Governança e Desenvolvimento Local: Análise do Município de São José dos Campos

Marcos Eduardo Zambanini, Luis Paulo Bresciani, Gilmara Lima de Elua Roble, Alessandro Marco Rosini

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi identificar e analisar a articulação entre empresas, centros de pesquisa, universidades, poder público e atores relevantes do município de São José dos Campos, tendo como objeto de investigação a Governança como estratégia para o desenvolvimento local. O município foi identificado como pertencendo a uma das regiões brasileiras com maior densidade tecnológica, com cerca de 30 ocupações no setor de tecnologia para cada 1.000 empregos; também possui um arranjo produtivo local maduro e inovador. Assim, esses fatores foram relevantes para a escolha do município como objeto dessa pesquisa, cuja pergunta problema investiga: “Quais são e como se apresentam as categorias estruturantes da articulação verificada entre empresas, centros de pesquisa, universidades e poder público de São José dos Campos, posicionando a Governança como um dos caminhos estratégicos para o desenvolvimento local?”. Foi realizada uma pesquisa qualitativa empírica, por meio de entrevista semiestruturada, com treze importantes atores envolvidos neste processo, composto por centros de pesquisa, universidades, empresas, órgãos públicos e entidades articuladoras do processo de transferência de conhecimento e inovação. Os resultados mostram que o município possui a governança como um dos elementos estratégicos de desenvolvimento local e que a relação entre os atores envolvidos neste processo ocorre de maneira sistêmica e articulada, sendo também influenciada pelos contatos interpessoais entre esses atores.


Palavras-chave


Articulação; Estratégia; São José dos Campos; Desenvolvimento Local; Governança.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Almadani, A. Ahmed (2014). Globalization and Corportate Governance. International Journal of Innovation, Management and Technology, 5(5).

Amato, J., Neto (2009). Gestão de Sistemas Locais de Produção e Inovação. São Paulo: Atlas.

Bevir, M. & Rhodes R. A. W. (2001, março). A Decentered Theory of Governance: Rational Choice, Institutionalism and Interpretation. Institute of Governmental Studies.

Boschi, R. R.(1999). Descentralização, Clientelismo e Capital Social na Governança Urbana: Comparando Belo Horizonte e Salvador. DADOS – Revista Brasileira de Ciências Sociais, 42(4).

Brasil (2011). Rede Urbana e Regionalização do Estado de São Paulo. São Paulo: EMPLASA.

Cassiolato, J. E. & Britto, J.; Vargas, M.(2005). Arranjos Cooperativos e Inovação na Indústria Brasileira. In: Negri, J. A. de; Salerno, M. S. Inovações, Padrões Tecnológicos e Desempenho das Firmas Industriais Brasileiras. Brasília: IPEA.

CECOMPI (2014). Disponível em: < www2.cecompi.org.br>. Acesso em: 07 jan.

CNI, SEBRAE (2006). Indicadores de Competitividade na Indústria Brasileira – Micro e Pequenas Empresas. Relatório especial da pesquisa: Indicadores de Competitividade na Indústria Brasileira, dedicado aos resultados das micro e pequenas empresas. Brasília: CNI.

Crevoisier, O. (2003). A abordagem dos meios inovadores: avanços e perspectivas. Interações Revista Internacional de Desenvolvimento Local, 4(7), 15-26.

Dagnino, E. & Oliveira, A.; Panfichi, A.(2006). A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo: Paz e Terra: Campinas, SP: Unicamp.

Ferreira, R. N.; Santos, A. C. dos;. Lopes, A. L. M.; Nazareth, L. G. C., & Fonseca R. A (2013, Jul./Ago.). Governança Corporativa, Eficiência, Produtividade e Desempenho. RAM Rev. Adm. Mackenzie, 14(4), 134-164.

Forjaz, H. A.; Cavali, S. G.; Souza, L. F. C. de, & Alberti, E., Jr. (2013, outubro). Parques Tecnológicos e Incubadoras Modelando Novas Cidades - o case de São José dos Campos. Anais do Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e 30a Conferência da IASP, Recife, PE, Brasil, XXIII.

Gil, A. C. Métodos e técnicas em pesquisa social (5a. ed.). São Paulo: Atlas, 2006.

Gitahy, L. Reestruturação Produtiva, Trabalho e Educação (1994). In: Gitahy, L. (org.) Reestructuracción Productiva, Trabajo y Educación en America Latina, Red Latino Americana de Educación y Trabajo CIID/CENEP, Buenos Aires.

Heidemann, F. G., & Kissler, L. (2006, maio/junho). Governança pública: Novo modelo regulatório para as relações entre Estado, Mercado e Sociedade. RAP, 40.

Lemos, M. B.; Moro, S.; Domingues, E. P., & Ruiz, R. M. (2005). A Organização Territorial da Indústria no Brasil. In: Negri, J. A de.; Salerno, M.S. (org.) Inovações, Padrões Tecnológicos e Desempenho das Firmas Industriais Brasileiras. Brasília: IPEA.

Llorens, F. A.(2001). Desenvolvimento econômico local: caminhos e desafios para a construção de uma nova agenda política. Rio de Janeiro: BNDES.

Löffer, E. (2001). Governance: Die neue Generation von Staats - und Verwaltungs- modern-isierung. Verwaltung + Management, 7(4), pp. 212-215.

Ronconi, L. (2011). Governança pública: um desafio à democracia. Emancipação. Ponta Grossa, 11(1), 21-34.

Roy, C. & Bhattacharya, B. (2013, junho). Good Governance and Factors that Effect Performance of Self Help Group: Findings from Tripura on SGSY. Management Convergence 4(2).

Santos, M. (2008). A Urbanização Brasileira. (5a. ed.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Santos, O. A., Jr. (2000). Democracia e Governo Local: dilemas da reforma municipal no Brasil. (Tese de Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional - UFRJ. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Savitch, H. V. & Vogel, R. K. (2000). Paths to new regionalism. State and Local Government Review, 32(3), 158-168.

Seidman, I. (1998). Interviewing as qualitative research: A guide for researchers in education and the social sciences (2nd ed.). New York: Teachers College Press.

Spink, P. (2011). Cooperação e Governança Interjurisdicional: conceitos em discussão. Cadernos Adenauer XII(4), 13-29.

Storper, M. & Scott, A. (1990). Regional Development Reconsidered. Los Angeles: Lewis Center for Regional Policy Studies - University of California.

Suzigan, W.; Furtado, J.; Garcia , R., & Sampaio, S.E. K. (2006, maio/agosto). Inovação e Conhecimento: indicadores regionalizados e aplicação a São Paulo. Revista Economia Contemporânea, 10(2), 323-356.

Tatagiba, L. (2003). Participação, cultura política e modelos de gestão: a democracia gerencial e suas ambivalências. (Tese de Doutorado). Campinas-SP, IFCH- UNICAMP.

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Weiss, R. S. (1994). Learning from strangers: The art and method of qualitative interview studies. New York: Free Press.

Zambanini, M. E.; Bresciani, L. P., & Oliveira, T. E. (2012, novembro). Inovação, Cooperação e Relações entre Empresas: um estudo sobre a construção do Arranjo Produtivo Metalmecânico no Grande ABC. Ensaios FEE, 33(2), 483-512.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015