Gerenciamento dos serviços de água: a batalha entre setor público e privado

Claudia Rosa Acevedo, José Luis Hermosilla

Resumo


O objetivo deste estudo é analisar a comercialização de água e os argumentos que se baseia. Mais especificamente, esta investigação procura responder às seguintes perguntas: há interesses econômicos por trás desse discurso? Como está o mercado de água que está sendo estruturado? O método de pesquisa utilizado foi baseado em documentos e bibliografias. Os principais resultados da pesquisa foram: 1) o processo de comercialização da água baseia-se nos seguintes princípios: a) o valor econômico da água, b) a eficácia do mecanismo de marketing para otimizar a distribuição e uso eficiente da água, c) a superioridade do investimento privado sobre o investimento público como motor do desenvolvimento econômico e social, d) a necessidade de liberalização dos mercados nacionais, e) a água como uma necessidade e não como um direito; 2) especialistas na área acreditam que fortes interesses existem por trás a comercialização desse ativo, especialmente por parte das empresas transnacionais e instituições financeiras internacionais; 3) os resultados dessas privatizações têm sido muito negativo para as sociedades onde eles ocorreram.


Palavras-chave


Comercialização da água; Poder das multinacionais

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Barker, D., & Mander, J. (1999). O Governo Invisível: a organização mundial do comércio como um governo global para o novo milênio? Anais do Fórum Internacional Sobre Globalização, São Francisco. CA, Estados Unidos.

Barlow, M., & Clarke, T. (2003). Ouro Azul: como as grandes corporações estão se apoderando da água doce do nosso Planeta. São Paulo: M. Books.

Baudru, D., & Maris, B. (2003). Os Mestres da Água do Planeta. Cadernos Diplô, 3, 26-27.

Bouguerra, M. A. (2003). Guerra pela Água, Cadernos Diplô, 3, 8-11.

Clarke, T. (1997). Golpe silencioso: confrontando a aquisição corporativa do Canadá. Ottawa: Centro Canadense para Alternativas Políticas.

Daly, H., & Cobb, J. (1989). Para o Bem Comum: redirecionando a economia para a comunidade, o ambiente e um futuro sustentável. Boston: Beacon Hill Press.

Deléage, J. (2003). A Nova Questão Estratégica Mundial. Cadernos Diplô, 3, 5-7.

Greider, W. (1997). Um Mundo Pronto ou Não: a lógica mágica do capitalismo global. Nova York: Simon & Shuster.

Hall, D. (2001). A Água em Mãos Públicas. Reino Unido: Serviços Públicos Internacionais.

Korten, D. (1995). Quando as Corporações Regem o Mundo. São Francisco Kumarian Press Inc.

Kotler, P. (1986, march-april). Megamarketing. Harvard Business Review. p.117-124,

Mander, J. (2001). Caso Contra a Economia Global. Londres: Earthscan Publications.

Marchack, P. O (1993). Circo Integrado: o novo direito e a reestruturação dos mercados globais. Montreal: McGill.

Maris, B. (2003). O Apetite Voraz das Multinacionais. Cadernos Diplô, 3, 22-25.

Morelli, L. (2003). Água: nas Mãos de Quem? Cadernos Diplô, n. 3, p. 19-21.

Petrella, R.(2002). O Manifesto da Água:argumentos para um Contrato Mundial. Petrópolis: Vozes.

Petrella, R. (2003a). Uma Necessidade Vital se Torna Mercadoria. Cadernos Diplô, 3, 12-15.

Petrella, R. (2003b). A Conquista da Água. Cadernos Diplô, 3, 16-17.

Poupeau, F. (2003). Os Desgastes da Privatização. Cadernos Diplô, 3, 28-31.

Sheth, J.N., Gadner, D. M., & Garrett, D. E. (1988). Marketing Theory. New York: John Wiley & Sons.

Shiva, V. (2000). Colheita Roubada: o sequestro do suprimento de comida global. Cambridge: South End Press.

Solon, P. (2003). A Lição de Cochabamba. Cadernos Diplô, 3, 32-33.

Wallach, L., & Sforza, M. (1999). Organização Comercial: a organização corporativa e a erosão da democracia. Washington: Public Citizen.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015