estabelecer a identidade dos indivíduos participantes do delito, sejam como vítima ou como autor. Estas análises se iniciam pela confirmação da presença de material hemático através da utilização de diferentes técnicas. O método de Takayama é utilizado, onde promove a formação de cristais de hemocromogênio, derivados do grupo heme, quando uma amostra de sangue é submetida ao contato com o reagente sob aquecimento. Estes cristais são visualizados em microscópio e constituem prova de certeza para sangue. O teste de Takayama pode ser aplicado em amostras in natura, em supostas manchas de sangue impregnadas em tecido ou em papel, em raspados de crosta ou ainda em sangue diluído em outros tipos de líquidos biológicos. A pesquisa consiste em aferir a real sensibilidade e especificidade do método de Takayama. Para a sensibilidade, testamos amostras de sangue total, diluições seriadas com uso de hipoclorito, sêmen e água, e ainda sangue seco no papel. E para a especificidade foram usadas amostras de sangue humano e de outras espécies animais, bem como amostras de líquido espermático, sem sangue. Sendo essas amostras preparadas em lâminas com adição do reagente de Takayama preparado na hora e submetidas ao aquecimento em estufa por 20 minutos à 50ºC.


Palavras-chave


hematologia; forense; cristais; Takayama; hemocromogênio; piridina.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Rogéria Maria Ventura, Dulce Aparecida NASCIMENTO Da Silva, Valdeny NUNES Vanzeler

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | REDIB | LATINDEX