Prevalência do tracoma em roraima no período de 2002 a 2015

Maria Soledade Garcia Benedetti, Viviane Massue Sakazaki, Marcello Santos da Silva

Resumo


Tracoma é uma doença ocular inflamatória que acomete a conjuntiva e a córnea, cujo agente etiológico é a Chlamydia trachomatis. A doença é considerada endêmica no Brasil desde o início do século XX. Com o intuito de conhecer a distribuição do tracoma no Brasil e estabelecer áreas prioritárias para ações de vigilância epidemiológica e controle, o Ministério da Saúde (MS) a partir de 2002 realizou um inquérito nacional de prevalência de tracoma em escolares do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, matriculados na rede pública, dos municípios que aderiram ao inquérito/campanha, com a meta de alcançar no mínimo 10% dos escolares matriculados na rede pública. O objetivo deste trabalho foi analisar a prevalência do tracoma no Estado de Roraima no período de 2002 a 2015. Foi realizado um estudo transversal e retrospectivo sobre a epidemiologia do tracoma, por meio de análise dos relatórios de gestão e epidemiológicos do Núcleo de Controle de Tracoma do Estado para os anos de 2002, 2003 e 2009 e do banco de dados do SINAN NET/DATASUS/MS para os anos de 2007, 2008, 2010 a 2015. Foram calculadas as taxas de prevalência do tracoma para o estado, conforme fórmulas fornecidas pelo MS. Os resultados apontam que Roraima tem a maior prevalência de tracoma da região Norte, com 13,87% no período. Observa-se no ano de 2003 uma prevalência abaixo de 5%, para os anos de 2002 e 2015 a prevalência foi moderada, menor que 10%, e para os demais anos se manteve acima de 10% o que é considerado uma alta taxa de prevalência pela OMS. A existência do tracoma em uma população se constitui em um indicador de precariedade de condições de vida e saúde, sendo dessa forma um problema de saúde pública. Os pilares para prevenção do tracoma consistem em melhorias no saneamento básico e higiene pessoal, através de ações de educação em saúde.


Palavras-chave


Tracoma; prevalência; Roraima.

Texto completo:

PDF

Referências


Barros OM. Manual de Controle do tracoma. Brasília (DF): Assessoria de Comunicação e Educação em Saúde, 2001.

Brasil. Fundação Nacional de Saúde/Superintendência Estadual de Roraima /Ministério da Saúde. Relatório de Gestão 2010 SUEST/RR. Boa Vista, Roraima; 2011 [acesso 2015 nov 20]. Disponível em: .

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2013: uma análise da situação e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília, 2014. 384 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de controle do tracoma, 1ª Ed. – Brasília, 2001. 56 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância do tracoma e sua eliminação como causa de cegueira, 2ª Ed. – Brasília, 2014. 52 p.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Técnico “Campanha Nacional de Hanseníase, Verminoses, Tracoma e Esquitossomose 2015”. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. [acesso 2015 out 14].Disponível em:

Burton MJ. Trachoma: an overview. Br Med Bull. 2007;84:99-116.

Cook JA. Eliminating blinding trachoma. N Engl J Med. 2008;358(17):1777-9.

Cumberland P, Edwards T, Hailu G, Harding-Esch E, Andreasen A, Mabey D et al. The impact of community level treatment and preventative interventions on trachoma prevalence in rural Ethiopia. Int J Epidem. 2008;37(3):549-58.

Damasceno RWF, Santos RS, Cavalcanti TRT, Hida RY, Santos MJ, Santos AMC, Dantas PEC. Tracoma: estudo epidemiológico de escolares em Alagoas – Brasil. Arq Bras Oftalm. 2009; 72(3).

Dantas APC. Tracoma: aspectos epidemiológicos no Brasil, 2009-2010 e perspectivas de controle. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2013.

D’amaral RKK. Fatores associados ao tracoma em área hipoendêmica da Região Sudeste, Brasil. Caderno de Saúde Pública. [Internet]. 2005. [acesso 2015 dez 12]; 21(6):1701-1708. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000600017&lng=en.

Edwards T, Smith J, Sturrock HJW, Kur LW, Sabasio A, Finn TP, et al. Prevalence of trachoma in Unity State, South Sudan: results from a large-scale population-based survey and potential implications for further surveys. Plos Negl Trop Dis. [Internet]. 2012. [acesso 2015 dez 15]; 6(4):1585–1597. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3323519/

Koizumi IK, Medina NH, Koda D, Rosa K, Miyake M, Wilma T, et al. Prevalência de tracoma em pré-escolares e escolares no Município de São Paulo. Rev Saúde Públ. [Internet]. 2005. [acesso 2015 dez 15]; 39(6):937-942. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/672/67240150011.pdf

Khumbo K, Menard P, Masika M, Paluck AL, Willis R, Mpyet C, et al. Baseline trachoma mapping in Malawi with the Global Trachoma mapping Project (GTMP). Ophthalmic Epidemiol. 2015; 22(3):176-183.

Lucena LR, Cavalcante R, Macedo EL, Lucena LR. Diagnóstico laboratorial do tracoma no povoado de Serrolândia, município de Ipubi - Pernambuco. Rev Bras Oftalm. 2005; 64(3):146-149.

Lopes MFC. Tracoma: situação epidemiológica no Brasil. [Dissertação]. Salvador: Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia; 2008.

Mabey D. Trachoma: recent developments. Adv Exp Med Biol. 2008;609:98-107.

Noa NB, Kagmeni G, Mengouo MN, Moungui HC, Tarini A, Zhang Y, et al. Prevalence of trachoma in the far north region of Cameroon: results of a survey in 27 health districts. Plos Negl Trop Dis. [Internet]. 2013. [acesso 2015 dez 15]; 7(5):2240–2249. Disponível em: . [Internet]. 2005. [acesso 2015 dez 15]; 39(6):937-942. Disponível em:

Noa NB, Kagmeni G, Souleymanou Y, Moungui HC, Tarini HA, Akame J, et al. Prevalence of trachoma in the north region of Cameroon: results of a survey in 15 health districts. Plos Negl Trop Dis. [Internet]. 2014. [acesso 2015 dez 15]; 8(6):2932–2941. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4055491/

Pinto ICS. Fatores epidemiológicos associados à prevalência do tracoma no Estado do Amapá. [Dissertação]. Belém: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz; 2011.

Roraima. Secretaria de Saúde do Estado de Roraima/Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde. Relatório Anual de Epidemiologia de Roraima 2014. Boa Vista, Roraima, 2014.

Smith AG, Broman AT, Alemayehu W, Munoz BE, West SK, Gower EW. Relationship between trachoma and chronic and acute malnutrition in children in rural Ethiopia. J Trop Pediatr. 2007;53(5):308-12.

Wright HR, Turner A, Taylor HR. Trachoma. Lancet. 2008;371(9628):1945-54.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________