Desenvolvimento Sustentável: Percepção dos Alunos do Curso de Graduação em Ciências Contábeis das Instituições Federais de Ensino Superior do Estado do Rio Grande do Sul

Taciane Costa Rodrigues, Débora Gomes Machado, Aléssio Almada da Costa, Marcos Antônio de Souza

Resumo


Este estudo teve como objetivo identificar qual a percepção dos alunos do curso de graduação em ciências contábeis, das Instituições Federais de Ensino Superior do Estado do Rio Grande do Sul, sobre desenvolvimento sustentável. Trata-se de uma survey descritiva, com abordagem quantitativa. Os respondentes foram os alunos iniciantes e concluintes, do curso de Ciências Contábeis, na modalidade presencial, da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, realizada no segundo semestre letivo de 2014. Os resultados demonstraram, de forma geral, que os alunos possuem percepção mediana em relação ao tema, embora sobre algumas ênfases tenham alta percepção, tais como: fontes alternativas de energia, uso de produtos químicos, consumo de água e alimentos, reciclar materiais reaproveitáveis, recursos básicos a longo prazo, preservação da biodiversidade e dos ecossistemas; de acordo com as assertivas estudadas, sendo que os alunos concluintes possuem percepção maior do que os iniciantes. Recomenda-se para pesquisas futuras uma análise comparativa do grau de percepção ambiental entre os estudantes que cursaram a disciplina de contabilidade ambiental ou socioambiental e os que não cursaram a mesma, buscando evidenciar a importância dessa disciplina para a formação acadêmica.


Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável; Contabilidade Ambiental; Ciências Contábeis.

Texto completo:

PDF

Referências


Araujo, G.C. & Silva, R. P. (2004). Desenvolvimento sustentável do meio ambiente: estudo no Instituto Souza Cruz. In 2 Congresso Brasileiro de Extensão Universitária da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

Barbosa, G. S. (2008). O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões, 1(4), 1-11.

Brandalise, L. T.; Bertolini, G. R. F.; Rojo, C. A.; Lezana, A. G. R. & Possamai, O. (2009). A percepção e o comportamento ambiental dos universitários em relação ao grau de educação ambiental. Gest. Prod., 16(2), 273-285.

Calixto, L. (2006). O ensino da Contabilidade ambiental nas universidades brasileiras: um estudo exploratório. Revista Universo Contábil, 2(3), 65-78.

Carvalho, J. R. M.; Alexandre, F. A. M.; Almeida, K. K. N.; Carvalho, E. K. M. A. & Curi, W. F. (2010). Uma Análise do Interesse dos Estudantes de Ciências Contábeis pela Área de Contabilidade Ambiental. Revista Ambiente Contábil, 2(1), 37-53.

Cavalcanti, C. (2015). Desenvolvimento e natureza: Estudos para uma sociedade sustentável. 1995. Recuperado em 12 de maio de 2015, de https://guilhardes.files.wordpress.com/2008/07/cavalcanti-desenvolvimento-e-natureza.pdf

CMMAD. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Costa, R. C. & Prates, C. P. T.(2005). O papel das fontes renováveis de energia no desenvolvimento do setor energético e barreiras à sua penetração no mercado. BNDES Setorial, (21), 5-30.

Fahl, A. C. & Manhani, L. P. S. (2006). As perspectivas do profissional contábil e o ensino de Contabilidade. Revista de Ciências Gerenciais, 10(12), 25-33.

Gil, A. C. (1999). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Sustentabilidade - InBS. (1987). Relatório Brundtland "Nosso Futuro Comum" - definição e princípios. Recuperado em 27 de julho de 2015, de http://www.inbs.com.br/ead/Arquivos%20Cursos/SANeMeT/RELAT%23U00d3RIO%20BRUNDTLAND%20%23U201cNOSSO%20FUTURO%20COMUM%23U201d.pdf

Leal, G. C. S. G.; Farias, M. S. S. & Araujo, A. F. (2008). O processo de industrialização e seus impactos no meio ambiente urbano. Revista Qualitas, 7 (1), 1-11.

