Estratégia de operações em serviços de saúde: estudo de caso das operadoras de planos de saúde suplementar / Operations strategy in health services: a case study of the operators of supplemental health in surance

Marli Camara Abelha, Antônio Augusto Gonçalves, Claudio Pitassi

Resumo


A saúde suplementar é composta por operadoras de planos de saúde, hospitais, serviços de imagem, laboratórios e serviços complementares de tratamento e diagnóstico, numa imbricada rede de relacionamento. Neste trabalho, através de uma pesquisa com gestores, avaliou-se o uso de indicadores de desempenho na saúde suplementar. O resultado mostrou que eles trabalham com trade-off nos custos e que indicadores como velocidade, flexibilidade, confiabilidade não tem participação preponderante na operacionalidade dos serviços.


Palavras-chave


Indicadores de Desempenho; Critérios de Desempenho; Gestão de Operações na Saúde Suplementar.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2012). Caderno de Informação suplementar; beneficiários, operadoras e planos (Trimestral Set.). Rio de Janeiro: ANS.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2013). Caderno de Informação suplementar; beneficiários, operadoras e planos (trimestral mar.). Rio de Janeiro: ANS.

Araujo, C. A. S. (2005). Fatores a serem gerenciados para o alcance da qualidade para os clientes internos: um estudo em um conjunto de hospitais brasileiros. Tese de doutorado em Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Bresser Pereira, L. C. (2000). A reforma gerencial do Estado de 1995. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, 34(4), 7- 26, jul./ago.

Cappetin, R., Chow, C. W., & Mcnamee, A. H. (1998). On the need and opportunities for improving costing and cost management in health care organization. USA: Managerial finances.

Corrêa, H. L., & Corrêa, C. A. (2011). Administração de produção e operações. Manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. São Paulo: Editora Atlas.

Corrêa, H. L., & Gianesi, I. G. N. (1995). Gestão estratégia de operações de serviços. Anais da Assembléia do Conselho Latino Americano de Escolas de Administração, São Paulo, SP, Brasil, 30.

Davis, F. S. (1994). Qualidade total em saúde. São Paulo: Editora STS.

Farias, L. O. (2003). Estabelecimentos de saúde privados no Brasil: questões acerca da distribuição geográfica e do financiamento da demanda. Rio de Janeiro: ANS.

Fonseca, A. L. (2004). Portabilidade em planos de saúde no Brasil. Dissertação de mestrado Profissionalizante. Universidade Nova Lisboa. Lisboa, Portugal.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, A. A., Oliveira, M. J. F., & Leitão, A. R. (2006). Gestão de operações em serviços de saúde. Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil, 9.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1996). The balanced scorecard. Boston: Harvard Business School.

Lima, M. C. (2008). Monografia: a engenharia da produção acadêmica (2ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Malik, A. M.(1996). Avaliação, Qualidade e Gestão: para trabalhadores da área de saúde. São Paulo: Senac.

Malta, D. C., Cecílio, L. C. O., Merhy, E. E., Franco, T. B., Jorge, A. O., & Costa, M. A. (2004). Perspectiva da regulação na saúde suplementar diante dos modelos de assistenciais. Ciência e Saúde Coletiva, 9(2), 433-444. Recuperado em 14 de janeiro, 2013 de HTTP://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232004000200019&nrm=iso

Miranda, C. R. (2004). Gerenciamento de custo em plano de assistência à saúde. In: Agência de Saúde Suplementar. (2004). Documento técnico de apoio ao Fórum de Saúde Suplementar de 2003 (Tomo 2). Rio de Janeiro: Bookmark, p. 425-461.

Miranda, G. J., & Reis, E. A.(2006). Indicadores financeiros e não financeiros de longo prazo: um estudo em empresas atacadistas e distribuidores brasileiros. Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, 17(4), 11-34.

Nogueira, C. A. L. (2004). Análise da estrutura econômica da saúde suplementar: em busca de uma estrutura eficiente de mercado. Dissertação de mestrado em Saúde Pública. Universidade Nova Lisboa. Lisboa, Portugal.

Novaes, H. M. D. (2004). Pesquisa em, sobre e para os serviços de saúde: panorama internacional e questões para a pesquisa em saúde no Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de janeiro, 20(2), 147-157.

Pace, E. S. U., Basso, L. F. C., & Silva, M. A. (2003). Indicadores de desempenho como direcionadores de valor. Revista de Administração Contemporânea, 7(1), 37-65, jan.- mar.

Pinto, L. F. (2003). O setor de saúde suplementar: acesso e cobertura populacional. Rio de Janeiro: ENSP/Fiocruz.

Porto, S. M., Santos, I. S., & Ugá, M. A.D. (2006). A utilização de serviços de saúde por sistema de financiamento. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 11(4), 895-910.

Resende, J. F. B. (2004). Modelos de indicadores de desempenho empresarial: utilidade, usos e usuários. Revista da Faculdade de Direito Milton Campos. Belo Horizonte, 11, 217-235.

Resende, J. F. B. (2009). Modelos de desempenho empresarial- sinais organizacionais. Minas Gerais. Faculdade de Administração do SENAC.

Ribeiro, J. L. D., & Milan, G. S. (2004). Entrevistas individuais: teoria e aplicação. Porto Alegre: FEENG/UFGRS.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Roesch, S. M. A. (1996). Projetos de estágios do curso de administração: guia para pesquisa, projetos, estágios e trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Atlas.

Silva, A. A. (2003). Relação entre operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços. Um novo relacionamento estratégico. Anais do Fórum de Saúde Suplementar do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Porto Alegre, PR, Brasil.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2009). Administração de Produção (3ª. ed.). São Paulo: Atlas.

Souza, M. A., & Collaziol, E. (2006). Planejamento e controle dos custos da qualidade: uma investigação prática empresarial. Revista Contabilidade & Finanças. São Paulo, 41, 38-55, maio/ago., 2006.

Teixeira, R., & Paiva, E. L. (2008). Trade-offs em serviços customizados e o ponto de vista do cliente. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, 12(2), abr./jun.

Vergara, S. C. V. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (13ª ed.). São Paulo: Atlas.

Zucchi, P., Del Nero, C., & Malik, M. (2000). Gastos em saúde. Os fatores que agem na demanda e na oferta dos serviços de saúde. Saúde e Sociedade. São Paulo, 9(1/2), 127-150.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015