A atuação do Relato Integrado nas empresas brasileiras Um estudo comparativo sobre a forma de divulgação do RI entre os dois maiores bancos privados nacionais

Roberta Cristina da Silva, Fernando de Almeida Santos, Neusa Maria Bastos Fernandes dos Santos

Resumo


Este artigo procurou analisar a maneira como é realizada a divulgação das informações que compõem o Relato Integrado. Tal demonstrativo figura como instrumento de comunicação sobre a transparência e as políticas empresariais de sustentabilidade. Apesar da divulgação do RI não ser obrigatória, atualmente 62 países são aderentes com mais de 1.600 empresas realizando suas publicações, sendo que no Brasil, 120 empresas já aderiram. O relato integrado trata-se de uma comunicação coesa acerca de como as empresas relacionam se com seus recursos e o meio ambiente onde se encontram inseridas. O estudo realizado tem caráter comparativo e, a delimitação ocorreu mediante a escolha dos dois maiores bancos nacionais privados: Itaú Unibanco e Bradesco. Tal escolha se deu mediante as posições de destaque ocupadas por ambos em diversos rankings que medem desempenho e atuação de mercado. Uma análise comparativa entre tais empresas, ao que tange às diferenças e semelhanças na forma de divulgação de três aspectos especificamente: seus capitais, sua criação de valor e seus planos estratégicos. O estudo conseguiu identificar diferenças nos três quesitos abordados. O Itaú traz nos três âmbitos uma maior riqueza de detalhes, apesar de seu relato ser sumariamente menor que o do Bradesco. Tal circunstância evidencia perfis diferentes para empresas do mesmo porte, mesmo segmento e com destaque mundial. Elucida se que tal identificação apenas indica uma diferenciação quanto ao perfil e escolhas internas dos bancos quanto aos valores que escolhem para divulgar com maior evidenciação.


Palavras-chave


Relato integrado; Sustentabilidade; Bancos privados; Evidenciação.

Referências


ALDAY, Herman E. Contreras (2000). O Planejamento Estratégico dentro do Conceito de Administração Estratégica. Revista FAE, v. 3 n. 2. Recuperado em 04 de dezembro de 2018 de https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/view/505/400.

ANDRADE, Maria Margarida de (2010). Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas.

BABOUKARDOS, Joshua D.; RIMMEL, Gunnar (2016). Value relevance of accounting information under na integrated reporting approuch: a research note. Journal of Accounting an Public Policy, v. 35, n. 4, p. 437-452. Recuperado em 10 de novembro de 2011 de http://www.diva-portal.org/smash/record.jsf?pid=diva2%3A958295&dswid=-4057.

BALARDIM, Adriana Rodrigues (2017). Relato Integrado: uma validação das diretrizes do Global Reporting Initative nas empresas listadas no índice de sustentabilidade empresarial da Brasil, Bolsa e Balcão. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Atuariais). Pontifícia Universidade Católica PUC/SP.

BARDIN, Laurence (2010). Análise de Conteúdo (5 ed). São Paulo: Almedina Brasil.

BELLEN, Hans Michael Van (2005). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Editora FGV. Recuperado em2 29 de novembro de 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512005000300012.

BRADESCO (2018). Sobre o Bradesco. Recuperado em 02 de dezembro de 2018 de https://banco.bradesco/html/classic/sobre/index.shtm.

CARVALHO, Nelson; KASSAI, José Roberto (ago. 2014). Relato integrado. A nova revolução contábil. Revista FIPECAFI, v. 1. Recuperado em 20 de novembr0 de 2011 de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1065717/mod_resource/content/0/artigo%20ReLato%20Integrado%20-%20Revista_FIPECAFI_Vol1%20AGO2014.pdf.

COMISSÃO BRASILEIRA DE ACOMPANHAMENTO DO RELATO INTEGRADO (2018). O quê? Relato Integrado. Recuperado em 28 de setembro de 2018 de http://www.relatointegradobrasil.com.br/conteudo_pt.asp?idioma=0&tipo=57360&conta=28 .

DRUCKMAN, Paul (2013). Entrevista. Revista Gestor Contábil. São Paulo, 10 ed., p. 14-17. Recuperado em 27 de novembro de 2018 de http://www.crcsp.org.br/portal/publicacoes/gestor-contabil/edicao-10.pdf.

