Estudo sobre a utilização de portos secos no Brasil e uma proposta de implementação desses no estado de Mato Grosso do Sul / Study on the use of dry ports in Brazil and a proposal to implement these in Mato Grosso do Sul State

Sivanilza Teixeira Machado, Rodrigo Couto Santos, João Gilberto Mendes dos Reis, Rone Vieira Oliveira, Lucas Rodrigues Deliberador, Marly Cavalcanti

Resumo


A burocracia do sistema alfandegário brasileiro e a logística são os principais entraves na competitividade das exportações brasileiras. Filas longas nos portos e demora no embarque das cargas trazem milhões de reais em prejuízos todos os anos. Uma opção para agilizar esse processo são os Portos Secos, também conhecidos como entrepostos aduaneiros do interior, que visam desburocratizar os sistemas realizando o processo documental, antes das cargas chegarem aos portos, facilitando assim o escoamento da produção. Este artigo analisa os Portos Secos brasileiros e apresenta um estudo para a criação de entrepostos aduaneiros no Estado de Mato Grosso do Sul. Este é um dos Estados mais importantes no agronegócio brasileiro e se encontra a mais de mil quilômetros dos principais portos do país, o que faz com que sua logística torne-se cara. A criação de entrepostos no Estado facilitaria o processo de descarregamento nos portos, fazendo com que sua frota de veículos retorne mais rápido ao Estado e assim reduza se os custos logísticos do processo.


Palavras-chave


Logística; Portos Secos; Mato Grosso do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


Aliceweb. (2011). Exportações brasileiras em 2011. Recuperado em 29 abril, 2012, de http://aliceweb.desenvolvimento.gov.br/

Associação Brasileira De Portos Secos (ABEPRA). (2013). Benefícios dos Portos Secos. Recuperado em 13 maio, 2013, de http://www.abepra.org.br/

Balau, J. A. (2009). A importância do porto brasileiro no desenvolvimento da cabotagem-container. Recuperado em 10 maio, 2013, de http://www.antaq.gov.br/Portal/pdf/palestras/SeminarioCabotagem/Palestra8.pdf

Ballou, R. H. (1993). Logística Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas.

Bowersox, D. J., Closs, D. J., & Cooper M. B. (2006). Gestão Logística da Cadeia de Suprimentos. Porto Alegre: Bookman.

Companhia Nacional De Abastecimento. (2007). Corredores de Escoamento da Produção Agrícola: Corredor da BR 163- MAPA. Brasília: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Confederação Nacional Da Indústria. (2007). Reforma Portuária: o que falta fazer? Brasilia: CNI. Recuperado em 25 abril, 2012, de http://www.cni.org.br/portal

Confederação Nacional Da Indústria. (2012, março). Relatório Infraestrutura. Ano 9, nº 2. Recuperado em 25 abril, 2012, de http://www.cni.org.br/portal

Confederação Nacional Da Indústria. (2008). Pesquisa os problemas da empresa exportadora brasileira. Brasília: CNI. Recuperado em 25 abril, 2012, de http://www.cni.org.br/portal.

Confederação Nacional Do Transporte [CNT]. (2006). Atlas do Transporte 2006. Recuperado em 7 maio, 2012, de http://www.sistemacnt.org.br/informacoes/pesquisas/atlas/2006/index.htm.

Dantas, D. S. (2011). Ações e desdobramentos do programa de aceleração do crescimento (PAC) na cidade de Dourados (MS). Dissertação de mestrado em giografia. Universidade Federal da Grande Dourados – Grande Dourados, MS, Brasil.

David, P., & Stewart, R. (2010). Logística Internacional ( 2ª ed.). Cengage Learning.

Silvestre, C. S., Guimarães, D. C., & Dias, E. P. M. (2009). Porto Seco e o processo aduaneiro. Faculdade de Tecnologia – FATEC. Recuperado em 20 abril, 2012, de http://www.cbtu.gov.br/monografia/2009/trabalhos/artigos/planejamento/15_371_RIC.pdf

Dubke, A. F., Ferreira, F. R. N., & Pizzolato, N. D.(2004). Plataformas logísticas: características e tendências para o Brasil. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Florianópolis, SC, Brasil, 24.

