O artesão e o empreendedorismo: um estudo bibliométrico da produção acadêmica em eventos enanpad de 1999 a 2008 / The craftsman and entrepreneurship: a bibliometric study of academic production in enanpad events from 1999 to 2008.

Geraldo Magela Perdigão Diz Ramos, Cristiana Fernandes de Muylder, Denilson Aparecida Leite Freire

Resumo


Este estudo objetivou identificar nos artigos produzidos no período de 1999 a 2008, nos Encontros Nacionais da Associação de Programas de Pós-graduação em Administração (EnANPAD), a ocorrência do termo artesão relacionando-o com o construto empreendedorismo.Utilizou-se a Lei de Zipf para determinar a frequência do termo “artesão” e do radical “empreend” nos textos acadêmicos dos encontros pesquisados. O resultado da pesquisa apontou que nos 6.683 artigos publicados no período pesquisado, a ocorrência do termo “artesão” girou em 0,99%, enquanto a ocorrência do radical “empreend” foi de 16,45%. Conclui-se que o empreeendimento artesanal não despertou, ainda, o interesse da pesquisa na área de administração, mesmo tendo impactos consideráveis na economia e em toda sociedade, isso é, dos artigos publicados no EnANPAD nos dez anos analisados não trataram de forma unânime, intensiva ou aprofundada, a inserção do artesão como empreendedor no cenário empresarial.


Palavras-chave


Artesão; Empreendedorismo; Bibliometria; Negócios; EnANPAD.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Nacional Pós-graduação em Administração. Divisões Acadêmicas. (2007). Recuperado em 23 março, 2007, de http://www.anpad.org.br/sobre_divisoes_academicas.php

Bufrem, L. S., & Prates, Y. (2005). O Saber Científico Registrado e as Práticas de Mensuração da Informação. Ciência da Informação, Brasília, 34(2), 9-25, maio/ago.

Carrieri, A. P., Saraiva, L. A. S., & Pimentel, T. D. (2007). O Processo de Institucionalização da Feira Hippie de Belo Horizonte. In: Encontro Nacional de Pós Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 31.

Cuéllar, J. P. (Org.). (1997). Nossa diversidade criadora: Relatório da Comissão Mundial de Cultura e Desenvolvimento. Brasília: UNESCO / Papirus Editora.

D'Ávila, J. S. (1983). O artesão tradicional e seu papel na sociedade contemporânea. In: Ribeiro, B. G., Alvim, M. R. B., Heye, A. M., Vives, V., D´ávila, J. S., & Teixeira, D. L. M (1983). O artesão tradicional e seu papel na sociedade contemporânea. Rio de janeiro, FUNARTE/ Instituto Nacional do Folclore.

De Muylder, C. F., Rocha, A. M., Gonçalves, C. M., Souza, R. B., & Oliveira, W. T (2008). Tema Inovação: uma Análise Bibliométrica no Evento EnANPAD 2007. Gestão & Tecnologia, 8(1), 1-13.

Drucker, P. F. (2008). Inovação e Espírito Empreendedor (Entrepreneurship): prática e princípios. São Paulo: Cengage Learning.

Dolabela, F. (2008). Oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados.

Dolabela, F. (2004). A Vez do Sonho: empreendedores falam sobre o fascinante caminho da inovação, do risco, da auto realização e revelam por que não têm medo de perseguir seus sonhos. São Paulo: Cultura.

Dornelas, J. C. A. (2011). Empreendedorismo: transformando Ideias em Negócios. Rio de Janeiro: Campus.

Freitas, A. L. C. (2006). Design e Artesanato: uma experiência de inserção da metodologia de projeto de produto. Dissertação de mestrado em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, MG, Brasil.

Fukuyama, F. (2000). A Grande Ruptura: a natureza humana e a reconstituição da ordem social (Montingelli Junior, N. tradutor). Rio de Janeiro: Rocco.

Guedes, V. L. S., & Borschiver, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Recuperado em 2 fevereiro, 2009, de http://dici.ibict.br/archive/00000508/

Ramos. A. G. (1989). A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações (2. ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Lima, A. A. M., & Azevedo, I. M. (1982). O Artesanato Nordestino: características e problemática atual. Fortaleza: Banco do Nordeste/ETENE.

Maturana, H. (2001). Cognição, Ciência e Vida. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Moraes Neto, B. R. (1996). A Evolução dos Processos de Trabalho e a Natureza da Moderna Automação.Estudos de Sociologia, São Paulo, 1, 65-72.

Mascêne, D. C., & Tesdeche, M. (2010). Termo de Referência: atuação do Sistema SEBRAE no artesanato. Brasília: SEBRAE/UF, 2010.

Ribeiro, B. G (1983). Artesanato indígena: para quê e para quem? In: Ribeiro, B. G., Alvim, M. R. B., Heye, A. M., Vives, V., D´ávila, J. S., & Teixeira, D. L. M. (1983). O Artesão tradicional e seu papel na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: FUNARTE/Instituto Nacional do Folclore,

Rugiu, A. S. (1998). Nostalgia do Mestre artesão. Campinas: Autores Associados.

Souza, T. (1991). Uma estratégia de Marketing para o Artesanato do Rio Grande do Norte. Tese de doutorado em Administração, Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, SP, Brasil.

Souza Neto, B. (2001). Genealogia e Especificidades acerca de um Tipo de Empreendedor Popular: o artesão brasileiro. Anais do Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Londrina, PR, Brasil,2.

United Nations Educational Scientific and Cultural Organization (2009). Handcrafts and Design; Handicrafts; Seal of Excellence Programme. Retrieved march 6, 2009, from portal.unesco.org

Vives, V. (1983). A Beleza do Cotidiano. In: Ribeiro, B. G., Alvim, M. R. B., Heye, A. M., Vives, V., D´ávila, J. S., & Teixeira, D. L. M. (1983). O artesão tradicional e seu papel na sociedade contemporânea. Rio de janeiro, FUNARTE/ Instituto Nacional do Folclore.

Webering, S. I. (2008). Uma Justificativa Crítica pela Economia Solidária. Anais do Encontro Nacional de Pós-graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Yair, K., Press, M., & Tomes, A. (2001). Crafting Competitive Advantage: Crafts Knowledge as a Strategic Resource. Design Studies. GreatBritain 22, 377-394.

Zoltowski, V. (1986). Bibliometria: Teoria e Prática. São Paulo: Ed. Cultrix.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015