OCORRÊNCIA DE PARASITOS GASTROINTESTINAIS, EM FEZES DE CÃES, ENCONTRADAS NA ORLA DAS PRAIAS DE PELOTAS, RS, BRASIL

Alexsander Ferraz, Tainá Ança Evaristo, Bruna dos Santos Pires, carolina Barboza Lopes, Tanize Angonesi de Castro, Diego Moscarelli Pinto, Leandro Quintana Nizoli

Resumo


O objetivo deste estudo foi detectar parasitos com potencial zoonótico em fezes de cães, presentes na orla das praias do município de Pelotas, RS, Brasil. Entre os meses de Setembro de 2017 e Março de 2018, foram coletadas 20 amostras mensais em cada uma das três praias estudadas, totalizando 60 amostras mensais e 420 no total. A técnica utilizada para análise das fezes foi a de Willis-Mollay (1921), que consiste na flutuação de ovos em solução hipersaturada. Dentre as amostras analisadas, 266/420 (63,3%) apresentaram-se positivas para algum gênero de parasito. Destas,  207 (78,0%) apresentaram infestação única e 59 (22,0%) apresentaram múltiplos parasitos. Ancylostoma foi o gênero prevalente em todas as praias, com 56,9% do total analisado. A praia que apresentou maior ocorrência foi o Barro Duro com 75,71% de amostras positivas. Pelo fato de ser um local público, com grande circulação de pessoas, a presença de ovos de helmintos com potencial zoonótico observados nas amostras coletadas, indicam que a população que frequenta estes locais está em risco de contrair estas zoonoses, sendo necessário adoção de medidas para controlar esta exposição.


Palavras-chave


Contaminação, zoonoses, diagnóstico, helmintos

Texto completo:

PDF

Referências


Anaruma F, Chieff PP, Correa CRS, Camargo ED, Silveira EPR, Aranha JJB, et al. Human toxocariasis: a seroepidemiological survey in the municipality of Campinas (SP), Brazil. Revista Instituto Medicina Tropical. 2002; 44(6): 303-307.

Blazius RD, Silva OD, Kauling AL, Rodrigues DFP, Lima MC. Contaminação da areia do balneário de laguna, SC, por Ancylostoma spp., e Toxocara spp. em amostras fecais de cães e gatos. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2006; 35(3): 55-58.

Campus Filho PC, Barros LM, Campos JO, Braga VB, Cazorla IM, Albuquerque GR, et al. Parasitas zoonóticos em fezes de cães em praças públicas do município de Itabuna, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária. 2008;17(4): 206-209.

Capuano DM, Rocha GM. Ocorrência de parasitas com potencial zoonótico em fezes de cães coletadas em áreas públicas do município de Ribeirão Preto, SP, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2006; 9(1): 81-86.

Corrêa CAS, Souza FS, Lisbôa RS. Ocorrência de parasitos zoonóticos em fezes de cães de praças públicas do centro da cidade de Manaus, AM. Pubvet. 2015; 9(9): 409-413.

Costa-Macedo LM, Silva JR, Rodrigues-Silva R, Oliveira LM, Vianna MSR. Enteroparasitoses em pré-escolares de comunidades favelizadas da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 1998; 14(4) : 851-855.

Devera R, Blanco Y, Hernandéz H, Simões D. Toxocara spp. y otros helmintos en plazas y parques de Ciudad Bolívar, estado Bolívar (Venezuela). Enfermedades Infecciosas y Microbiologia Clínica. 2008; 26(1): 23-26.

Ferreira DS, Viera GO. (2006). Frequência de enteroparasitas na população atendida pelo Laboratório de Análises Clínicas Dr. Emmerson Luíz da Costa. Saúde e Ambiente em revista. 2006; 1(2): 70-75.

Ludwing MK, Frei F, Alvares Filho F, Ribeiro-Paes TJ. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropica. 1999; 32(5): 547-555.

Mascarini LM. A historical approach of the trajectory of the parasitology. Ciências e saúde coletiva. 2003; 8(3): 809-814.

Mamus CNC, Moitinho ACC, Grube CC, Melo EM, Weiler EB, Abreu CA, et al. Enteroparasitoses em um centro de educação infantil do Município de Iretama/PR. Sabios Revista Saúde e Biologia. 2008; 3(2): 39-44.

Mentz MB, Rott MB, Jacobsen SIV, Baldo G, Rodrigues-Junior V. Freqüência de ovos de Toxocara spp. em três parques públicos da cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Patologia Tropical. 2004; 33(2): 105-112.

Táparo CV, Perri SHV, Serrano ACM, Ishizaki MN, Da Costa TP, Do Amarante AFT, et al. Comparação entre técnicas coproparasitológicas no diagnóstico de ovos de helmintos oocistos de protozoários em cães. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária. 2006; 15(1) :1-5.

Santarém VA, Dias AP, Felix A, Rodenas RS, Silva AV. Contaminação por ovos de Toxocara spp. em praças públicas das regiões Central e Periurbana de Mirante do Paranapanema, São Paulo, Brasil. Veterinária e Zootecnia. 2010;17(1): 47-53.

Santos AS, Merlini LS. Prevalência de enteroparasitoses na população do município de Maria Helena, Paraná. Ciência e saúde coletiva. 2010; 15(3): 899-905.

Scaini CJ, Toledo RN, Lovatel R, Dionello MA, Gatti FA, Susin L, et al Contaminação ambiental por ovos e larvas de helmintos em fezes de cães na área central do Balneário Cassino, Rio Grande do Sul. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2003; 36(5): 617-619.

Silva AS, Ceolin LV, Cargnelutti JF, Pessoa GA, Oliveira CB, Neto AP, et al. Prevalência de parasitismo em cães domiciliados num bairro de Santa Maria RS. Saúde. 2007; 33(1):27-31.

Tesselori GL, Fayzano L, Agottani JVB. Ocorrência de parasitas gastrointestinais em fezes de cães e gatos em Curitiba-PR. Revista Acadêmica Curitiba. 2005; 3(4): 31-34.

Willis HH. A simple levitation method for the detection of hookworm ova. Medical Journal of Australia. 1921; 2(18): 375-376.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________