Estrutura de propriedade e responsabilidade socioambiental em companhias abertas

Geovanne Dias de Moura, Aline Luiza Brusco Pletsch, Evanilde Gollo Cordazzo, Sady Mazzioni

Resumo


O estudo analisou a relação entre estrutura de propriedade e responsabilidade socioambiental em companhias abertas. A responsabilidade socioambiental foi analisada por meio de um índice constituído por 91 indicadores, elaborado a partir das recomendações da Global Reporting Initiative (GRI). Em relação a estrutura de propriedade foi investigada a concentração acionária, propriedade gerencial, propriedade governamental, propriedade internacional e propriedade institucional. Realizou-se pesquisa descritiva, documental e quantitativa em uma amostra composta por 34 companhias abertas. Em relação aos indicadores, classificados nas dimensões econômica, ambiental e social, os resultados revelaram que o maior indicador médio se encontrava na dimensão econômica, enquanto o menor referia-se a dimensão social. No tocante a estrutura de propriedade, constatou-se que o percentual médio de concentração de direitos de voto foi de 59,94%. Quanto aos tipos de proprietários, percebeu-se que as propriedades internacional e governamental se destacaram com maior representatividade. A propriedade gerencial foi a que apresentou menor percentual médio. Por fim, constatou-se associação negativa entre a concentração acionária e a responsabilidade socioambiental e associação positiva das propriedades governamental e internacional com a responsabilidade socioambiental.


Palavras-chave


Estrutura de propriedade. Responsabilidade socioambiental. Companhias abertas.

Referências


Albanio, L. S., & Tatsch, M. P. (2016) A Percepção de Empresas do Setor Calçadista Sobre Práticas Sustentáveis. Revista Organizações em Contexto-online, 12(23), 241-260.

Ashley, P. A. (2003) Ética e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva.

B3 – Brasil, Bolsa, Balcão S/A. (2017) Índices. Índice de Sustentabilidade Empresarial – ISE. Disponível em: . Acessado em 02 de Fevereiro de 2017.

Busch, S. E., & Ribeiro, H. (2009). Responsabilidade socioambiental empresarial: revisão da literatura sobre conceitos. INTERFACEHS-Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, 4(2), 25

Cabestré, S. A., Graziadei, T. M., & Polesel Filho, P. (2008). Comunicação estratégica, sustentabilidade e responsabilidade socioambiental: um estudo destacando os aspectos teórico-conceituais e práticos. Conexão-Comunicação e Cultura, 7(13).

Chang, K., & Zhang, L. (2015). The Effects of Corporate Ownership Structure on Environmental Information Disclosure - Empirical Evidence from Unbalanced Penal Data in Heavy-pollution Industries in China. WSEAS Transactions on Syatems and Control, 10.

Choi, J. J., Sami, H., & Zhou, H. (2010). The impacts of state ownership on information asymmetry: Evidence from an emerging market. China Journal of Accounting Research, 3, 13-50.

Crisóstomo, V. L., Freire, F. S., & Parente, P. H. N. (2013). Ownership concentration favors corporate social responsibility of Brazilian firm. In Anais do Congresso da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis–ANPCONT, Fortaleza, CE, Brasil (Vol. 7).

Di Domenico, D., Mazzioni, S., Kronbauer, N. B., & Simionatto, F. J. (2016). Responsabilidade socioambiental e a estrutura de propriedade das empresas listadas na BM&F BOVESPA. Caderno de Administração, 24(1), 19-31.

ETHOS - Instituto de Responsabilidade Social. Disponível em: Acessado em: 23 Janeiro de 2017.

Fernandes, F. R. C. (2006). Responsabilidade socioambiental e trabalho infantil na mineração. Gênero e trabalho infantil na pequena mineração, 94.

Hu, Y., Zhu, Y., & Hu, Y. (2016). Does ownership type matter for corporate social responsibility disclosure: Evidence from China. In Global Conference on Business and Finance Proceedings, 11(1), 183-197

Juhmani, O. I. (2013). Ownership structure and corporate voluntary disclosure: Evidence from Bahrain. International Journal of Accounting and Financial Reporting, 3(2), 133.

Lu, Y., & Abeysekera, I. (2014). Stakeholders' power, corporate characteristics, and social and environmental disclosure: evidence from China. Journal of Cleaner Production, 64, 426-436.

Macêdo, F., Moura, G. D., & Hein, N. (2013). Investidores institucionais e práticas de governança corporativa: uma análise das maiores empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, 11(21), 1-20.

Meng, X. H., Zeng, S. X., Shi, J. J., Qi, G. Y., & Zhang, Z. B. (2014). The relationship between corporate environmental performance and environmental disclosure: An empirical study in China. Journal of environmental management, 145, 357-367.

Oh, W. Y., Chang, Y. K., & Martynov, A. (2011). The effect of ownership structure on corporate social responsibility: Empirical evidence from Korea. Journal of business ethics, 104(2), 283-297.

Pinto, F. R., Lemos, A. Q., da Rocha, J. D. A., & Ferreira, J. W. C. (2010). A percepção de empresários do setor de agronegócio sobre as práticas de responsabilidade socioambiental. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 6(2), 437-452.

Soliman, M., El Din, M. B., & Sakr, A. (2013). Ownership structure and corporate social responsibility (CSR): An empirical study of the listed companies in Egypt. Available at SSRN 2257816.

Sufian, M. A., & Zahan, M. (2013). Ownership structure and corporate social responsibility disclosure in Bangladesh. International Journal of Economics and Financial Issues, 3(4), 901.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015