Possibilidades e limites do ciclo de melhoria contínua - PDCA como elemento de aprendizagem / Possibilities and limits of the cycle of continuous improvement -PDCA as an element of learning

Celso Machado Junior, Marco Antonio Batista da Silva

Resumo


O objetivo geral deste trabalho é investigar as possibilidades e os limites da utilização do ciclo de melhoria contínua, PDCA, como ferramenta que contribui para a o desenvolvimento da aprendizagem do indivíduo na organização. É uma pesquisa qualitativa, descritiva e utiliza o estudo de caso como método. Observou-se que a prática, proposta pelo PDCA, pode ser utilizada no processo de criação do conhecimento em consonância com os autores da área, constituindo-se uma forma de gerenciamento do conhecimento no interior da organização, possibilitando a criação do conhecimento tácito e a sua transformação em explicito, não se observando limites para sua utilização.

 


Palavras-chave


Aprendizagem nas organizações; Ciclo PDCA; Aprendizagem individual.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbad, G. S., & Borges-Andrade, J. E. (2004). Aprendizagem humana em organizações de trabalho. In: Zanelli, J. C., Borges-Andrade, J. E., & Bastos, A. V. B. Psicologia, organizações e trabalhos no Brasil. São Paulo: Editora Artmed.

Argyris, C. (1999). On Organizational Learning (2a ed.). Oxford: Blackwell.

Argyris, C., & Schön, D. A. (1996). Organizational learning II: theory, method, and practice. Reading, MA: AddisonWesley, 1996.

Argyris, C., & Schon, D. A. (1978). Organizacional Learning: a theory of action perspective. California: Addison-Wesley Publishing Co.

Deming, W. E. (1997). A nova economia para a indústria, o governo e a educação. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Diehl, A. A., & Tatim, D. C. (2004). Pesquisa em ciências sociais aplicadas: método e técnicas. São Paulo: Prentice Hall.

Garvin, D. A. (2002). Aprendizagem em ação. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Garvin, D. A. (2000). Gestão do Conhecimento- Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 50-81.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. (2007). Classificação Nacional de Atividade Econômica. Recuperado em 20 novembro, 2010, de http://www.cnae.ibge.gov.br/estrutura.asp?TabelaBusca=CNAE_110@CNAE%201.0%20/%20CNAE%20FISCAL%201.1@0@cnaefiscal@0

Instituto Nacional Da Propriedade Industrial. Marcas e Patentes. Recueprado em 6 novembro, 2010, de http://pesquisa.inpi.gov.br/MarcaPatente/servlet/PatenteServletController

Kim, D. H. (1997). O Elo entre a Aprendizagem Individual e a Aprendizagem Organizacional. In Starkey, K. (Org.). Como as organizações aprendem: relatos do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, 484 p.

Kolb, D. A. (1984). Experiential learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice Hall.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação (2a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Nonaka, I., Toyama, R., & Nagata, A. (2000). A firm as a knowledge-creating entity: a new perspective on the theory of the firm. Industrial and Corporate Change. Oxford University Press Inc, 9(1), 1-20.

Senge, P. M. (2006). A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende (22ª ed.). Rio de Janeiro: Best Seller.

Vergara, S. C. (2006). Métodos de pesquisa em administração. (2a ed.). São Paulo: Atlas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015