Logística reversa para a destinação ambientalmente sustentável dos resíduos de construção e demolição (RCD)

Matheus Henrique Silva Santos, Márcia Maria Penteado Marchesini

Resumo


A construção civil é um setor que demanda de muitos recursos naturais e gera muitos resíduos, tendo gerado cerca de 150 milhões de toneladas de resíduos em 2014. Observa-se que muitos desses resíduos não retornam para a cadeia de valor, quer seja pela falta de políticas de incentivo ou leis que punam transgressores, ou pela falta de iniciativa das empresas do setor. Dada a importância do tema, é considerada baixa a quantidade de estudos no setor. Diante disso, o presente trabalho procura contribuir para o tema de logística reversa, aumentando os estudos na área específica de construção civil. Portanto, o tema do trabalho é: Logística Reversa para a destinação ambientalmente correta dos resíduos sólidos gerados pela construção civil. A pesquisa tem como objetivo geral o mapeamento das etapas e atividades do ciclo de retorno para o reaproveitamento ou a destinação final ambientalmente correta dos RCD, identificando as empresas envolvidas nesse canal reverso. Este projeto é uma pesquisa aplicada, com abordagem de pesquisa qualitativa, de natureza exploratória e com estudo experimental de campo. O método de pesquisa foi pesquisa bibliográfica e documental, com estudo de caso único, feito em campo com uma empreiteira de médio porte responsável por uma obra que possuía certificação de construção sustentável. O instrumento de coleta de dados foi um questionário semi-estruturado e as fontes para a pesquisa foram entrevistas pessoais e análise de relatórios e documentos.


Palavras-chave


Logística reversa; Resíduos sólidos; Construção civil; Mapeamento do canal reverso; Sustentabilidade.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Amorin, K. (2014). Construção civil cresceu 74,25% nos últimos anos, revela estudo do SindusCon-MG. Construção Mercado: negócios de incorporação e construção. Recuperado em 20 abril, 2016, de http://construcaomercado.pini.com.br/negocios-incorporacao-construcao/negocios/construcao-civil-cresceu-7425-nos-ultimos-20-anos-revela-estudo-323993-1.aspx

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. (2013). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil: 2013. São Paulo. Recuperado em 23 março, 2015, de http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2013

Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (ABRECON). (2015). Relatório de pesquisa setorial 2014/2015: a reciclagem de resíduos de construção e demolição no Brasil. São Paulo. Recuperado em 24 novembro, 2016, de https://issuu.com/abrecon/docs/relatorio-pesq2015

Ballou, R. H. (2006). Gerenciamento da cadeia de suprimentos: logística empresarial (5ª ed.). São Paulo: Artmed Editora. ISBN 0-13-066184-8

Ballour, R. H. (1993). Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas. ISBN 8-52-240874-2

Baptista Junior, J. V., & Romanel, C. (2013). Sustentabilidade na indústria da construção: uma logística para reciclagem dos resíduos de pequenas obras. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 5(2), 27-37.

Bertol, M. (2015). Estudo dos Impactos da Reutilização de Resíduos da Construção Civil. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, RS, Brasil.

Bowersox, D. J., & Closs, D. J. (2007). Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas.

Cardoso, F. F., & Araújo, V. M. (2007). Levantamento do estado da arte: Canteiro de obras. Documento 2.6. Projeto FINEP 2386/04, USP, São Paulo. Recuperado em 21 maio, 2016, de https://issuu.com/gcolombo/docs/pp_levantamento_do_estado_da_arte_canteiro_de_obra

Conselho Nacional do Meio Ambiente. (2002). Resolução Nº 307, de 5 de julho de 2002. Recuperado em 12 maio, 2016, de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=307

Donato, V. (2008). Logística Verde (7ª ed.). Rio de Janeiro: Ciência Moderna. ISBN 9788573937053.

Faria, H. (2013). As dificuldades da coleta seletiva e reciclagem no Brasil. SETON Blog. Recuperado em 23 outubro, 2016, de http://blog.seton.com.br/as-dificuldades-da-coleta-seletiva-e-reciclagem-no-brasil.html

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. (s.d.). Cadeia Produtiva da Construção. Recuperado em 15 maio, 2016, de http://www.fiesp.com.br/infografico-cadeia-da-construcao

Felipe, L. N. (2009). A Logística Reversa Como Ferramenta de Melhoria nos Processos das Indústrias de Revestimentos Cerâmicos da Região de Criciúma-SC. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, SC, Brasil.

Fretta, M. C. (2006). Logística de Suprimentos: um estudo de caso na rede de supermercados Imperatriz. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6ª ed.). São Paulo: Editora Atlas. ISBN 978-85-224-5142-5

Haden, S. S. P., Oyler, J. D., & Humphreys, J. H. (2009). Historical, practical, and theoretical perspectives on green management: an exploratory analysis. Management Decision, 47(7), 1041-1055.

Hosseini, M. R., Rameezdeen, R., Chileshe, N., & Lehmann, S. (2015). Reverse logistics in the construction industry. Waste Management & Research, 33(6), 499-514.

Jabbour, A. B. L. S. (2014). Evidências da Relação Entre a Evolução da Gestão Ambiental e a Adoção de Práticas de Green Supply Chain Management no Setor Eletrônico Brasileiro. Revista de Administração, 49(3), 606-616.

John, V. M. (2000). Reciclagem de Resíduos na Construção Civil: contribuição à metodologia de pesquisa e desenvolvimento. Tese de Livre Docência, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010 (2010). Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 24 novembro, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm

Leite, P. R. (2009). Logística Reversa: Meio ambiente e competitividade (2ª ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall. ISBN 978-85-7605-365-1

Michaelis. (2016). “Sustentabilidade”. (s.l.): Melhoramentos. Recuperado em 21 novembro, 2016, de http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=Sustentabilidade

Moresi, E. (2003). Metodologia da Pesquisa [Manual]. Universidade Católica de Brasília: Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação. Brasília, DF, Brasil.

Nilsson, W. R. (1998). Services instead of products: experiences from energy markets: examples from Sweden. Innovation and sustainable development: lessons for innovation policies. Heidelberg: Physica-Verlag.

Santos, I. R. (2015). Medidas para a redução dos impactos ambientais gerados pela construção civil. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

São Paulo. (2014). Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo. São Paulo. Recuperado em 25 maio, 2016, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/servicos/arquivos/PGIRS-2014.pdf

SENAI/SEBRAE/GTZ. (2010). Gestão de resíduos na construção civil: redução, reutilização e reciclagem. Brasília. Recuperado em 13 maio, 2016, de http://www.fieb.org.br/Adm/Conteudo/uploads/Livro-Gestao-de-Residuos_id_177__xbc2901938cc24e5fb98ef2d11ba92fc3_2692013165855_.pdf

Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (2012). Resíduos da construção civil: reutilização e reciclagem. São Paulo. Recuperado em 24 novembro, 2016, de http://www.ambiente.sp.gov.br/cpla/files/2012/09/folheto_sinduscon_20124-1.pdf

United Nations. (2002). Report of the World Summit on Sustainable Development. Joanesburgo, África do Sul. Recuperado em 30 junho, 2016, de http://www.unmillenniumproject.org/documents/131302_wssd_report_reissued.pdf

World Commission on Environment and Development. (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: planejamento e métodos (2ª ed.). São Paulo: Bookman. ISBN 85-7307-852-9


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015