Estimulando o consumo sustentável por meio do comportamento socioambiental empresarial: um estudo no Walmart Brasil / Stimulating sustainable consumption through social and environmental business behavior: an study in Walmart Brazil

Minelle Enéas da Silva

Resumo


Sob a atual dinâmica mercadológica, cada vez mais se exige uma mudança no comportamento das empresas direcionado para questões socioambientais. Com isso, considerando o emergir do novo paradigma de consumo, o objetivo do artigo é identificar como o comportamento socioambiental do Walmart Brasil pode estimular a efetivação do consumo sustentável no varejo de supermercados. Com abordagem qualitativa e sob a forma de um estudo de caso, a pesquisa identificou que ao assumir um novo comportamento com a adoção de práticas responsáveis, há um estímulo para o consumo sustentável no varejo estudado, que para ser efetivado necessita de outras interações sociais.


Palavras-chave


Consumo Sustentável; Comportamento Socioambiental; Stakeholders.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Supermercados. (2011). Ranking Abras. Recuperado em 12 maio, 2011, de http://www.abras.com.br/economia-e-pesquisa/ranking-abras/historico/

Abreu, M. C. S. (2001). Modelo de avaliação da estratégia ambiental: Uma ferramenta para tomada de decisão. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC, Brasil.

Assadourian, E. (2010). Ascensão e queda das culturas de consumo. In: Worldwatch Institute. Estado do Mundo, 2010: estado do consumo e o consumo sustentável. Salvador: Uma Ed.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo (3. ed.). Lisboa: Edições 70.

Buarque, S. C. (2008). Construindo o desenvolvimento local sustentável ( 4ª ed.). Rio de Janeiro: Garamond.

Buenstfort, G., & Cordes, C. (2008). Can sustainable consumption be learned? A model of cultural evolution. Ecological Economics, 64(4), 646-657.

Carroll, A. B. (1998). The Four Faces of Corporate Citizenship. Business and Society Review, 100(1), 1-7.

Clarkson, M. B. E. (1995). A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. Academy of Management Review, 20(1), 92-117.

Cooper, D. R., & Schindler, P. (2003). Métodos de pesquisa em administração (7ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Cortez, A. T. C., & Ortigoza, S. A. G. Consumo Sustentável: conflitos entre necessidades e desperdício. São Paulo: Editora UNESP.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2010.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makroon Books.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

Foladori, G. (2005). Por uma sustentabilidad alternativa. Uruguai: Colección Cabichui.

Giacomini Filho, G. (2008). Meio Ambiente & Consumismo. São Paulo: Editora Senac.

Goldenberg, M. (2009). A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record.

Gunther, M. (2006). The Green Machine. Fortune Magazine. Recuperado em 12 maio, 2011, de http://money.cnn.com/magazines/fortune/fortune_archive/2006/08/07/8382593/

Jackson, T. ( 2004). Negotiating Sustainable Consumption: A review of the consumption debate and its policy implications. Energy & Environment, 15(6), 1027-1051.

Jackson, T. (2007). Sustainable Consumption. In Atkinson, G., DIETZ, S.& Neumayer, E. (Eds.). Handbook of Sustainable Development. USA/UK: Edward Elgar Publishing.

Kotler, P., & Armstrong, G. Princípios de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados (7. ed.). São Paulo: Atlas.

Michaelis, L. (2000a). Ethics of consumption. England: Oxford Centre for the Environment.

Michaelis, L. (2000b). Sustainable consumption and production. In Dodds, F., & Middleton, T. Earth Summit 2002: A new deal. England: Earthscan Publications Ltd.

Michaelis, L. (2003). The role of business in sustainable consumption. Journal of Cleaner Production, 11(8), 911-915.

Mont, O., & Plepys, A. (2007). Sustainable consumption progress: should we be proud or alarmed? Journal Cleaner Production, 16(4). 531-537.

Muster, V. (2010). Companies promoting sustainable consumption of employees. Journal of consumer policy. 34(1), 161-174.

Oliveira, M. M. (2005). Como fazer pesquisa qualitativa. Recife: Ed. Bagaço.

Panarotto, C. (2008). O meio ambiente e o consumo sustentável: alguns hábitos que podem fazer a diferença. Revista das relações de consumo. 132-152, Caxias do Sul.

Pasa, C. R. R. (2004). Modelo de Avaliação da Performance Social Empresarial. Tese de doutorado em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC, Brasil.

Peattie, K. (2007). Toward sustainable organizations for the 21st century. 21st Century Management: A Reference Handbook. USA: SAGE Publications.