Lima, R. L. (2012). A produção de energias renováveis e o desenvolvimento sustentável: uma análise no cenário da mudança do clima. Revista Eletrônica Direito E-nergia, 5(4), 1-17.

Meneguzzo, I. S.; Chaicouski, A. & Meneguzzo, P. M. (2009). Desenvolvimento Sustentável: desafios à sua implantação e a possibilidade de minimização dos problemas socioambientais. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 22, 509-520.

Mezzaroba, O. (2014). Direito e Sustentabilidade. Curitiba: Clássica.

Ministério da Educação e Cultura – MEC. (2014). Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Recuperado em 28 de maio de 2015, de http://emec.mec.gov.br/

Moreira, L. A. (2008). (IN)sustentabilidade do discurso da educação para o desenvolvimento sustentável do banco mundial. Educação Temática Digital, 9 (2), 20-30.

Organização das Nações Unidas – ONU. (1992a) Agenda 21. Recuperado em 08 de maio de 2015, de http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/agenda21.pdf

Organização das Nações Unidas – ONU. (1972). Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. Recuperado em 08 de maio de 2015, de http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/agenda21.pdf

Organização das Nações Unidas – ONU. (2002). Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Recuperado em 20 de maio de 2015, de http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/07/unced2002.pdf

Organização das Nações Unidas – ONU. (1992). Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Recuperado em 08 de maio de 2015, de http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf

Organização das Nações Unidas – ONU. (2012). Rio+20 – Relatório “O Futuro que Queremos”. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Recuperado em 14 de janeiro de 2014, de http://www.rio20.gov.br/sobre_a_rio_mais_20/rio-20-como-chegamos-ate-aqui/at_download/rio-20-como-chegamos-ate-aqui.pdf

Peixinho, F. C. (2010) Gestão sustentável dos recursos hídricos. In 16 Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, 17 Encontro Nacional de Perfuradores de Poços, São Luís, 2010.

Povoa, I. C. F.; Silva, N. S. & Silva, M. R. A. (2006). Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável. In 10 Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, e 6 Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, São José dos Campos.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2008). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: BEUREN, Ilse Maria (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Rebollo, M. G. (2004). Contabilidade e questões ambientais: responsabilidade técnica do contador. Revista do Conselho Regional de Contabilidade - RS, (116), 6-17.

Ribeiro, M. S. (2010). Contabilidade ambiental. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Santos, M. F. R. F.; Xavier, L. S. & Peixoto, J. A. A. (2008). Estudo do indicador de sustentabilidade “Pegada Ecológica”: uma abordagem teórico-empírica. Revista Gerenciais, 7 (1), 29-37.

Silva, M. C. (2011) Crédito Bancário e Desenvolvimento Sustentável nas Instituições Financeiras Brasileiras. Dissertação de Mestrado, Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

Schiesari, L. (2012). Defensivos agrícolas: Como evitar danos à saúde e ao meio ambiente, v. 8, Anapu: Série Boas Práticas.

Schneider, E. (2000). Gestão ambiental municipal: Preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável. 2000. Centro Universitário UNIVATES. Recuperado em 19 de maio de 2015, de http://nute.ufsc.br/bibliotecas/upload/3_gesto_ambiental_municipal.pdf

Tinoco, J. E. P. & Kraemer, M. E. P. (2008). Contabilidade e gestão ambiental. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Torgal, F. P. & Jalali, S. (2010). A sustentabilidade dos materiais de construção. 2. ed. Vila Verde: TecMinho.

Vecchiatti, K. (2004). Três fases rumo ao desenvolvimento sustentável do reducionismo à valorização da cultura. São Paulo em Perspectiva, 18(3), 90-95.

Weizenmann, C. A. (2011). A discussão sobre a inclusão da disciplina de contabilidade ambiental no currículo dos cursos de ciências contábeis. Monografia de Graduação em Ciências Contábeis, Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Zambelli, A. P. (2012). Contabilidade e questões ambientais. Monografia de Graduação em Ciências Contábeis, Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233

 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015