ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NOS ZOOLÓGICOS BRASILEIROS

Rayanne Lorrane Cruz da Silva, Liane Cristina Ferez Garcia

Resumo


Os zoológicos modernos têm como propósito fomentar o bem-estar às espécies cativas, utilizando como ferramenta o Enriquecimento Ambiental (EA). Essa prática minimiza os impactos negativos do cativeiro ao oferecer mais complexidade ao ambiente e maior similaridade ao habitat natural. Com objetivo de avaliar as aplicações do EA, um questionário foi encaminhado às 124 instituições cadastradas no IBAMA, cuja relação foi encontrada no site da Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil. Com a finalidade de aumentar a adesão foi realizado também contato telefônico e por redes sociais. Contudo, apenas 14 instituições responderam ao questionário. Os dados evidenciam que o EA é uma ferramenta importante para promover o bem-estar aos animais em cativeiro, entretanto, o pequeno número de respostas inviabilizou a elaboração de um perfil dos zoológicos brasileiros em relação a esta prática. Nessa perspectiva, não foi possível avaliar se existe, ou não, limitação nas informações e conhecimento técnico sobre o EA e sua importância para o bem-estar. Logo, tendo em vista que o uso dessa ferramenta é essencial para o bem-estar animal, é sempre importante reforçar os princípios e aplicações adequados do EA junto às instituições que mantém animais em cativeiro.


Palavras-chave


bem-estar; cativeiro; comportamento

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Azevedo CS, Barçante L. Enriquecimento ambiental em zoológicos brasileiros: em busca do bem-estar animal. Zoociências.2018;19 (2):15-34.

Azevedo CS, Cipreste CF, Young RJ. Environmental enrichment: a GAP analysis. Appl. Anim. Behav Sci. 2007,102: 329-343.

Azevedo CS, Teixeira CP, Barçante L. Comportamento animal: Uma introdução aos métodos e à ecologia comportamental. Curitiba- PR: Appris, 2018. 221 p.

Barongi R, Fisken FA., Parker M, Gusset M. Committing to Conservation: The World Zoo and Aquarium Conservation Strategy. WAZA Executive office, 2015. 69 p.

Brasil. Instrução Normativa IBAMA n. 7, de 30 de abril de 2015. Institui e normatiza as categorias de uso e manejo da fauna silvestre em cativeiro, e define, no âmbito do Ibama, os procedimentos autorizativos para as categorias estabelecidas, Diário Oficial da União. 2015 abr 30. Seção 1.pg51.

Brasil. Instrução Normativa ICMBio n. 23, de 31 de dezembro de 2014. Define procedimentos para a destinação de animais silvestres apreendidos, resgatados por autoridade competente ou entregues voluntariamente pela população, bem como para o funcionamento dos Centros de Triagem de Animais Silvestres do IBAMA - CETAS. Diário Oficial da União. 2015 jan. Seção 1. Pg 115.

Broom DM, Molento CFM. Animal welfare: concept and related issues – Review. Arch. Vet. Sci.2004, 9 (2): 1-11.

Broom DM. Welfare in relation to feeling, stress and helth. Rev. Eléctron. Vet. 2007, 8 (12).

Cipreste CF, Azevedo CS, Young RJ. How to develop a zoo-based environmental enrichment program: incorporating environmental enrichment into exhibits. In: Kleiman D, Thompson K, Baer C, editors Chicago: University of Chicago Press, 2010. Wild Mammals in Captivity: Principles and Techniques for Zoo Management. p 171-180.

Del-Claro K. Introdução à Ecologia Comportamental: um manual para o estudo do comportamento animal. 1 ed. Rio de Janeiro: Technical Books Editora, 2010. 128 p.

Farah M. Zoológicos e Aquários: vilões ou heróis? Revista de Zoológicos do Brasil.2017, 5 (3): p. 60.

Ferraz MR. Manual de Comportamento Animal. Rio de Janeiro: Rubio, 2011. 216 p.

Mellor DJ, Hunt S, Gusset M. Caring for Wildlife: The World Zoo and Aquarium Animal Welfare Strategy. WAZA Executive Office, 2015. 87 p.

Pizzutto CS. Animais selvagens: bem-estar de animais selvagens em cativeiro. Apamvet. 2014, 5 (2):19-20.

Pizzutto CS. The importance of animal well-being for reproduction in captive. ARBS. 2003, 5:41-44.

Pizzutto CS, Scarpelli KC, Rossi AP, Chiozzotto EN, Lechonski L. Bem-estar no cativeiro: um desafio a ser vencido. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP. 2013, 11 (2):6-17.

Pizzutto CS, Sgai MG, Guimarães MA. O enriquecimento ambiental como ferramenta para melhorar a reprodução e o bem-estar de animais cativos. Revista Brasileira de Reprodução Animal. 2009, 33 (3):129-138.

Primack RB, Rodrigues E. Biologia da conservação. 1 ed. Londrina: Editora Planta, 2011. 328 p.

RENCTAS - Rede Nacional De Combate Ao Tráfico De Animais Silvestres. 1º Relatório Nacional sobre o Tráfico de Fauna Silvestre. Brasília: RENCTAS, 2001. 108 p.

Ricklefs RE. A Economia da natureza. 6 ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2013. 535 p.

Saad CE, Saad FM, França J. Bem-estar em animais de zoológicos. Revista Brasileira de Zootecnia. 2011, 40: 38-43.

Sanders A, Feijó AG. Uma reflexão sobre animais selvagens cativos em zoológicos na sociedade atual. In: Adaptado do artigo publicado nos anais do III Congresso Internacional Transdiciplinar Ambiente e Direito,2007 Porto Alegre, PUC;2007.

Verdade LM. A Exploração da fauna silvestre no Brasil: jacarés, sistemas e recursos humanos. Biota Neotropica. 2004, 4 (2): 1-12.

WAZA. Construindo um futuro para a vida selvagem: estratégia mundial dos Zoos e Aquários para a conservação. Lisboa: Jardim Zoológico e de Aclimação em Portugal S.A, 2005. 104 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________