Análise de aglomerado espaço-temporal da leishmaniose visceral americana no estado de São Paulo, 2011 – 2015

Maria Carolina Camillo Schweiger, Yasmin Machado de Freitas, Ana Julia Silva e Alves, Rosely Bianca dos Santos Kuroda, Vanessa Aparecida Feijó de Souza

Resumo


A leishmaniose visceral americana (LVA), doença vetorial transmitida ao homem a partir de reservatório animal, vem se expandindo consideravelmente no estado de São Paulo, principalmente na região centro-oeste do mesmo. Visto isso, é de extrema importância a realização da análise espaço-temporal juntamente com cálculos de incidência da LVA no estado, para que se busque real compreensão em relação ao acometimento de municípios, ajustando as medidas de prevenção e controle ideal para cada região. Foram utilizados dados disponibilizados pelo DATASUS em relação à ocorrência em LVA humana entre 2011 e 2015 para o cálculo da morbidade incidente. Uma análise de aglomerados espaço-temporais segundo o método SatScan evidenciou a presença de um aglomerado extenso envolvendo a região central do estado de São Paulo no período entre 2012 e 2015, e outro entre 2014 e 2015 (p<0,001; α=0,05). Além disso, a análise de série histórica, segundo modelo multiplicativo, demonstrou tendência negativa da incidência de LVA especialmente a partir do ano de 2013 e índices sazonais positivos nos meses de janeiro, março, abril, setembro, outubro e novembro. Pode-se concluir que apesar da expansão geográfica, existe uma tendência negativa da ocorrência de casos no estado de São Paulo.

Palavras-chave


animal; doença infecciosa; transmissão; zoonose.

Texto completo:

PDF

Referências


Bejerano E, Uribe S, Rojas W. Phlebotomine sand flflies (Díptera: Psychodidae) associated with the appearance of urban leishmaniasis in the city of Sincelejo, Colômbia. Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 2002; 97(1):645-647.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Acesso à informação. TABNET. Epidemiológicas e Morbidade. Doenças e Agravos de Notificação (SINAN). Leishmaniose visceral. 2016 [acesso em 21 out 2016]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/.

Cardim MFM, Chiaravalloti Neto F, Dibo R, Guirado MM, Oliveira AM, Rodas LAC. Introdução e expansão da Leishmaniose visceral americana em humanos no Estado de São Paulo, 1999-2011. Rev. Saúde Públ. 2013; 47(4):691-700.

Cardim MFM, Guirado MM, Dibo, MR, Chiaravalloti Neto F. Leishmaniose visceral no estado de São Paulo, Brasil: análise espacial e espaço-temporal. Rev. Saúde Públi. 2016; 50(48):1-11.

CRAN. R Project. Packages. Time Series. 2016 [acesso em 21 out 2016]. Disponível em: https://cran.r-project.org/web/packages/timeSeries/timeSeries.pdf.

Margonari C, Freitas CR. Epidemiology of visceral leishmaniasis through spatial analysis, inBelo Horizonte municipality, state of Minas Gerais, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 2006; 101(1):31-38.

SÃO PAULO ESTADO. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE). Produtos. Projeções populacionais. 2016 [acesso em 21 out 2016]. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/projpop/index.php?pes=3.

World Health Organization (WHO). Media Centre. Leishmaniasis. 2016 [acesso em 21 out 2016]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs375/en/.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________