Gestão socioambiental em ONGS:um olhar a partir do desempenho empresarial e suas percepções como stakeholders de outras organizações / Social environmental management in NGOS: a look from the business performance and their perceptions as stakeholders

Vivian Duarte Couto Fernandes, Andrea Costa Van Herk Vasconcelos, Valdir Machado Valadão Júnior

Resumo


O reflexo da gestão socioambiental é sentido por toda cadeia de stakeholders de uma organização. Dentro do contexto ambiental, as ONGs atuam como importantes atores na disseminação e luta pela causa, sendo um dos principais stakeholders os quais a empresa deve se relacionar. Este artigo tem por objetivo discutir o conceito de gestão socioambiental a partir do desempenho empresarial das ONGs ambientalistas de Uberlândia/MG, verificando a percepção destas como um dos componentes da cadeia de stakeholders de outras organizações. A pesquisa tem caráter descritivo e exploratório. A coleta de dados partiu de entrevistas semiestruturadas com gestores e pesquisa dos websites das entidades. Os resultados mostram a relevância do tema; como a gestão socioambiental das ONGs envolve aspectos ambiental e social; e a dificuldade das ONGs se relacionarem e atuarem junto a órgãos governamentais e iniciativa privada, dado os diferentes objetivos que cada esfera tem, quando se trata de gestão socioambiental.


Palavras-chave


Gestão socioambiental; Responsabilidade social; Stakeholders.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. L. C. & Muniz, R. M. (2005, setembro). A construção da reputação organizacional como recurso estratégico: o papel dos gestores e a percepção dos stakeholders. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 29.

Andrade, P.; Alves, M. C. M. & Campanhol, E. M. (2004). Responsabilidade social e gestão ambiental: a fórmula do desenvolvimento sustentável. Anais do Congresso Latino Americano de Estratégias. Itajaí, SC, Brasil, 17.

Ashley, P. A.; Coutinho, R. B. G. & Tomei P. A. (2000, setembro) Responsabilidade Social Corporativa e Cidadania Empresarial: uma análise conceitual comparativa. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 24.

Atkinson, A. & Waterhouse, J. A. (1997, spring). Stakeholders approach to strategic performance measurement sloan. Management Review, 38(3), 25-36.

Backer, P. (2002). Gestão Ambiental:a Administração Verde. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Banerjee, S. B. (1998). Corporate environmentalism. Management learning. Sage Publications, Thousand Oaks, 29(1), 147-164.

Banerjee, S. B. (2006). The problem with corporate social responsibility. Management Ethics: What is to be done, Palgrave.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão ambiental: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Bauer, M. W. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In M. W. Bauers & G. Gaskell (Ed.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (vol. 1 pp. 189-243). Petrópolis, RJ: Vozes.

Bigné, E., Chumpitaz, R., Andreu, L., & Swaen, V. (2005). Percepción de la Responsabilidad Social Corporativa: un análisis cross-cultural. Universia Business Review, 5(1), 14-27.

Calixto, L. (2010). Responsabilidade socioambiental: a percepção das ONGs ambientalistas. Alcance, 17(1), 367-382.

Carrieri, A. P. (2002). O meio ambiente: discurso consistente ou retórica? Uma reflexão sobre os discursos ambientais, a teoria organizacional e o caso brasileiro. Rimar, 3(1), 1-17.

Carroll, A. B. (1999, September). Corporate social responsibility – evolution of a definitional construct. Business & Society, 38(3), 268-295.

Curado, I. B. (2003). Responsabilidade legal, responsabilidade social e compromisso social: uma questão de autoridade? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 27.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas.

Egri, C. P. & Pinfield, L. T. (1998). As organizações e a biosfera: ecologia e meio ambiente. In S. R. Clegg,; C. Hardy, & W. R. Nord. Handbook de estudos organizacionais. (363-399). São Paulo: Atlas.

Frederick, W. C. (1986, Winter). Toward csr: why ethical analysis is indispensable and unavoidable in corporate affairs. California Management Review, 28(2), 126-141.

