A operacionalização dos princípios cooperativistas sob a ótica da sustentabilidade

Caroline Amim Carneiro, Rosamaria Cox Moura-Leite, Alessandro Arruda

Resumo


O objetivo deste artigo foi identificar práticas organizacionais que operacionalizam os princípios cooperativistas que contribuem para uma gestão sustentável. Realizou-se estudo de caso múltiplos, e os objetos de estudo foram quatro cooperativas agropecuárias do estado do Mato Grosso do Sul. Empregou-se a abordagem qualitativa, a coleta de informações deu-se meio de entrevistas semi-estruturadas e análise de dados foi realizada através da análise de conteúdo temática. Nos resultados evidencia práticas organizacionais ligadas a categoria social e ambiental que operacionalizam o segundo, quinto e sétimo princípio cooperativista. Na categoria econômica não foi possível encontrar práticas organizacionais que contribuem com a gestão sustentável. Por fim, averiguou-se que as cooperativas buscam seguir os princípios cooperativistas, mas ainda possuem poucas práticas relacionadas a gestão de sustentabilidade.


Palavras-chave


Cooperativas agropecuárias; Princípios cooperativistas; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Bertuol, R.; Cançado, A. C.; Souza, M.F.A.(2012) A prática dos princípios cooperativistas: Um estudo de caso no Tocantins. AOS - Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, v. 1, n.2, 7-18.

Caccia, C. Z.; Zarelli, F. M.; Gimenes, F. M. P. (2008) A prática da responsabilidade social das cooperativas agroindustriais paranaenses COAMO e COCAMAR. Rev. Ciênc. Empres. UNIPAR, Umuarama, v. 9, n. 1 e 2, 69-90.

Callado, A. (2010) Modelo de Mensuração de Sustentabilidade Empresarial: uma Aplicação em Vinícolas localizadas na Serra Gaúcha. Tese (Doutorado em Agronegócios). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, Brasil.

Cançado, A.C. (2005). Para a apreensão de um conceito de cooperativa popular. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil,29.

CarvalhaL, F; Muzzio, H. (2015) Economia criativa e liderança criativa: uma associação (im) possível? REAd, Porto Alegre, ed. 82, n. 3, 659-688.

Carvalho, F.L; Bialoskorski Neto, S. (2008) Indicadores de avaliação de desempenho econômico em cooperativas agropecuárias: um estudo em cooperativas paulistas. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v.10, n.3, 420-437.

Delai, I.; Takahashi, S. (2008). Uma proposta de modelo de referência para mensuração da sustentabilidade corporativa. RGSA – Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 2, n. 1, 19-40.

Drumond, V. R. S. A (2010). A aplicação dos princípios cooperativistas na gestão dos empreendimentos cooperativos. Coletânea de artigos apresentados no I Encontro Brasileiro de Pesquisadores em Cooperativismo (EBPC). Brasília, DF, Brasil.

ICA, International Co-operative Alliance. Guidance Notes to the Co-operative Principles. Disponível em https://ica.coop/en/blueprint-themes/identity/guidancenotes. Acesso em 15 abril 2016.

ICA, International Co-operative Alliance. Disponível em http://ica.coop/en/whats-co-op/history-co-operative-movement. Acesso em 15 abril 2016.

__________________________________. Disponível em http://ica.coop/en/what-co-operative. Acesso em 27 ago. 2016.

Lourenço M. L.; Carvalho D. (2013) Sustentabilidade social e Desenvolvimento sustentável. RACE, Unoesc, v. 12, n. 1, 9-38.

Munk, L.; Borim-Souza, R. (2009) Gestão por competências e Sustentabilidade empresarial: em busca de um quadro de análise. Gestão e sociedade, v.3, n.6, 254-288.

OCB, Organização das Cooperativas Brasileiras. Relatório OCB 2014. Disponível em http://www.brasilcooperativo.coop.br/site/agencia_noticias/noticias_detalhes.asp?CodNoticia=17632 Acesso em 17 abril 2016.

____________________________________________. Disponível em http://www.ocb.org.br/site/ramos/agropecuario_conceito.asp Acesso em 31 ago.2016

Oliveira, J.H.R. (2002) M.A.I.S.: Método para avaliação de indicadores de sustentabilidade organizacional. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Piletti, D.; Rosa Borges, G.; Rosa Barros, I. C. (2015) Os princípios do cooperativismo e o trabalho em equipe em cooperativas de Garibaldi-RS. Revista de Gestão e Tecnologia – NAVUS, Florianópolis, v.5, n.4, 34-45.

Pinho, D.B (org). (1982) Administração de Cooperativas. Manual do cooperativismo volume 3. São Paulo: CNPQ.

Polonio, W.A. (2004) Manual das sociedades cooperativistas. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Rocha, T.A.C. (2012) Análise do relatório GRI enquanto ferramenta para a mensuração da sustentabilidade empresarial. Dissertação (Mestrado em Administração de organizações). Faculdade de economia, administração e contabilidade. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Sousa, J.E. R.; Sugahara, C.R. (2015) Estratégia e responsabilidade social em cooperativa. Gestão & Regionalidade, v. 31, n.91.

Sparemberger, A.; Zamberlan, L.; Savoldi, Z. (2010) A responsabilidade social em cooperativas agropecuárias do Rio Grande do Sul. Revista Capital Científico, Guarapuava, PR, v.8, n.1.

Vilas Boas, A.; Canabarro, L. F. (2008) Responsabilidade social: um diferencial de competência das organizações cooperativas. In V Encontro de Pesquisadores Latino-Americanos de Cooperativismo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

World Comission on Environment and Development (WCED). (1987) Our

common future (the Brundtland report). Oxford: Oxford University Press.

Yin. R.K.(2001) Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ed.Porto Alegre: Bookman.

Zylberstajn, Decio. (1994) Organização de cooperativas: desafios e tendências. Revista de Administração, São Paulo, v.29, n.3,23-32.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexadores: