Terceiro setor e valor econômico: uma análise da Santa Casa de Misericórdia do Recife

Aurora Regina Nunes da Silva Vieira, Mônica Pereira de Lucena, João Gabriel Nascimento de Araújo, Priscilla Milfont de Medeiros

Resumo


O Terceiro Setor é formado por associações e entidades sem fins lucrativos, que possuem como propósito exclusivo desenvolver o bem estar social e coletivo da sociedade, tem seus primeiros estudos nos Estados Unidos. Com base no papel deste setor, o objetivo deste trabalho foi verificar o resultado social, através do valor do negócio, obtido pela entidade filantrópica Santa Casa de Misericórdia do Recife, durante os exercícios sociais de 2014 e 2015. A metodologia utilizada para concretização dos objetivos teve início com uma pesquisa bibliográfica, a qual deu suporte para coletar as informações teóricas que auxiliaram no levantamento das variáveis e, posteriormente foi feita uma pesquisa documental, baseada nas informações contábeis publicadas e divulgadas pela entidade nas figuras do balanço social e demonstração do superávit e déficit do exercício. Após realização dos cálculos, identificou-se que o valor do negócio foi positivo para os dois anos estudados, devido ao superávit gerado pela entidade na execução de atividades de teor econômico, por esta razão a mesma não precisa depender de doações para prestar serviços à sociedade. Dessa forma, infere-se que a entidade analisada, no que tange a gestão de seus recursos econômicos, conseguiu construir, ao invés de destruir valor nos períodos analisados.


Palavras-chave


Terceiro setor; Valor Econômico; Valor de Negócio.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, A. M. P. et al. (2005) Metodologia SROI: uma proposta para cálculo do valor socioeconômico das organizações do terceiro setor. Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração – EnANPAD, Brasília: ANPAD. 29.

Brasil. (2010). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil. Brasília: IBGE.

Brasil. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 jan. 2002.

Brasil. Lei nº 10.825, de 22 de dezembro de 2003.Dá nova redação aos arts. 44 e 2.031 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, que institui o Código Civil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2003.

Brasil. Lei nº 12.441, de 11 de julho de 2011. Altera a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para permitir a constituição de empresa individual de responsabilidade limitada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 jul. 2011.

Cabral, Eloisa Helena do Souza. (2007) Terceiro Setor, Gestão e controle social. São Paulo: Editora Saraiva.

Camargo, M. F. (2001). Gestão do terceiro setor no Brasil. São Paulo: Futura.

Chamon, Edna Maria Querido de Oliveira. (2007) Gestão de organizações públicas e privadas. Rio de Janeiro: Brasport.

Drucker, P. F. (1999) Administração de organizações sem fins lucrativos: princípios e práticas. 5. ed. São Paulo: Pioneira.

Fonseca, L. V. (2000) O Estado, o Terceiro Setor e o mercado: uma tríade complexa: Congresso Brasileiro de Contabilidade – CBC, Goiás, 16.

Freeman, R. J., & Shoulders, C. D. (1993) Governamental and nonprofit acccounting: theory and practice. 4 ed. New Jersey: Prentice Hall.

Fregonesi, M. S. F. A. et al. (2005). Uma proposta para Cálculo Sócio-Econômico das Organizações do Terceiro Setor. UnBContábil, 8(2).

Frumkin, P.; Kim, M. T. (2001) Strategic positioning and the financing of nonprofit organizations: is efficiency rewarded in the contribution’s marketplace? Public Administration Review, 61(3), 266-275.

Iudícibus, S. (1993) Teoria da Contabilidade. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Marcuello, C., & Salas, V. (2001). Nonprofit organizations, monopolistic competition, and private donations: evidence from Spain. Public Finance Review, 29(3), 183–207.

Olak, P. A., & Nascimento, D. T. (2006). Contabilidade para entidades sem fins lucrativos (terceiro setor). 3. ed. São Paulo: Atlas.

Paula, C. L. S., Brasil, H. G., & Mário, P. C. (2009) Mensuração do Retorno Social de Organizações sem Fins Lucrativos por meio do SROI – Social Return On Investiment. Revista Contabilidade Vista & Revista, 20(3), 127-155.

Salamon, L. (1998) A emergência do terceiro setor – uma revolução associativa global. Revista de Administração, 33(1), 5-11.

Santos, P. C., & Silva, M. E. M. (2008) O papel da contabilidade na busca pela sustentabilidade do terceiro setor. Revista Brasileira de Contabilidade, (170), 35-46.

Silva, Carlos Eduardo Guerra. (2010). Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica – Revista de Administração Pública, 44(6), 1301 - 1325.

Tenório, F. G. (2008) Gestão comunitária: uma abordagem prática. Rio de Janeiro: FVG.

Weisbrod, B. A., & Dominguez, N. D. (1986). Demand for collective goods in private nonprofit markets: can fundraising expenditures help overcome free rider behavior? Journal of Public Economics, 30(1), 83–96.

Zanluca, Júlio César (2006). Contabilidade de ONG’S. Blumenau: Nova Letra.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexadores: