PERCEPÇÃO ORGANIZACIONAL DE SUSTENTABILIDADE A PARTIR DE INDICADORES DO GLOBAL REPORTING INICIATIVE

Ademor Fábio Basso Júnior, Ricardo José Nascimento, Marta Elisete Ventura Motta, Alice Munz Fernandes, Maria Emilia Camargo

Resumo


As preocupações acerca da sustentabilidade das organizações pauta debates e discussões em todos os contextos da sociedade. Com vistas a isso, o estudo realizado teve como objetivo identificar a utilização e percepção de relevância de organizações quanto aos indicadores essenciais propostos pelo Global Reporting Iniciative (GRI). Para tanto, realizou-se uma pesquisa com abordagem mista, empregando estudos de casos múltiplos. A investigação foi realizada  em três empresas localizadas na Região Serrana do Estado do Rio Grande do Sul, atuantes no segmento de informática e de tintas industrias. Os resultados obtidos demonstraram que a metodologia de indicadores propostas pelo GRI não era de conhecimento das organizações, cujas diretrizes são subsidiadas principalmente a partir da dimensão econômica. Contudo, reconhecem a relevância dos aspectos sociais, apesar de geralmente não os integrarem como determinante no seu processo decisório. Sob a perspectiva ambiental, os resultados apontaram que as organizações os consideram importantes, sobretudo, em virtude da legislação vigente, a fim de evitar punições pecuniárias ou advertências. 


Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável. Ambiental. Social. Econômico

Referências


BARBIERI, J. C. (2007) Organizações inovadoras sustentáveis. Caderno de Inovação, v. 3, p. 5-9.

BELLEN, H. M. V. (2005) Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. São Paulo: FGV.

BEUREN, I. M.; MARCELLO, I. E. (2016) Relação da Importância dos Recursos Estratégicos com as Medidas de Desempenho em Empresas Brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 15, n. 1, p. 65.

CARVALHO, F. M. (2007) Análise da Utilização dos Indicadores Essenciais da Global Reporting Initiative nos Relatórios Sociais em Empresas Latino-Americanas. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - FACC/UFRJ, Rio de Janeiro.

CARVALHO, F. M.; SIQUEIRA, J. R. M. (2008) Análise da utilização dos Indicadores Essenciais da Global Reporting Initiative nos relatórios sociais de empresas latino-americanas. Pensar Contábil, v. 9, n. 38.

CASTRO, F. A. R. (2008) Análise da Utilização dos Indicadores Essenciais da Versão “G3”, da Global Reporting Initiative, nos Relatórios de Sustentabilidade das Empresas do Setor de Energia Elétrica Sul Americanas. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: UFRJ.

DAVIS, M. (2006) City of Quartz: Excavating the Future in Los Angeles (New Edition). Verso Books.

DE CASTRO, F. A. R.; DE SIQUEIRA, J. R. M.; DA SILVA MACEDO, M. A. (2011) Análise da utilização dos indicadores essenciais da versão “g3”, da global reporting initiative, nos relatórios de sustentabilidade das empresas do setor de energia elétrico sul americano. Revista de Informação Contábil, v. 4, n. 4, p. 83-102.

DIAS, L. N. S. (2006) Análise da utilização dos indicadores do Global Reporting Initiative nos relatórios sociais em empresas brasileiras. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

DONAIRE, D. (1995) Gestäo ambiental na empresa. São Paulo: Atlas.

DOPPELT, B. (2012) The Power of Sustainable Thinking:" How to Create a Positive Future for the Climate, the Planet, Your Organization and Your Life". Routledge.

ESTEVES, H. P. (2014) Ativismo normativo na aplicação constitucional do desenvolvimento sustentável. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 91-109.

ETHOS. (2016) O que é responsabilidade social empresarial. 2008. Disponível em: < http://www.ethos.org.br/DesktopDefault.aspx?TabID=3344&Alias=Ethos&Lang=pt-BR >. Acesso em 13 fev..

GIL, A. C. (2010) Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

GRI, Global Reporting Initiative. (2006) Diretrizes para relatório de sustentabilidade. São Paulo: Global Reporting Initiative.

HARRIS, J. (2001) A survey of sustainable development: Social and economic dimensions. Island Press.

HART, S. L. (2007) Capitalism at the Crossoads: Aligning Business, Earth, and Humanity. Pearson Prentice Hall.

LEITE FILHO, G. A.; PRATES, L. A.; GUIMARÃES, T. N. (2009) Níveis de evidenciação dos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras a+ do global reporting initiative (GRI) no ano de 2007. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, v. 33.

LELE, S. M. (1991) Sustainable development: a critical review. World Development, v. 19, n. 6, p. 607-621.

MACDONALD, C.; NORMAN, W. (2007) Rescuing the baby from the triple-bottom-line bathwater: a reply to Pava. Business Ethics Quarterly, v. 17, n. 01, p. 111-114.

MARTINS, E. et al. (1980) Contabilidade de custos. São Paulo: Atlas.

]

MEADOWS, D. H. et al. (1972) The limits to growth: a report to the club of Rome. New York: Universe Books.

MONTIBELLER, G. (2004) O Mito do Desenvolvimento Sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. 2ª. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC.

NOSSA, V. (2002) Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. 2002. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

OECD – Organization for Economic Co-operation and Development (2003) OECD Environmental Indicators: Development, Measurement and Use.

PEREIRA, D. B.; SILVA, R. N. S. (2010) Análise da utilização dos indicadores essenciais da GRI nos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 3, n. 2.

REICH, B. H.; BENBASAT, I. (1996) the linkage between business and information technology objectives. MIS Quarterly, p. 55-81.

STERN, N. (2006) Relatório Stern: Aspectos Econômicos das Alterações Climáticas. The Stern Report, Governo do Reino Unido.

QUINTAS, J. S. (2005) Introdução à gestão ambiental pública. IBAMA.

WIDENER, S. K. (2006) Associations between strategic resource importance and performance measure use: The impact on firm performance. Management Accounting Research, v. 17, n. 4, p. 433-457.

YIN, R. K. (2015) Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. São Paulo: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015