Impacto ambiental, sustentabilidade e o crescimento desordenado da frota de veículos automotores do estado do Ceará / Environmental impact, sustainability and growth disorder fleet of motor vehicles of the state of Ceará

Marcus Vinicius de Oliveira Brasil, Laecio da Cunha Oliveira, Francisco Correia de Oliveira, Mônica Mota Tassigny

Resumo


Quais são os possíveis impactos que o crescimento da frota de veículos automotores no Estado do Ceará pode causar ao meio ambiente?  O objetivo geral deste estudo é analisar o crescimento da frota de veículos no Ceará e seus possíveis impactos ambientais. Os objetivos específicos são: analisar os fatores determinantes do crescimento da frota de veículos no estado, por meio da aplicação da técnica estatística de Regressão Linear Múltipla e debater a relação entre desenvolvimento econômico e meio ambiente, apontando algumas medidas mitigadoras ao crescimento da frota de veículos automotores. Tratou-se de pesquisa bibliográfica e documental, de natureza descritiva com utilização de dados secundários na análise de regressão múltipla. Os resultados servem como alerta, pois o crescimento desordenado da frota de veículos no Ceará ocasiona aumento da poluição cuja consequência direta é à redução da camada de ozônio que protege a Terra da incidência dos raios solares, o efeito estufa.


Palavras-chave


Impacto Ambiental; Veículos Automotores; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Assumpção, L. F. J. (2007). Sistema de gestão ambiental: manual prático para implementação de SGA e Certificação ISO 14001 (2ª ed.). Curitiba: Juruá.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos (3 ed.). São Paulo. Ed. Saraiva.

Camargo, A., Capobianco, J. P. R., & Oliveira, J.A. P. (Orgs). (2004). Meio Ambiente Brasil: avanços e obstáculos pós-Rio - 92 (2ª ed.). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Carvalho, R. V. (2010). Por trás da fumaça: o que tem levado veículos que atendem às regras de controle de poluição à reprovação na inspeção veicular ambiental de São Paulo. Revista Auto Esporte. São Paulo, n. 544, Setembro, 106-112.

Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias Filho, J. M. (Org.). (2009). Análise Multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Atlas.

Departamento Estadual de Trânsito do Ceará. (2009). Crescimento da Frota: 1980-2009. Recuperado em 10 abril, 2013, de http://portal.detran.ce.gov.br/index.php/estatisticas

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2009). Dados Estatísticos:1980-2009. Recuperado em 10 abr. 2013, de http://dieese.org.br/.

Fogliatti, M. C., Filippo, S., & Goudard, B. (2004). Avaliação de impactos ambientais: aplicação aos sistemas de transporte. Rio de Janeiro: Interciência.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2000). Censo Demográfico 2000: Características da População e dos Domicílios- Resultados do universo. Rio de Janeiro-RJ: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.Recuperado em 10 abril, 2010, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/

Instituto Ethos de Empresas de Responsabilidade Social (2010). Relatório das nações Unidas para o Meio Ambiente. Recuperado em 10 de maio, 2010, de http://www.ethos.org.br.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômicado Ceará. (2009). Anuários Estatísticos: 1980-2009. Fortaleza-CE: Secretária do Planejamento e Gestão. Recuperado em 10 abril, 2010, de http://www.ipece.ce.gov.br/publicações/anuário

Tachizawa, T. (2008). Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Ozmon, H.A., Craver, S.M. (2004). Fundamentos filosóficos da educação. Porto Alegre: Artmed.

Receita Federal. (2009). Taxa de Juros Selic: 1980-2009/MF. Recuperado em 10 abril, 2010, de http://www.receita.fazenda.gov.br/Pagamentos/jrselic.htm#Taxa_de_Juros_Selic

Reigota, M. (2002). Meio ambiente e representação social (5ª ed., Col. Questões da nossa época vol. 41). São Paulo: Cortez.

World Commission on Environment and Development (1987). Our Common Future. New York: Oxford University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015