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). (2001). Rumo ao consumo sustentável na América latina e caribe. Workshop sobre consumo sustentável na América latina e caribe. Recuperado em 10 julho, 2010, de http://www.pnuma.org/industria/documentos/conslacp.pdf

Portilho, M. F. F. (2005). Sustentabilidade Ambiental, consumo e cidadania. São Paulo: Cortez.

Robbins, S. P. (2005). Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Sachs, I. (2007). Rumo à ecossocioeconomia: Teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.

Santos, C. F. S. O. (2009). Ferramenta de Avaliação da RSE:o Comportamento Socioambiental Empresarial em Arranjos Produtivos Locais. Anais do: Encontro Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente, Fortaleza, CE, Brasil, 11.

Santos, C. F. S. O. (2010). O comportamento socioambiental de empresas do arranjo produtivo local de confecções do agreste pernambucano, na percepção de seus principais stakeholders. Dissertação Mestrado em Administração. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, PE, Brasil.

Santos, C. F. S. O., & Gómez, C. R. P. (2010). O Comportamento Socioambiental Empresarial no APL de confecções do agreste pernambucano: Análise comparada entre a Rota do Mar, a Lavanderia Mamute e a Kikorum Jeans Wear. Anais do Encontro da Associação Nacional De Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Scherer, F. M. (1970). Industrial Market Structure and Economic Performance. Chicago: Rand McNally & Company.

Schommer, P. C., & Rocha, F. C. C. (2007). As Três Ondas da Gestão Socialmente Responsável no Brasil: dilemas, oportunidades e limites. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 31.

Schrader, U., & Thogersen, J. (2011). Putting sustainable consumption into practice. Journal of consumer policy, 34(especial issue), 3-8.

Sethi, S. P. (1975). Dimensions of corporate social performance: an analytical framework. California Managment Review, 17(3), 58.

Sidrim, S. L. C. (2009). Comportamento Socioambiental Empresarial X choques e pressões dos stakeholders: o caso da Nokia do Brasil Tecnologia Ltda. Dissertação de Mestrado em Administração. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, PE, Brasil.

Silva, M. E. (2011). A contribuição de práticas empresariais responsáveis para o consumo sustentável no varejo de supermercados: O caso Walmart Brasil. Dissertação deMestrado em Administração. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Silva, M. E. (2010). Consumo Sustentável: Em busca de um constructo. Anais do Encontro Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, Sp, Brasil, 12.

Silva, M. E., & Gómez, C. R. P. (2010). Consumo Consciente: O papel contributivo da educação. Revista Reuna, 15(3), 43-54.

Silva, M. E., & Gómez, C. R. P. (2011). O papel do governo e a prática do consumo sustentável: Como esse stakeholder atua no setor elétrico? Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 10(2), 107-123.

Silva, M. E., & Santos, C. F. O. S. (2011). A estratégia socioambiental do Walmart Brasil: entendendo as ações e as interações em sua rede de stakeholders. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Taylor, B. (2006). Encouraging industry to assess and implement clear production measures. Journal of cleaner production, 14(2), 45-89.

Tukker, A., Emmert, S., Charter, M., Vezzoli, C.; Sto, E., Andersen, M. M., Geerken, T., Tischner, U., & Lahlou, S. (2008). Fostering change of sustainable consumption and production: an evidence based view. Journal of cleaner production, 16(11), 1218-1225.

WALMART BRASIL. (2010). Institucional Walmart. Recuperado em 9 setembro, 2010, de http://www.walmartbrasil.com.br/institucional/nomundo.aspx

WALMART BRASIL. (2009). Relatório de sustentabilidade 2009 (Exercício 2008). Recuperado em 2 dezembro, 2010, de http://www.walmartsustentabilidade.com.br/_pdf/relatorios/walmart-relatorio-de-sustentabilidade-2009.pdf

WALMART BRASIL. (2011). Relatório de sustentabilidade 2011 (Exercício 2010). Recuperado em 6 julho, 2011, de

http://www.walmartsustentabilidade.com.br/relatorio-online/downloads/Walmart_RA10_pt.pdf

World Business Council for Sustainable Development. (2008). Sustainable Consumption: Facts e Tends – From a business perspective. Recuperado em 5 maio, 2011, de http://www.wbcsd.org/DocRoot/I9Xwhv7X5V8cDIHbHC3G/WBCSD_Sustainable_Consumption_web.pdf

World Comission on Environment and Development. (1987). Report Ourcommom future – Genebra. Recuperado em 20 outubro, 2010 de http://www.un-documents.net/wced-ocf.htm.

Wood, D. J. (1991). Corporate Social Performance Revisited. The Academy of Management Review, 16(4), 691-718.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015