Coleta seletiva em Natal/RN: cenário das cooperativas de materiais recicláveis

Cristina Bispo, Ciliana Colombo, Regina Braz, Marjorie Medeiros, Fátima Souza

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar o sistema de coleta seletiva em Natal/RN, bem como caracterizar os recursos físicos e humanos das duas cooperativas de materiais recicláveis da cidade, nos anos de 2012 e 2013. Tal caracterização ocorreu por meio de uma investigação da realidade. A pesquisa consistiu em um estudo de caso aplicado, de natureza exploratória e descritiva, tendo como ferramentas metodológicas as visitas técnicas e entrevistas semi-estruturadas; a partir das quais foi possível obter dados sobre a história da coleta seletiva, mas também sobre vários aspectos das cooperativas. Com base na investigação, percebeu-se que as cooperativas têm uma estrutura precária que afeta diretamente o desenvolvimento da atividade e a qualidade de vida dos catadores na cadeia de reciclagem.

Palavras-chave


Cooperativas; materiais recicláveis; desenvolvimento; qualidade de vida; trabalhadores

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. (2014). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2014. Recuperado em 16 agosto, 2015, de http://www.abrelpe.org.br/download_panorama_2014.php

Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico do Município do Natal. (2004). Programa Integrado de Coleta Seletiva nas Escolas Municipais e Estaduais do Município do Natal. Natal: ARSBAN.

Banco do Brasil. (2012). Programa Água Brasil. Recuperado em 25 maio, 2012, de http://www.bbagua brasil.com.br

Bartone, C. R. (1991). Institutional and management approaches to solid waste disposal in large metropolitan areas. Waste Management & Research, 9(6), 525-536. Retrieved May 15, 2012, from http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0734242X91900529

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (Eds.). (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (3ª ed.). (P. A. Guareschi, Trad.). Petrópolis: Vozes.

Bispo, C. S. (2010). Implantação da Sala Verde Chico Mendes na Escola Municipal Professor Zuza em Natal – RN. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Bortoleto, A. P., & Hanaki, K. (2007). Report: Citizen participation as a part of integrated solid waste management: Porto Alegre case. Waste Management & Research, 25(3), 276-282. Retrieved May 25, 2012, from http://wmr.sagepub.com/content/25/3 /276

Companhia de Serviços Urbanos de Natal. (2011). Diagnóstico da situação atual dos resíduos sólidos gerados no município de Natal/RN – PGIRS NATAL. Natal: URBANA.

Companhia de Serviços Urbanos de Natal. (2012). Histórico. Natal: URBANA, 2012. Recuperado em 08 fevereiro, 2012, de http://www.natal.rn.gov.br/urbana/ paginas/ctd-128.html

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília. Recuperado em 20 abril 2011, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1988). Nosso Futuro Comum (2ª ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Conceição, M.M. (2003). Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade. Análise interdisciplinar das cooperativas de reciclagem de lixo. São Paulo: Átomo.

Costa, I. F. S. (1986). De lixo também se vive. Recife: FUNDAJ.

Duarte, J., & Barros, A. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Favoino, E., & Ricci, M. The economics of different separate collection schemes for biowaste. Proceedings of the First Baltic Biowaste Conference, Tallinn, Estonia. Retrieved September 30, 2012, from http://www.recestonia.ee/ecn/presenta tions/7%20Enzo%20Favoino.pdf

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3ª ed.). (J. E. Costa, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Fourez, G. (1995). A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. (L. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Goldenberg, M. (2005). A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais (9ª ed.). Rio de Janeiro: Record.

Hui, Y., Li’ao, W., Fenwei, S., & Gang, H. (2006). Urban solid waste management in Chongqing: Challenges and opportunities. Waste Management & Research, 26(9), 1052-1062. Retrieved May 2, 2012, from http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0956053X050 02291

Hutchison, D. (2000). Educação ambiental: ideias sobre consciência ambiental. Porto Alegre: Artmed.

Iriarte, A., Gabarrell, X., & Rieradevall, J. (2009). LCA of selective waste collection systems in dense urban areas. Waste Management & Research, 29(2), 903-914. Retrieved May 25, 2012, from http:// http://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/18657964

Jacobi, P. (Org.). (2006). Gestão compartilhada dos resíduos sólidos no Brasil: inovação com inclusão social. São Paulo: Annablume.

Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010 (2010). Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 20 abril, 2011, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm

Loureiro, C. F. B., Layrargues, P. P., & Castro, R. S. (2008). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate (4ª ed.). São Paulo: Cortez.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2004). Metodologia científica (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2007). Fundamentos de metodologia científica (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Miguel, P. A. C. (Org.). (2010). Metodologia de pesquisa em Engenharia de Produção e gestão de operações. Rio de Janeiro: Elsevier.

Movimento nacional dos catadores de materiais recicláveis. O que é o movimento? Recuperado em 10 dezembro, 2012, de http://www.mncr.org.br/box_1/o-que-e-o-movimento

Pádua, E. M. M. (2000). Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática (6ª ed.). Campinas: Papirus.

Polaz, C. N. M., & Teixeira, B. A. N. (2009). Indicadores de sustentabilidade para a gestão municipal de resíduos sólidos urbanos: um estudo para São Carlos (SP). Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, 14(3), 411-420. Recuperado em 12 novembro, 2012, de http://www.scielo.br/pdf/esa/v14n3/v14n3a 15.pdf

Rodrigues, A. J. (2006). Metodologia científica: completo e essencial para avida universitária. São Paulo: Avercamp.

Rosa, M. V. F. P. C., & Arnoldi, M. A. G. C. (2008). A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismo para validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel/FUNDAP.

Sachs, I. (2008). Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. (2012). Estudos de Regionalização da Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Rio Grande do Norte – PEGIRS/RN. Natal: SEMARH.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. (2015). Panorama do Resíduos Sólidos no Estado do Rio Grande do Norte – PERS/RN. Natal: SEMARH.

Silva, I. R., Guimarães, J. R. L., & Silva, E. M. M. (2010). Coleta seletiva – Aspectos conceituais e práticos. Natal: Solução Gráfica.

Triviños, A. N. S. (2007). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. C. (2003). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Vieira, P. F., Ribeiro, M. A., Franco, R. M., & Cordeiro, R. C. (Orgs.). (1998). Desenvolvimento e meio ambiente no Brasil: a contribuição de Ignacy Sachs. Florianópolis: Pallotti/APED.

Yhdego, M. (1991). Scavenging solid wastes in Dar es Salaam, Tanzania. Waste Management & Research, 9(4), 259-265. Retrieved May 12, 2012, from http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0734242X9190016Z

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso: planejamento e métodos (3ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso: planejamento e métodos (4ª ed.). Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015