IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS CAUSADOS POR NECRÓPOLES E PROPOSTAS DE MITIGAÇÃO

Giovana Della Crocce, Ricardo Menghini

Resumo


Cemitério é o local onde enterramos nossos mortos, e os impactos ambientais negativos que estas necrópoles podem causar são gerados por seus agentes poluentes, tais como os metais pesados, os produtos relacionados à preservação do cadáver durante o ritual de sepultamento, e o necrochorume, que é o liquido resultante da fase latente da putrefação que possui alto teor de patogenicidade, já que tem em sua composição bactérias e vírus que causam doenças se ingeridos. Esses componentes impactam negativamente o meio ambiente, e são prejudiciais a saúde humana, pois podem ser lixiviados para águas subterrâneas utilizadas para abastecimento público. A Política Nacional de Meio Ambiente destaca a importância de Estudos de Impacto Ambiental em cemitérios desde 1981, e resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente regulamentam o funcionamento das necrópoles e de suas práticas, focando na mitigação dos agentes poluentes, buscando tornar os cemitérios locais de equilíbrio ecológico. Para a mitigação dos impactos ambientais negativos existem também opções menos impactantes como os caixões e caixas mortuárias feitas de material biodegradável e a doação de órgãos, que diminuem a quantidade de poluentes liberados ao meio ambiente.


Palavras-chave


cemitério; necrochorume; poluição; sepultamento; tanatopraxia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Andrade TP. Doação de orgãos post mortem: a viabilidade de doação pelo sistema brasileiro da escolha pelo doador do destinatário de seus orgãos. 2009 [acesso em 2018 julho 20]: 1: 43 – 77. Disponível em: https://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/12492.

Baltazar FN, Cavallari ML, Carvalho E, Tolezano JE, Muñoz DR. Entomologia forense e saúde pública: relevância e aplicação. Boletim Epidemológico Paulista. 2011; 8(87): 14 – 25.

Bandarra EP, Sequeira JP. Tanatologia: fenômenos cadavéricos transformativos. Rev. Educ, Contin. 1999. 2(1): 72-76.

Betiatto AC, Souza FX, Bini MC. A morte, atividade cemiterial e meio ambiente. Revista Gepesvida. 2015; 1(2): 121-141.

Carneiro VS. Impactos causados por necrochorume de cemitérios: meio ambiente e saúde pública. Águas subterraneas. 2009 [acesso em 2018 abr 23]: 1(1): 1-18. Disponivel em: https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/21956.

Dias MF. Determinação do intervalo post-mortem (PMI) através do estudo de microRNA’s (miRNA’s) extraídos de manchas de sangue colhidas a cadáveres. Uporto. 2017 [acesso em 2018 mar 23]: 1(2):11-19. Disponivel em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/109424/2/235166.pdf.

Duarte RP, Pasqual A. Avaliação do cádmio, chumbo, níquel e zinco em solo, plantas e cabelo humano. Energia na agricultura. 2000. 15(1): 46-58.

Francisco AM, Silva AK, Souza CS, Santos FC. Tratamento do necrochorume em cemitérios. Atas de Saúde Ambiental. 2017 [acesso em 2018 mar 13]: 5(1): 172-188. Disponível em: http://www.revistaseletronicas.fmu.br/index.php/ASA/article/download/1643/1269.

Fernandes DA. O efeito de necrochorume no meio ambiente e sua imputação penal. Faar. 2014 [acesso em 2018 mar 15]: 2(1):6-27. Disponível em: http://www.faar.edu.br/portal/revistas/ojs/index.php/arel-faar/article/download/122/pdf_20.

Gomes TA, Hernandes RT. Bactérias Patogênicas. In: Trabulsi LR, Alterthum F. Microbiologia. 6. ed. São Paulo: Atheneus; 2015. 300-311.

Lee, J. R. Jae Rhim Lee: My Mushroom Burial Suit. TED. 2011. [acesso em 2018 mar 15]. Disponível em http://coeio.com/infinity-burial-suit-2/.

Nogueira CO, Costa-Junior JE, Coimbra LB. Cemitérios e seus impactos ambientais no Brasil. Forum Ambiental da Alta Paulista. 2013. 9(11): 331-344.

Novo PP. Microbiologia Forense e Estimativa do Intervalo Postmortem. UPorto. 2017 [acesso em 2018 fev 3]: 1(1):3-29. Disponivel em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/107276.

Pacheco A. Cemitério e meio ambiente. São Paulo: Dedalus; 2000.

Palma SR, Silveira DD. A saudade ecologicamente correta: a educação ambiental e os problemas ambientais em cemitérios. Revista Monografias Ambientais. 2011. 2(2): 262-274.

Pereira F. Estudo dos efeitos biológicos da poliamina putrescina em diferentes organismos-teste. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” Instituto de Biociências. Rio Claro. 163p. 2017.

Robledo J. De lapides inteligentes a caixão biodegradável: inovações na indústria funerária. BBC. 31 mai 2013 [acesso em 2018 fev 19] Disponível em: WWW.bbc.com/portuguese/noticias/2013/05/130530_novidades_funerarias_mdb.

Rashmi AS, Namratha V. Sahithi P. Capsula Mundi: An Organic Burial Pod. Europen Jornal of Advances in Engeneering and Technology. 2015. 2(8): 49-53.

Rocha LA, Ribas LC, Bello J. Legislação ambiental incidente sobre cemitérios do Estado de São Paulo. Fórum Ambiental do Alto Paulista. 2013. 2(5): 20-33.

Silva CO, Rodrigues LB, Oliveira RS. Impactos ambientais causados por necrochorume do cemitério municipal da cidade de São José da LajeAL. Revista Científica do IFAL. 2012. 3(2): 1-22.

Souza M, Botello RA. Métodos Artificiais de Tanatoconservação. Saúde, Ética & Justiça. 1999. 4(1/2): 33-47.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________