LEVANTAMENTO DOS CASOS CONFIRMADOS DE LEISHMANIOSE VISCERAL NO ESTADO DO PARÁ EM 2018

Aldeízo Freires da Silva-Júnior, Ederson Jacaranda Araújo, Edson Santana Amorim, Paulo Cesar Magalhães-Matos

Resumo


A Leishmaniose Visceral (LV) é uma das principais zoonoses de ocorrência mundial, que pode levar a índices de letalidade elevados quando não instituído tratamento adequado. A doença apresenta alta prevalência em diferentes regiões brasileiras, inclusive na região norte. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento dos casos de LV notificados no estado do Pará em 2018. Este trabalho compreende um estudo epidemiológico descritivo realizado com base em dados secundários disponíveis no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) sobre os casos confirmados de LV no estado do Pará no ano de 2018. Um total de 562 casos de LV foi notificado no estado do Pará em 2018, ocorrendo em 54 municípios paraenses e sendo mais prevalente em Parauapebas, Marabá e Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará. Os meses com maiores números de casos foram fevereiro, março, maio, junho, julho, agosto e setembro, todos apresentando mais de 50 casos. A ocorrência da LV variou de acordo com a faixa etária, apresentando maiores números de notificação em crianças de um a quatro anos, seguido de adultos de 20 a 39 anos. Quando avaliado o sexo, homens foram mais acometidos por LV que as mulheres. Em 2018, o estado do Pará notificou elevados números de casos de LV, especialmente em crianças de um a quatro anos, em homens e habitantes da região Sudeste do estado. Observou-se ainda que a ocorrência foi maior entre os meses de maio a julho.


Palavras-chave


Leishmania; região norte; SINAN

Texto completo:

PDF

Referências


Alvim AC, Bastos OC, Burattini MN, Costa JM, Fiori BI, Nascimento MD et al; Aspectos Epidemiológicos Determinantes na Manutenção da leishmaniose visceral no estado do maranhão, Brasil, Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 1996; acesso em ( 2019 DEZ 12); 29(3). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0037-86821996000300003

Borges BK, Fiuza VO, Haddad JP, Magalhaes DF, Moreira EC et al. Avaliação do nível de conhecimento e de atitudes preventivas da população sobre a leishmaniose visceral em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008; acesso em (2019 DEZ 13); 24(4) 777-784. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2008000400007&script=sci_abstract&tlng=pt

Contreras IK, Machado MA, Rocha COJM, Oliveira GR, Carvalho, FCG. Sinais clínicos apresentados por cães positivos para leishmaniose visceral no município de Vassouras, Rio de Janeiro. PUBVET, v.13, n.4, a302, p.1-6, 2019; acesso em (2019 DEZ 13). Disponível em http://www.pubvet.com.br/uploads/ef076f0c8a69809b8df76e5f14680d92.pdf

Furtado AS, Nunes FBBF, Santos AM, Caldas AJM. Análise espaço-temporal da leishmaniose visceral no estado do Maranhão, Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva, v.20, n.12, 2015; acesso em (2019 DEZ 13). Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n12/1413-8123-csc-20-12-3935.pdf

Gonçalves, LF, Validação do diagnostico molecular da leishmaniose visceral e da leishmaniose tegumentar na rotina diagnostica de um laboratório de saúde pública, São Paulo, Brasil; Biblioteca digital da USP; acesso em ( 2019 DEZ 13). Disponível em http://www.teses.usp.br/disponiveis/99/99131/tde-26042018-111529

Marzochi KB, Marzochi MC, Rangel FB, Sabroza PC, Toledo LM, Tramontano NC; Leishmaniose visceral na cidade do Rio de Janeiro – Brasil, Caderno de Saúde Pública, acesso em (2019 DEZ 12) 1(1). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S0102-311X1985000100002

Monteiro, EM et al. Leishmaniose visceral: estudo de flebotomíneos e infecção canina em Montes Claros, Minas Gerais, Revista da sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 2005;acesso em (2019 DEZ 13); 32(2); 151. Disponível em http//www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822005000200004

Oliveira EM, Pimenta AM; Perfil epidemiológico das pessoas portadoras de leishmaniose visceral no município de Paracatu – MG no período de 2007 a 2010; Revista Mineira de Enfermagem; acesso em (2019 DEZ 12). Disponível em http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/993

Santos CM, Tonial ANL, Durte VR, Favacho A, Ferreira EC, Rodrigues DR et al; Análise Citológica para diagnóstico de Leishmaniose em um gato Oligossintomático em Área endêmica, Campo Grande, MS, Brasil. Acesso em ( 2019 DEZ 13); V. 2; n 6, 2019. Disponível em http://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/385

Silva FS, Patogenia e Patogênese da leishmaniose visceral canina; Revista Trópica-Ciências Agrárias e Biológicas. Acesso em ( 2019 DEZ 12); V. 1; p. 20, 2007. Disponível em http://docplayer.com.br/60911000-patologia-e-patogenese-da-lishmaniose-visceral-canina-pathology-and-pathogenesis-of-canine-visceral-leishmaniasis.html

Silva JAO, Da Silva FJ, Macedo LO, Santos CVB, Alves LC, Ramo NA et al; Flebotomíneos em uma área endêmica para Leishmaniose Visceral no Norte do Brasil; Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária. Acesso em ( 2019 DEZ 12). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S1984-29612019005017106〈=pt


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________