A LOGÍSTICA REVERSA NO COMÉRCIO ELETRÔNICO DE CALÇADOS: UM ESTUDO DE CASO

Mariana de Jesus Gomes, Rafael Ribeiro Batista, Márcia Maria Penteado Marchesini

Resumo


O crescimento significativo da quantidade de resíduos gerados após a industrialização tem provocado preocupação com o futuro do meio ambiente. Uma estratégia para diminuir os impactos causados pelo descarte desenfreado de resíduos é a Logística Reversa, a partir da qual é possível realizar a revalorização dos resíduos por meio do reuso e reciclagem. Esse artigo apresenta um estudo de caso único realizado em uma empresa que comercializa calçados por meio de comércio eletrônico, que é um sistema de compras que tem atingido uma significativa fatia do mercado nos últimos anos. Calçados são produzidos com diversos materiais e, se forem descartados de forma inadequada, podem causar sérios problemas para o meio ambiente. Buscando caracterizar a Logística Reversa de pós-venda e pós-uso de uma empresa varejista de comércio eletrônico de calçados, este artigo teve como objetivo identificar os principais elos da rede Logística Direta e Reversa de tal empresa e os principais motivos de devolução de calçados pelos consumidores finais em situação de pós-vendas. Para a realização da pesquisa qualitativa baseada no estudo de caso, realizou-se entrevista com líderes de logística da empresa. Concluiu-se que a responsabilidade ambiental sobre resíduos gerados pelo consumidor final é transferida pelo varejista aos fabricantes de calçados para o caso de produtos que retornam em situação de pós-vendas. Já em situação de pós-uso, a empresa não recolhe nem recebe produtos.


Palavras-chave


Logística reversa; comércio eletrônico; calçados; meio ambiente

Referências


Araujo, A. C., Matsuoka, E. M., Ung J. E., Hilsdorf W. C., & Sampaio M. (2013). Logística reversa no comércio eletrônico: um estudo de caso. Gestão e Produção, São Carlos, 20 (2), p. 303-320.

Barbieri, J. C., & Dias, M. (2002). Logística reversa como instrumento de programas de produção e consumo sustentáveis. Tecnologística. São Paulo, n. 77, p. 58-69.

Barbieri, José Carlos (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Bowersox, D. J., & Closs, D. J. (2001). Logística empresarial: O processo de integração da cadeia de suprimentos. Tradução: Equipe do centro de estudos em logística – São Paulo. São Paulo: Atlas.

Brasil (2010). Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: . Acesso em: 20 de dezembro de 2018.

Camargo, I., & Souza, A. E. (2005). Gestão dos resíduos sob a ótica da logística reversa. In: Encontro Nacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 8., 2005, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: ENGEMA.

Chopra, S., & Meindl, P. (2016). Gestão da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operações. 6ª Edição. São Paulo, SP: Pearson.

Chopra, S., & Meindl, P. (2003). Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias, planejamento e operação. São Paulo, SP: Prentice Hall.

Código de Defesa do Consumidor. Lei 8.078 de 11/09/90. Brasília, Diário Oficial da União, 1990.

Dalfovo, M. S; Lana, R. A; Silveira, A. (2008). Métodos Quantitativos e Qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, 2 (4), p. 01-13.

Espíndula, Fábio Marcelo. Características das Principais Partes dos Calçados. Disponível em: . Acesso em: 20 de julho de 2018.

Girardi, G. (2016). Brasil produz lixo como primeiro mundo, mas faz descarte como nações pobres. Disponível em: . Acesso em 03 de abril de 2018.

Godoy, Arilda S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 35 (2), p. 57-63.

Hoornweg, D., & Bhada-Tata, P. (2012). WHAT A WASTE-A Global Review of Solid Waste Management. World Bank Group. Washington, v. final, n.15, p.8.

Lacerda, L. (2002). Logística reversa: uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais. Disponível em: . Acesso em 07 de outubro de 2018.

LAUDON, K. C., & LAUDON, J. P. (2014) Sistemas de informação Gerenciais. 11ª Edição. São Paulo: Pearson.

Leite, P. R. (2009). Logística reversa: Meio ambiente e competitividade. 2ª Edição. São Paulo: Pearson.

Machado, G. (2013). Reciclagem de plásticos. Disponível em: . Acesso em 20 de julho de 2018.

Miguel, P. A. C. (2007). Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução. Revista Produção, 17 (1), p. 216-229, janeiro - abril.

Muduli, Kamalakanta; Govindanb, Kannan; Barvea, Akhilesh; Kannanc, Geng; & Devika, Yong (2013). Role of behavioural factors in green supply chain management implementation in Indian mining industries. Resources, Conservation & Recycling, 76, p. 50-60.

Palhares, L. A. F., & Lima, C. I. F. (2011). A logística reversa e o comércio eletrônico. Disponível em: . Acesso em 18 de julho de 2018.

Pereira, A. L., Boechat, C. B., Tadeu, H. F. B., Silva, J. T. M., & Campos, P. M. S. (2012). Logística reversa e sustentabilidade. São Paulo, SP: Cengage Learning. 192 p.

Pires, S. (2007). Gestão da Cadeia de Suprimentos: Conceitos, Estratégias, Práticas e Casos. São Paulo: Atlas.

Rogers, D. S. & Tibben-Lembke, R. S. (1999) Going backwards: reverse logistics trends and practices. Reno: University of Nevada.

Sarkis, Joseph (2012). A boundaries and flows perspective of green supply chain management. Supply Chain Management: An International Journal, 17 (2) p. 202 – 216.

Sehnem, S., Jabbour, C. J. C., Rosetto, A. M., Campos, L. M. S., & Sarquis, A. B. (2015). Green Supply Chain Management: uma análise da produção científica recente (2001-2012). Prod., São Paulo. 25 (3), p. 465-481.

Silva Filho, C. R. V., Sartini, G. G. P. O. Romero, F. C., Segantini, O. L., Bras Maria, G. G., & Dos Santos, M. C. S. (2016). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. Abrelpe, p. 15.

Yin, R. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2a Edição, São Paulo: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015