O papel dos educadores nas orientações preventivas de saúde bucal na adolescência

Sérgio Spezzia

Resumo


Motivação e conscientização dos alunos e professores acerca da importância da educação em saúde são indispensáveis para a prevenção em saúde coletiva. É prática comum a educação em saúde nos anos iniciais do ensino fundamental ficar a cargo dos profissionais da saúde, tendo os professores apenas uma pequena influência nesse setor. Na saúde bucal procede da mesma maneira. O objetivo deste trabalho foi averiguar como procede a educação em saúde bucal preconizada pelos professores aos seus alunos adolescentes em idade escolar. Foi efetuada busca nas bases de dados Lilacs, Pubmed, Scopus de estudos, abrangendo publicações de periódicos nacionais e internacionais de 2010 a 2015 e envolvendo orientações preventivas de saúde bucal por professores na adolescência. Como meta, os educadores atuarão, explicando aos seus alunos, a importância que tem a higiene bucal praticada corretamente para a manutenção do bem-estar bucal, além disso deverão proceder, atribuindo conhecimentos, que suficientemente possam permitir que esses adolescentes utilizem técnicas de escovação dentária e de uso de fio ou de fita dental corretamente. Nesse contexto, professores necessariamente devem ser embasados por cirurgiões dentistas para que possam contribuir, transmitindo constantemente esses conhecimentos a seus alunos. Os programas educativo-preventivos colaboram para que os docentes aperfeiçoem seus conhecimentos em saúde bucal.   


Palavras-chave


Saúde Bucal; Educação em Saúde; Adolescente.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 1ª a 4ª série. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

Campos JADB, Garcia PPNS. Comparação do conhecimento sobre cárie dental e higiene bucal entre professores de escolas de ensino fundamental. Ciênc Odontol Bras, 2004; 7(1):58-65.

Silva RP, Morano Júnior M, Mialhe FL. Professores da rede pública de ensino de Piracicaba: seus hábitos em higiene bucal e sua participação em programas educativo-preventivos. Odontol Clín Científ, 2007; 6(4):319-24.

Elias MS, Cano MA, Mestriner Jr. W, Ferriani MGC. A importância da saúde bucal para adolescentes de diferentes estratos sociais do município de Ribeirão Preto. Rev Latino Americana Enferm, 2001; 9(1):88-95.

Carvajal G. Tornar-se adolescente - a aventura de uma metamorfose: uma visão psicanalítica da adolescência. São Paulo: Cortez, 1998.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação da Saúde da Criança e do Adolescente. Programa saúde do adolescente. Bases programáticas. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.

Todescan JH, Todescan CG. Cooperação consciente. Rev Assoc Paul Cir Dent, 1989; (43):125-7.

Todescan JH, Sima FT. Campanhas de prevenção e orientação para com a higiene bucal - prevenção: usos e costumes, higiene bucal I. Parte I. Rev Assoc Paul Cir Dent, 1991; (45):537-9.

Gonçalves RMG, Silva RHH. Experiência de um programa educativo preventivo instituído na fundação catarinense de bem-estar do menor. Rev Gaúcha Odontol, 1992; (40):97-100.

Castro LA, Teixeira DLS, Modesto A. A influência do perfil materno na saúde bucal da criança: relato de caso. J Bras Odontoped Odontol Bebê, 2002; 5(23):70-4.

Aquilante AG, Bastos JRM, Sales SHCP, Leal RB, Higa AM. Análise do nível de educação odontológica dos pais/ responsáveis de escolares da 3° série do 1° grau e sua relação na motivação e educação odontológica dos seus filhos. Rev Odontol UNICID, 2002; 14(1):25-34.

Lima KC. Relevância clínica do conceito de transmissibilidade da cárie dental. J Bras Odontoped Odontol Bebê, 2002; 24(5):113-8.

Pinto VG. Prevenção da cárie dental. In: PINTO VG. Saúde bucal coletiva. São Paulo: Santos, 2000, p.179-247.

Costa COM, Bigras M. Mecanismos pessoais e coletivos de proteção e promoção da qualidade de vida para a infância e adolescência. Ciência Saúde Coletiva, 2007; 12(5):1101-9.

Noronha JC, Ribeiro FRD, Massara ML, Souki BQ. Parâmetros clínicos para classificação do estado motivacional familiar em Odontopediatria. J Bras Odontoped Odontol Bebê, 2001; 4(17):63-7.

Silva HC, Ammon ION, Silva RHH. Avaliação do paciente sobre ensino de práticas preventivas em Odontologia. Odontol Moderna, 1985; 12(5):46-53.

Tamietti MB, Paixão HH, Castilho LS. Educação em saúde bucal para adolescentes: inadequação de uma metodologia tradicional. Arq Centro Estudos Curso Odontol, 1998; 34(1):33-45.

São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Organização das ações de saúde bucal na atenção básica, SUS, SP, 2001.

Mendes TD. Um novo mundo, uma nova educação. Rev Bras Estudos Pedagógicos, 2000; 81(199):501-10.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Sérgio Spezzia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | REDIB | LATINDEX