Ferreira, L. C. (1999). Conflitos sociais contemporâneos: considerações sobre o ambientalismo brasileiro. Ambiente & sociedade, 5, 35-54.

Freeman, E. R. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. London: Pitman Publishing.

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauers &

G. Gaskell (Ed.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (vol. 1 pp. 64-89). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª ed. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ª ed. São Paulo: Atlas.

Guimarães, R. P. (2006). A ecopolítica da sustentabilidade em termos de globalização corporativa. In I. GARAY; B. K. BECKER (Org.) Dimensões humanas da biodiversidade. (23-56) Petrópolis: Vozes.

Lyra, M. G.; Gomes, R. C. & Jacovine, L. A. G. (2009). O papel dos stakeholders na sustentabilidade da empresa: contribuições para construção de um modelo de análise. Revista de Administração Contemporânea, 13(spe), 39-52.

Machado Filho, C. A. P. & Zylbersztajn, D. (2004). Responsabilidade social corporativa e a criação de valor para as organizações.[Working Paper Nº 03/024]. Departamento de Administração da FEA/USP, São Paulo, SP.

Mitchell, R.; Agle, B. & Wood, D. (1997). Toward a theory of stakeholders identification and salience: Defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, 2, pp. 853-870.

Nascimento, L. F. (2007). Quando a gestão social e a gestão ambiental se encontram. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 31.

Oliveira, J. A. P. (2005). Uma avaliação dos balanços sociais das 500 maiores. RAE eletrônica. 4(1), 1-19. Recuperado em 14 de janeiro, 2011, de http://www.scielo.br/pdf/raeel/v4n1/v4n1a02.pdf.

Pena, R. P. M., Coelho, H. M. Q., Carvalho Neto, A. M., Teodésio, A. S.,

Dias, A. S., & Fernandes, T. (2007). Responsabilidade social empresarial e estratégia: um estudo sobre a gestão do público interno em duas empresas signatárias do Global Compact. Organizações & Sociedade, 14(1), 81-98.

Pinto, M. R. & Lara, J. E. (2004). A cidadania corporativa como uma orientação de marketing: um estudo no varejo. RAE – Revista de Administração de Empresas, 44(spe), 48-60.

Portilho, F. (1999). Consumo “Verde”, Democracia Ecológica e Cidadania: Possibilidades de Diálogo? Recuperado em 14 de dezembro, 2010, de .

Prefeitura Municipal de Uberlândia. (2010). Cadastro Municipal de Entidades Ambientalistas. Recuperado em 10 de novembro, 2010, de http://www.uberlandia.mg.gov.br/secretaria.php?id=24&id_cg=1852>.

Rohrich. S. S. & Cunha, J. C. (2004). A proposição de uma taxonomia para análise da Gestão Ambiental no Brasil. RAC – Revista de Administração Contemporânea, 8(4), 81-97.

Rowley, T. (1997). Moving beyond dyadic ties: a network theory of stakeholder influences. Academy of Management Review, 22(4), 887-910.

Savage, G. T., Nix, T. W., Whitehead, C. J., & Blair, J. D. (1991).Strategies for assessing and managing organizational stakeholders. Academy of Management Executive, 5(2), 61-75.

Sauerbronn, F. F. & Sauerbronn, J. F. R. (2011).Estratégias de responsabilidade social e esfera pública: um debate sobre stakeholders e dimensões sociopolíticas de ações empresariais. RAP – Revista de Administração Pública, 45(2), 435-458.

Schommer, P. C. & Rocha, F C da C. (2007). As três ondas da gestão socialmente responsável no Brasil: dilemas, oportunidades e limites. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 31.

Silva, L. O. F. (2007). A relação entre estratégias ambientais de empresas multinacionais e pressões institucionais:o caso da Novelis. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Wood, D. (1991). Corporate social performance revisited. Academy of Management Review, 16, 691-718.

Valadão Junior, V. M. & Oliveira, A. C. M. (2010). Responsabilidade socioambiental e integração: O caso Cargill Agrícola S/A – complexo industrial de Uberlândia – MG. Alcance, 17(1), 34-47.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015