SUSTENTABILIDADE E COOPERATIVISMO: UM ESTUDO SOBRE A REGIÃO SUDOESTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Ivan Maia Tomé, Luís Paulo Bresciani, Filipe Silva, Camila Martins, Carolline Melo

Resumo


O objetivo geral deste trabalho é descrever a relação de parcerias entre organizações, que atuam em várias partes do território nacional e cooperativas de reciclagem da sub-região sudoeste da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). Destaca-se a relevância frente ao que Tachizawa (2015) destaca que a responsabilidade social é apontada como peça principal à solução dos problemas que preocupam o mercado. A pesquisa é motivada por temas atuais de sustentabilidade, de cooperativismo e de parcerias organizações apontadas como meios para o desenvolvimento local. Contudo, define-se o problema de descrever como ocorrem as parcerias entre organizações e cooperativas de reciclagem. Foi feita uma abordagem descritiva nas cooperativas encontradas na sub-região sudoeste da RMSP (Embu das Artes, Itapecerica da Serra, Juquitiba e Taboão da Serra) com a coleta de dados por meio de questionário semiestruturado e de pesquisa documental. Dentre as conclusões, destaque-se que muitas organizações parceiras não possuem sites para divulgar suas práticas de reciclagem. A grande maioria das empresas que possuem sites não divulgam essas práticas, sendo que estão perdendo oportunidade para estimular o consumo de empresas que já fazem essa separação de resíduos. Por outro lado, destaca-se a empresa Natura, que possui capital aberto e divulga suas práticas para o meio ambiente, de modo a maximizar o seu lucro por ação e aumentar seu valor de mercado.

 


Texto completo:

PDF HTML

Referências


Abramovay, R. (2010). Desenvolvimento sustentável: qual a estratégia para o Brasil? Novos Estudos, 87, 97 – 113.

Albuquerque, J. d. L. (2009). Gestão ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas.

Bell, S. & Morse, S. (2012). Sustainability indicators: Measuring the immeasurable. Londres: Earthscan.

BM&F Bovespa (2017). NATURA COSMETICOS S. A. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://bvmf.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/organizações-listadas/ResumoEmpresaPrincipal.aspx?codigoCvm=19550&idioma=pt-br

Chaves, G. L. D. & Batalha, M. O. (2006). Os Consumidores Valorizam A Coleta De Embalagens Recicláveis? Um Estudo De Caso Da Logística Reversa Em Uma Rede De Hipermercados. Gestão & Produção, 13(3), 423-434, set.-dez.

Coelho, J. P., Tocchetto, M. R. L. & Meinhardt Júnior, E. L. (2013). Estudo para o Estabelecimento de Critérios para Escolha de Área para Centrais de Triagem de Resíduos Urbanos. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, 8, 150-161, abr.

Demajorovic, J. (2012). Organizações e cooperativas de catadores: parcerias para a construção de fluxos reversos de resíduos sólidos. In: VI ENAPEGS, 2012, São Paulo. Anais… São Paulo: ENAPEG.

Ecopav (2017). Ecopav e o Meio Ambiente. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.ecopav.com.br/pt/index.php/paginas/amiga_da_natureza

Extra (2017). Extra. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.extra.com.br

Jacobi, P. R. & Besen, G. R. (2011). Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos avançados, 25(71), 135–158, abr.

Freitas, H., Oliveira, M., Amarolinda, Z. S. & Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa survey. Revista de administração, 35(3) 105-112 jul.-set.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Estimativas de população para 1º de julho de 2016. Recuperado em 27 abril, 2017, de ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2016/estimativa_2016_TCU.xls

Morgan, F. W. & Hughes, M. V. (2006). Understanding Recycling Behavior in Kentucky: Who Recycles and Why. Journal of the Minerals, Metals, and Materials Society, 58(8), 32-35.

Lei n. 12305, de 2 de agosto de 2010 (2010). Institui a Politica Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www2.planalto.gov.br

Natura (2017). Sustentabilidade. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.natura.com.br/e/sustentabilidade

Oliveira, J. A. P. d. (2008). Organizações na sociedade: Sustentabilidade e Responsabilidade Social. Rio de Janeiro: Campus.

Palmont (2014). Empresa. Recuperado em 18 junho, 2014, de http://www.palmont.com.br/empresa.asp

PRODESP (2017). PRODESP – Tecnologia da Informação. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.prodesp.sp.gov.br

Prefeitura Municipal De Taboão Da Serra (2017). Prefeitura Municipal de Taboão da Serra. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.taboaodaserra.sp.gov.br

Prefeitura Municipal De Embu Das Artes (2017). Prefeitura Municipal de Embu das Artes. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.embudasartes.sp.gov.br

Prefeitura Municipal De Itapecerica Da Serra (2017). Prefeitura Municipal de Itapecerica da Serra. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.itapecerica.sp.gov.br

Prefeitura Municipal De Juquitiba (2017). Prefeitura Municipal de Juquitiba. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.juquitiba.sp.gov.br

Roseland, M. (2012). Toward sustainable communities: solutions for citizens and their governments. 4ª ed. Gabriola Island: New Society Publishers.

São Paulo (2017). Região Metropolitana de São Paulo. Recuperado em 27 abril, 2017, de https://www.emplasa.sp.gov.br/RMSP

SPMAR (2017). Concessionária SPMAR. Recuperado em 27 abril, 2017, de http://www.spmar.com.br

Silva, L. S. A. D. & Quelhas, O. L. G. (2006). Sustentabilidade empresarial e o impacto no custo de capital próprio das organizações de capital aberto. Gestão e Produção, 13(3) set.-dez.

Tachizawa, T. (2015). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégia de negócios focada na realidade brasileira. 8ª ed. São Paulo: Atlas.

Tureta, C., Reis A. & Ávila, S. (2006). Da teoria sistêmica ao conceito de redes interorganizacionais: um estudo exploratório da teoria das organizações. Revista de Administração da Unimep, 4(1) 1-16, jan.-abr.

Vale, G. M. V. (2007). Territórios vitoriosos: o papel das redes organizacionais. Rio de Janeiro: Garamond.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015