O uso dos tablets nas organizações: analise do impacto no ambiente de trabalho / Use of tablets in organizations: the impact analysis in the workplace

Gustavo Pacheco Fontes, Paula Meyer Soares

Resumo


As descobertas tecnológicas datam dos séculos XVIII e XIX. Tais descobertas impactaram significativamente no modo de produção e na gestão das organizações alterando seus processos e estruturas hierárquicas tornando-as mais ágeis. Nesse sentido, o referido trabalho fará uma abordagem acerca das mudanças impetradas pela tecnologia no ambiente das organizações tendo como foco o uso dos tablets no meio empresarial. O corporativo e em outros seguimentos da sociedade. Percebe-se que a inclusão dos tablets no mundo corporativo imprimiu uma nova dinâmica nas decisões e estratégias e aumento da competitividade entre os mercados.


Palavras-chave


Tablets; Estratégia competitiva; Organizações; Tecnologia; Conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


Amorim, M. P. (2011). A utilização dos tablets nas empresas será de grande escala.Recuperado em 27 agosto, 2011, de http//:www.diariodepetropolis.com.br

Belfort, F. (2011). Uso dos tablets em empresas brasileiras aumenta. Recuperado em 12 maio, 2011, de http//www.ato.zcomunicacaointeligente.com.br

Chesnais, F. (2010). A mundialização do capital. Revista Info Corporate nº40, São Paulo: Editora Abril.

Lacerda, A. C.(2001). Globalização e o Brasil: riscos, oportunidades e desafios, Revista FAAP Relações Internacionais e Economia, São Paulo: FAAP.

Landes, D. S. (1979). Progreso Tecnologico y Revolucion Industrial. Madrid: Editorial Tecnos.

Monte, F.,& Valim, C. E. (2011). Tablets prometem revolucionar a rotina corporativa.Recuperado em 12 janeiro, 2011, de htpp// www.brasileconomico.com.br

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 18. ed. São Paulo: Editora Campus.

Serafim, L. (2011). Usar tecnologia para ensinar faz o aluno aprender mais? Recuperado em 29 agosto, 2011, de luciaserafim.blogspot.com

Studio 37. (2011). Os Tablets e a Indústria Farmacêutica.Recuperado em 23 janeiro, 2011, dewww.studio37agenciadigital.com.br.

Levet, J. L. (2001). L'intelligence économique : mode de pensée, mode d'action. Paris: Lavoisier.

Vaitsman, H. S. (2001). Inteligência empresarial: atacando e defendendo. Rio de Janeiro: Editora Interciência.

Mintzberg, H. (2001). Safári de Estratégia (2ª ed.). São Paulo: Artmed.

Wood Jr, T., & Caldas, M. P. (2007). Empresas brasileiras e o desafio da competitividade. RAE. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 47, 66-78.

Vasconcelos, F. C. (1999). Dinâmica Organizacional e Estratégia - Imagens e Conceitos. São Paulo: Thomson.

Tachizawa, T., & Rezende, W. (2002). Estrategia empresarial: tendencias e desafios. São Paulo: Makron.

Foina, P. R. (2001). Tecnologia da Informação: planejamento e gestão. São Paulo: Atlas, p. 190.

Siong, N. B. & Soh C.(1998). Organizational Performance and Information Technology Infrastructure: A Resource Based Perspective. International Journal of Business Performance Management, Geneva, 1(1), p. 28-43.

Terzian, F. (2010, setembro). Venda direta não ocorre mais porta a porta. Brasil Econômico, São Paulo, 14, primeiro caderno, p. 11.

Ferraresi, A. (2010). Gestão do conhecimento, orientação para o mercado, inovatividade e resultados organizacionais: um estudo em empresas instaladas no Brasil. Tese de doutorado em Administração. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Palmisano A., & Rosini, A. M. (2003). Administração de Sistemas de Informação e a Gestão do Conhecimento. São Paulo: Thomson.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015