Famasul. (2011). Informativo Casa Rural: retrospectiva Agro 2011, um balanço do agronegócio de Mato Grosso do Sul em 2011. Recuperado em 29 abril, 2012, de http://www.famasul.com.br/informativos/szo7tp8we7a6ra6do.pdf

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. (2011).Em 2011, PIB cresce 2,7% e totaliza R$ 4,143 trilhões. Recuperado em 9 maio, 2012, de http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=2093.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística (2012). Banco de dados: Brasil por Estados da Federação. Recuperado em 9 maio, 2012, de http://www.ibge.gov.br/Estadosat/

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. (2013a). Mapa do Estado do Mato Grosso do Sul. 2013. Recuperado em 8 maio, 2013, de http://geoftp.ibge.gov.br/mapas_tematicos/mapas_escolares/ensino_medio/mapas_estaduais/pdf/

mato_grosso_do_sul.pdf

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. (2013b) São Gabriel do Oeste: dados econômicos da cidade. Recuperado em 10 maio, 2013, de http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=500769

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2010). Portos brasileiros: diagnósticos, políticas e perspectivas. Série Eixos do desenvolvimento brasileiro. Comunicado n. 48(maio). Brasília: IPEA.

Lara, J. E., & Soares, A. D. B. (2005). A participação dos Portos Secos na interiorização das operações de importação e exportação: um estudo de caso. Anais do Congresso do Instituto Franco-Brasileiro de Administração de Empresas Franca, Sp, Brasil. 3 .

Machado, S., Santana, W. G., & Cavalcanti, M. (2010). Cadeia logística do frio: um estudo da qualidade em Portos Secos brasileiros. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, São Carlos, SP, Brasil, 30.

Maravieski, E. L., Carvalho, H. G., & Kovaleski J. L. (2001). Porto seco: estratégia para redução de estoques nas organizações dos campos gerais. Anais do Congresso Internacional de Administração, Gramado, SC, Brasil, 3.

Ministério Do Transporte. (2006). Matriz de transporte do Brasil. Recuperado em 7 dezembro, 2012, de http://www.transportes.gov.br/

Porter, M. E. (1985). Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Programa de Aceleração ao Crescimento [PAC]. (2009, fev.). Balanço do PAC. Recuperado em 12 fevereiro, 2013, de http://www.pac.gov.br/sobre-o-pac

Receita Federal Do Brasil. (2012). Locais, recintos aduaneiros: Portos Secos. Recuperado em 10 maio, 2012, de http://www.receita.fazenda.gov.br/aduana/LocaisRecintosAduaneiros/PortosSecos/Default.htm

Rodrigues, J. C. (2011). Porto 24 horas: Perspectiva dos Portos Secos. Wilson Sons Logística.

Secretaria dos Portos. (2012). Sistema Portuário Nacional. Recuperado em 25 abril, 2012, de http://www.portosdobrasil.gov.br/sistema-portuario-nacional

Tadeu, H. F. (2011). Investimento em logística. Recuperado em 10 maio, 2012, de http://www.imil.org.br/artigos/investimentos-em-logstica/

Tribunal De Contas Da União [TCU]. (2013). Transporte aquaviário e portos. Recuperado em 7 maio, 2013, de http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/Rio20/fichas/ptb_08_transporte_aquaviario.pdf

United States Department of Agriculture [USADA]. (2010) Soybe na transportation guide: Brazil-2010. Recuperado em 2 maio, 2012, de http://www.ams.usda.gov/AMSv1.0/getfile?dDocName=STELPRDC5092186

Wanke, P. F., and Hijjar, M. F. (2009). Exportadores brasileiros: estudo exploratório das percepções sobre a qualidade da infraestrutura logística. Produção, 19(1), 143-162.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015