Contribuições da Teoria Ator-Rede para o Estudo da Sustentabilidade

Simone Alves Pacheco de Campos, Lisiane Celia Palma

Resumo


A sustentabilidade, hoje tema tão em voga, tem suas origens na questão ambiental. Pode-se dizer que a base dos problemas ambientais remonta ao início da ciência, onde o homem, afastando-se da natureza, busca melhor compreendê-la e desenvolver técnicas para dominá-la. Na década de 80, com a promulgação da ideia de desenvolvimento sustentável, a questão social mostra-se intrinsicamente relacionada à ambiental, já não sendo possível tratá-las de modo isolado. Sendo assim, o presente ensaio tem por objetivo apresentar as contribuições da Teoria Ator-Rede (TAR) para o estudo da sustentabilidade nas organizações. Esta traz contribuições importantes para os estudos na área, por se tratar de um a teoria que propõe uma modificação em relação ao que se entende por “social”, avançando-se para uma sociologia de associações, onde humanos e não-humanos tem poder de agência. Considerando, de forma específica, os conceitos utilizados pela TAR, nota-se que, especialmente os conceitos de simetria, híbridos, redes, sociologia das associações fornecem ricas discussões no que tange à sustentabilidade.


Palavras-chave


Sustentabilidade; Teoria Ator Rede; Sociologia das associações; desenvolvimento sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


Alcadipani, R., & Tureta, C. (2009). Teoria ator-rede e análise organizacional; contribuições e possibilidades de pesquisa no Brasil. Organizações & Sociedade, 16(51).

Arendt, R. J. J. (2008). Maneiras de pesquisar no cotidiano: contribuição da teoria do ator-rede. Revista Psicologia & Sociedade, 20.

Banerjee, S. B. (2003). Who sustains whose development? Sustainable development and the reinvention of nature. Organization Studies, 24(1), 143-180.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos (2 ed.): Saraiva.

Callon, M. (1986). Some elements of a sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of St Brieuc Bay. The Sociological Review, 32(S1), 196-233.

Callon, M., & Law, J. (1997). After the individual in society: Lessons on collectivity from science, technology and society. Canadian Journal of Sociology/Cahiers canadiens de sociologie, 165-182.

Cavalcanti, M. F. R., & Alcadipani, R. (2013). Organizações como processos e Teoria Ator-Rede: a contribuição de John Law para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE. BR, 11(4), 556-568.

da Escóssia, L., & Kastrup, V. (2005). O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2011). Mil Platôs - Capitalismo e Esquizofrenia (Volume 3 ed. Vol. Volume 3). Rio de Janeiro: Editora 34.

Dias, R. (2011). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade: Atlas.

Freeman, R. E. (2010). Strategic management: A stakeholder approach: Cambridge Univ Pr.

Hadorn, H. G., Bradley, D., Pohl, C., Rist, S., & Wiesmann, U. (2006). Implications of transdisciplinarity for sustainability research. Ecological Economics, 60(1), 119-128.

Hopwood, B., Mellor, M., & O'Brien, G. (2005). Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable development, 13(1), 38-52.

Kastrup, V. (2004). A rede: uma figura empírica da ontologia do presente. tramas da rede. Porto alegre: Sulina, 80-90.

Korhonen, J., Wihersaari, M., & Savolainen, I. (2001). Industrial ecosystem in the Finnish forest industry: using the material and energy flow model of a forest ecosystem in a forest industry system. Ecological Economics, 39(1), 145-161.

Latour, B. (2001). A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos Filosofia e política: Editora da Universidade do Sagrado Coração.

Latour, B. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba.

Latour, B., & Woolgar, S. (1997). A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos: Relume Dumará Rio de Janeiro.

Lele, S. M. (1991). Sustainable development: a critical review. World development, 19(6), 607-621.

Mebratu, D. (1998). Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. Environmental Impact Assessment Review, 18(6), 493-520.

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio-teórico? Revista de Administração Contemporânea, 15, 320-332.

Moraes, M. (2004). A ciência como rede de atores: ressonâncias filosóficas. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, 11(2), 321-323.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo (Vol. 3). Porto Alegre: Sulina.

Munasinghe, M. (2002). The sustainomics trans-disciplinary meta-framework for making development more sustainable: applications to energy issues. International Journal of Sustainable Development, 5(1), 125-182.

Munasingue, M. (2007). Sustainable Development Triangle. http://www.eoearth.org/article/Sustainable_development_triangle

Peci, A., & Alcadipani, R. (2006). Demarcação científica: uma reflexão crítica. Organizações & Sociedade, 13(36), 145-161.

Pesqueux, Y., & Damak-Ayadi, S. (2005). Stakeholder theory in perspective. Corporate Governance, 5(2), 5-21.

Roloff, J. (2008). Learning from multi-stakeholder networks: issue-focussed stakeholder management. Journal of Business Ethics, 82(1), 233-250.

Sachs, I. (1992). Qual desenvolvimento para o século XXI? In M. BARRÈRE & E. d. S. Abreu (Eds.), Terra, patrimônio comum: a ciência a serviço do meio ambiente e do desenvolvimento. (pp. 117-130). São Paulo: Nobel.

Sachs, I. (2004). Desenvolvimento Incluedente, Sustentável e Sustentado. Rio de Janeiro: Garamond Universitária.

Souza, R. S. (2000). Entendendo a questão ambiental: temas de economia, política e gesão do meio ambiente: Edunisc.

Stead, J. G., & Stead, E. (2000). Eco-enterprise strategy: standing for sustainability. Journal of Business Ethics, 24(4), 313-329.

Steurer, R., Langer, M. E., Konrad, A., & Martinuzzi, A. (2005). Corporations, stakeholders and sustainable development I: a theoretical exploration of business–society relations. Journal of Business Ethics, 61(3), 263-281.

Tonelli, D. F. (2016). Epistemological origins and affiliations of the Actor-Network Theory: implications for organizational analysis. Cadernos EBAPE. BR, 14(2), 377-390.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015