Governança corporativa e sustentabilidade: aplicação do triple bottom line no segmento de cosméticos

Lúcia Maria Tavares

Resumo


Questões como Governança corporativa, Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade, passaram a fazer parte do cotidiano das organizações, da sociedade e do governo. Isto acentua a necessidade uma participação mais efetiva das políticas públicas no desenvolvimento de programas de conscientização ambiental da população, em prol do consumo sustentável, a fim de se promover uma maior mobilização da sociedade sobre a conscientização do consumo rumo à sustentabilidade. Este artigo tem por objetivo analisar os relatórios de sustentabilidade das três principais empresas do ramo cosmético (AVON, BOTICÁRIO e NATURA), quanto ao seu conteúdo relacionado ao triple bottom line e suas aplicações em suas práticas empresariais. A metodologia utilizada foi a de abordagem qualitativa, baseada em duas vias paralelas que se complementam: por um lado, realizou-se uma pesquisa bibliográfica, pela identificação e análise dos dados escritos em livros, artigos de revistas, teses, publicações avulsas e Internet; e por outro lado, a pesquisa documental, na qual foram analisados os relatórios de sustentabilidade. Os resultados apurados permitem identificar que as três empresas de cosméticos se preocuparam em mostrar conjunto de atitudes nos bottom lines econômico, social e ambiental, porém a empresa que melhor elaborou e detalhou os três pilares do tripé foi a Avon, disponibilizando não só as informações, mas também o método e resultados.


Palavras-chave


Governança Corporativa; Responsabilidade Social Corporativa; Cosméticos; Triple Bottom Line e Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. Sustentabilidade e Democracia. Revista Proposta Desenvolvimento Sustentável, Ano 25, Rio de Janeiro: FASE, dez/fev, p. 11-16, 1997.

BENITES, L.L.L.; POLO, E. F. A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração da UFSM, v. 6, p. 195-210, 2013.

BRUNDTLAND, G. H. Our common future: report of the world commission on environment and development. New York: Oxford University, 1987.

COMISSÃO EUROPÉIA - CE. Promover um quadro europeu para a responsabilidade social das empresas. Livro Verde. Bruxelas, 2001. Disponível em: . Acesso em:10 jun. 2018.

ELKINGTON, J.; ROWLANDS, I. H. Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Alternatives Journal, v. 25, n. 4, p. 42, 1999.

FOX, T.; WARD, H.; HOWARD, B. Public sector roles in strengthening corporate social responsibility: A baseline study. Washington, DC: World Bank, 2002.

FURRIELA, R. B. Educação para o Consumo Sustentável. Ciclo de Palestras sobre Meio Ambiente: Programa conheça a educação do Cibec/Inep – MEC/SEF/COEA, 2001.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GONÇALVES-DIAS, S. L. F.; MOURA, C. Consumo Sustentável: muito além do consumo “verde”. In: ENCONTRO DA ANPAD, 31, Rio de Janeiro, Anais..., Rio de Janeiro, ANPAD, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA – IBGC. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 5ª ed. São Paulo: IBGC, 2015.

JACOBI, P. et al. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, v. 118, n. 3, p. 189-205, 2003.

LAPRISE, P. La multinationale du pétrole Shell et le développement durable: perspectives du concept de responsabilité sociale et environne mentale de l'entreprise. Le développement durable: Quels projets, quels outils, quelle formation? Actes de l'Organisation internationale de la francophonie, n. 6, p. 233-24, 2005.

MURRAY, K.; VOGEL, C. M. Using a Hierarchy-of-Effects Approach to Gauge the Effectiveness of Corporate Social Responsibility to Generate Goodwill Toward the Firm: Financial Versus Nonfinancial Impacts. Journal of Business Research, v. 38, p. 141-159, 1997.

OTTMAN, J. A. Marketing verde. São Paulo: Makron Books, 1994.

PEREIRA, S. J.N.; AYROSA, E. A.T.; FERNANDEZ, P. J. Dois Estudos Sobre o Impacto do Argumento Ecológico em Atitudes Relativas ao Produto e Intenção de Compra. In: ENCONTRO DA ANPAD, 28, Rio de Janeiro, Anais..., Rio de Janeiro, ANPAD, 2004.

PUNCHEVA, P. The role of corporate reputation in the stakeholder decision-making process. Business & Society, v. 47, n. 3, p. 272-290, 2008.

ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2000.

SERPA, D. A. F.; FOURNEAU, L. F. O Consumidor Ético Brasileiro: Realidade ou Ficção? In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTRATÉGIA,17, Santa Catarina. Anais..., Santa Catarina, 2004.

SILVA, D. G.; BAZOLI, T. N.; SOUZA, M. F. D. Responsabilidade social e sustentabilidade. Seminário Sobre Sustentabilidade, 1, 2006.

STRAUGHAN, R. D.; ROBERTS, J. A. Environmental segmentation alternatives: a look at green consumer behavior in the new millennium. Journal of consumer marketing, v. 16, n. 6, p. 558-575, 1999.

VELLANI, C. L.; RIBEIRO, M. D. S. Sustentabilidade e contabilidade. São Paulo: Bookman, 2009.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexadores: