A PERCEPÇÃO DOS ASSOCIADOS DA SICREDI PROGRESSO EM RELAÇÃO AO CONSÓRCIO SUSTENTÁVEL

Mileide Klitzke Gimenez, Vanessa Cantu, Loreni Teresinha Brandalise

Resumo


Este estudo objetivou avaliar a percepção dos associados da Cooperativa Sicredi Progresso PR/SP em relação ao Consórcio Sustentável, um produto novo no mercado financeiro que se diferencia por seu viés ambiental. Para a pesquisa, de abordagem quantitativa, utilizou-se o modelo VAPERCOM de Brandalise (2008). A coleta e análise dos dados provenientes da aplicação de questionários aos associados dos três segmentos atendidos pela cooperativa: Agro, Pessoa Física e Pessoa Jurídica, totalizou uma amostra de 400 pesquisados, selecionados de forma estratificada. A partir da percepção dos associados quanto ao Consórcio Sustentável e considerando os resultados da análise do grau de percepção ambiental dos associados, em que os três segmentos analisados “possuem percepção ambiental” e ainda o grau de consumo ecológico dos associados, em que os três segmentos enquadram-se como “potencial possibilidade de tornar-se um consumidor ecológico”, considera-se extremamente relevante a cooperativa investir na divulgação de seu produto aos seus associados, visto que os resultados desta pesquisa apontam a disposição de tornarem-se clientes potenciais do Consórcio Sustentável.

Palavras-chave


Sustentabilidade. Percepção do consumidor. VAPERCOM. Consórcio Sustentável.

Referências


Alves, E. B. B. M.; Barros, K. O., Loures, N. G., Jacovine, L. A. G., & Alves, R. R. (2013). O mercado de bens e serviços com apelos ambientais. Revista Agrogeoambiental, 5 (3), 13-19. Recuperado em 20 junho, 2016, de https://agrogeoambiental.ifsuldeminas.edu.br/index.php/Agrogeoambiental/article/view/560/535

Baldassarre, F., Campo, R. (2016). Sustainability as a marketing tool: to be or to appear to be? Business Horizons, 59, 421-429. Recuperado em 16 junho, 2016, de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0007681316300064.

Bertolini, G. R. F; Brandalise, L. T.; Rojo, C. A., & Lezana, A. G. R.; A viabilidade financeira no desenvolvimento de produtos ecológicos valorizados pelos consumidores. Revista de Gestão de Projetos – GEP, 4(3), 01-29. Recuperado em 30 junho, 2016, de http://www.revistagep.org/ojs/index.php/gep/article/view/167/pdf.

Bertolini, G. R. F. (2004). Modelo de avaliação da percepção dos consumidores em relação aos produtos ecologicamente corretos. Dissertação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianóplois, SC, Brasil.

Brandalise, L. T. (2008). A percepção do consumidor na análise do ciclo de vida do produto: um modelo de apoio à gestão empresarial. Cascavel: EDUNIOESTE.

Cantelle, T. D., Lima, L. M. E. S., Reis, R. P., & Magalhães, L. C. A. (2013). Competitividade na agricultura comercial versus sustentabilidade ambiental. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, 6 (1), 171-188. Recuperado em 14 julho, 2016, de http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/rama/article/viewFile/2204/1838.

Cavalcanti, A. P .B. (2011). Sustentabilidade ambiental como perspectiva de desenvolvimento. INTERthesis, 8(1), 219-237. Recuperado em 30 junho, 2016, de https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2011v8n1p219

Damasceno, A. L., Filho, J. F. P., & Camargos, S. P. (2008). Práticas e produtos ambientalmente sustentáveis: análise do conteúdo das informações veiculadas em revista de circulação no Brasil. GEPROS Gestão da Produção, 3(3), 11-23. Recuperado em 19 junho, 2016, de http://revista.feb.unesp.br/index.php/gepros/article/view/465.

Donaire, D. Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa: A observação de casos reais fornece informações úteis para empresas interessadas em equacionar seus problemas ambientais. (1994). Revista de Administração de Empresas EAESP, 34(2), 68-77. Recuperado em 19 junho, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/rae/v34n2/a08v34n2.pdf.

Garcia, M. N., Silva, D.; Pereira, R. S.; Rossi, G. B., & Minciotti, S.A., (2008). Inovação no comportamento do consumidor: recompensa às empresas socioambientalmente responsáveis. RAI – Revista de Administração e Inovação, 5(2), 73-91. Recuperado em 19 junho, 2016, de http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/79111.

Lins, C., & Wajnberg, D., (2007). Sustentabilidade corporativa no setor financeiro brasileiro. Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. 1-63. Recuperado em 11 junho, 2016, de http://www.fbds.org.br/IMG/pdf/doc-243.pdf.

Malhotra, N. K. (2011). Pesquisa de marketing: foco na decisão. (3a ed., Opportnity Translations, Trad.). São Paulo: Pearson Prentice Hall. (Obra original publicada em 2010).

Motta, S. L. S., & Rossi, G. B. (2003). A influência do fator ecológico na decisão de compra de bens de conveniência: um estudo exploratório na cidade de São Paulo. Revista de Administração da Universidade de São Paulo. São Paulo, 38(1), 46-57. Recuperado em 19 junho, 2016, de http://200.232.30.99/busca/artigo.asp?num_artigo=1079.

Nascimento, L. F., Lemos, A. D. C., & Mello, M. C. A. (2008). Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman.

Pinheiro, M. A. H., Cooperativas de crédito: História da evolução normativa no Brasil. (6a ed.). Brasília: BCB.

Resolução Nº 4.327, de 25 de abril de 2014 (2014). Dispõe sobre as diretrizes que devem ser observadas no estabelecimento e na implementação da Política de Responsabilidade Socioambiental pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar

pelo Banco Central do Brasil. Banco Central do Brasil. Recuperado em: 15 julho, 2016, de http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2014/pdf/res_4327_v1_O.pdf.

SICREDI, Consórcio Sustentável. Recuperado em: 18 junho, 2016 de https://www.sicredi.com.br/html/para-voce/consorcios/sustentavel/.

SILVA, E., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. (4a ed.). Florianópolis: UFSC.

SOLOMON, M. R. (2016). O Comportamento do Consumidor: comprando, possuindo e sendo. (11a ed.). Bookman Editora.

Teodósio, A. dos S. de S., Barbieri, J. C., & Csillag, J. M. (2006). Sustentabilidade e competitividade: novas fronteiras a partir da gestão ambiental. Revista Gerenciais, 5(1), 37-49. Recuperado em: 22 julho, 2016, de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=331227107004.

TOSINI, M. de F. C. (2007). Risco ambiental para as instituições financeiras. Dissertação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

VASCONCELOS, M. S. (2011). O papel das instituições financeiras na transição para uma econômica verde. In: GRAMKOW, C. L. & PRADO, P. G. Política Ambiental: economia verde, desafios e oportunidades. Belo Horizonte.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015