EXAME (2017). As empresas mais valiosas da Bolsa. Recuperado em 30 de novembro de 2018 de em https://exame.abril.com.br/mercados/as-empresas-mais-valiosas-da-bolsa-2/.

FORBES (2018). Global 2000: The world’s largest public companies. Recuperado em 10 de novembro de 2018 de https://www.forbes.com/global2000/#730f21d335d8 .

GIL, Antonio Carlos (2010). Como elaborar Projetos de Pesquisa (5 ed.) São Paulo: Atlas.

GRI (2018). Global Reporting Initiative. Direstrizes GRI. Recuperado em 10 de novembro de 2018 de https://www.globalreporting.org/Pages/default.aspx.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2018). Relatório integrado ressalta geração de valor da companhia. Recuperado em 03 de dezembro de 2018 de http://ibgcemfoco.wixsite.com/ibgcemfoco/single-post/2018/08/23/Relat%C3%B3rio-integrado-ressalta-gera%C3%A7%C3%A3o-de-valor-da-companhia.

ITAÚ (2018). Sobre o Itaú. Recuperado em 30 de novembro de 2018 de https://www.itau.com.br/sobre/.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. MARION, José Carlos (2018). Curso de Contabilidade para não Contadores (8ª ed). São Paulo: Atlas.

MARTINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato (2009). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas (2ª ed.) São Paulo: Atlas.

MORROS, Jordi (2016). The integrated reporting: a presentations of the current state of art and aspects of integrated reporting that neede further develompment. Intangible Capital, v. 12. n.1, 201. P. 336-56. Universitat Politécnica de Catalunya Terrassa, España. Recuperado em 26 de novembro de 2018 de https://core.ac.uk/download/pdf/43552586.pdf.

PEREIRA, Júlio Cesar Rodrigues Pereira (2004). Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: Edusp.

PEIXOTO, Nathália Oliveira; MARTINS, Vidigal Fernandes (2015). Relato integrado e a convergência com relatórios de sustentabilidade: Um estudo em empresas brasileiras. Revista de Auditoria Governança e Contabilidade, v 3 , n 7. Recuperado em 26 de maio de 2019 de http://www.fucamp.edu.br/editora/index. php/ragc/article/view/599.

RUIZ, Lozano; TIRADO, Pilar Valencia (2016). Do industrial companies respond to the guiding principles of the Integrated Reporting framework? A preliminary study on the first companies joined to the initiative. Revista de Contabilidad, v. 19, n.2, p. 252-60. Associación Española de Professores Universitrios de Contabilidad, España. Recuperado em 02 de dezembro de 2018 de https://www.redalyc.org/pdf/3597/359746540010.pdf.

SANTOS, Wesley Paulo; RODRIGUES, Raimundo Nonato. MIRANDA, Luiz Carlos (2018). Um Estudo do Posicionamento Adotado pelos Stakeholders sobre a Materialidade e a Responsabilização das Informações Contidas no Relato Integrado. Revista em Educação e Pesquisa em Contabilidade-REPEC, v 12, n 3. Recuperado em 26 de maio de 2019 de http://www.repec.org.br/repec/issue/view/95/PORTUGU%C3%8AS.

SERAFEIM, George (2015). Integrated reporting and investidor clientele. Journal of Applied Corporate Finance, v. 2, n. 27, p. 34-51, 2015. Recuperado em 22 de novembro de 2018 de https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jacf.12116.

SEVERINO, Antônio Joaquim (2012). Metodologia do Trabalho Científico (23ª ed.). São Paulo: Cortez.

SILVA. Maria do C.C, Altenfelder (2014). Tendências e desafios da integração de informações financeiras e de sustentabilidade de quatro empresas brasileiras que adotaram o modelo de Relato Integrado em 2014. Dissertação (Mestrado de Ciências Contábeis), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-SP. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/redeca/article/download/27969/19698.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. (2017). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas.

VALOR ECONÔMICO (2018). Valor 1000 2018. Recuperado em 18 de novembro de 2018 de https://www.valor.com.br/valor1000/2018/ranking100maioresbancos.

ZARO, Elise Soeger (2015). Análise comparativa de relatos integrados das empresas brasileiras à luz da estrutura conceitual015. 170 p. Dissertação (Mestrado em Contabilidade). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro, Florianópolis –SC. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/134964/334119.pdf?sequence=1&isAllowed=y.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015