Matéria-prima gerada da reciclagem de garrafas pet e seus produtos derivados

João Almeida Santos, Clóvis Luíz Galdino, Getúlio Kazue Akabane, Eduardo Biagi Almeida Santos

Resumo


O processo de reciclagem deixou de ser um negócio de conotação pejorativa para se tornar o principal negócio de qualquer sociedade não só em função da necessidade de economizar recursos virgens, mas principalmente por causa dos benefícios para o meio ambiente. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo principal avaliar a possibilidade das exportações de Politereftalato de etileno - conhecido por PET - um tipo de produto que pode ser reciclado e retransformado em produtos de diversas naturezas e aplicações. O presente artigo foi estruturado com base em pesquisa exploratória de base bibliográfica em artigos científicos, livros, jornais e revistas onde analisamos as principais etapas envolvidas no processo de reciclagem do PET e o seu aproveitamento para a exportação. Apoio de entidades e associações como Associação Brasileira da Indústria do PET (ABIPET) contribuíram para o desenvolvimento do arcabouço teórico. O mercado explorado e o que ainda pode ser é muito amplo e com possibilidades de crescimento exponencial justificados por: a economia no uso de recursos virgens que reduz o impacto da indústria química no meio ambiente, a economia de energia dispendida no processo de produção, a redução no emprego de recursos financeiros alocado para o reaproveitamento de materiais.

 


Palavras-chave


Reciclagem; PET; Meio ambiente; Reaproveitamento de materiais

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira da Indústria do PET. (2010). Censo da Reciclagem do PET no Brasil. São Paulo: Abipet.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G. D., Andreassi, T., & Vasconcelos, F. C. D. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. RAE-Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154.

Bordonalli, A. C. O., & Mendes, C. G. D. N. (2009). Reuso de água em indústria de reciclagem de plástico tipo PEAD. Eng Sanit Ambient, 14(2), 235-244.

Ferreira, Y. N. (2000). Metrópole sustentável?: não é uma questão urbana. São Paulo em Perspectiva, 14(4), 139-144.

Gonçalves-Dias, S. L. F., & Teodósio, A. S. S. (2006). Reciclagem do PET: desafios e possibilidades. Anais do Encontro Nacional de Engenharia da Produção, Fortaleza, CE, Brasil, 26.

Hair, J., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto alegre: Bookman.

Jacobi, P. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, 118(3), 189-205.

Kotler, P. (2003). Marketing de A a Z. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus.

Lisboa, M. V. (2002). Em busca de uma política externa brasileira de meio ambiente: três exemplos e uma exceção à regra. São Paulo em Perspectiva, 16(2), 44-52.

Machado Junior, E. V., Vargas, E. R., Salles, J. A. A. E., & Vanalle, R. M. A. (2006). Consideração da perspectiva socioambiental no modelo Balanced Scorecard: Um estudo de caso numa Instituição de Ensino Superior Confessional. Anais do Simpósio de Engenhara de Produção, Bauru, SP, Brasil, 13.

Medeiros, L. F. R., & Macêdo, K. B. (2006). Catador de material reciclável: uma profissão para além da sobrevivência?. Psicologia & Sociedade, 18(2), 62-71.

Ottman, J. (1994). Green Marketing: Opportunity for Innovation(2nd edition). New York: Book Surge.

Pinto-Coelho, R. M. (2009). Reciclagem e desenvolvimento sustentável. Belo Horizonte.

Rocha, A. L. (2011). Intenções e ações em relação a escolhas de produtos ecológicos: estudos sobre o comportamento do consumidor carioca. Contextus, 9(1), 49-65.

Romão, W., Spinacé, M. A., & De Paoli, M. A. (2009). Poli (tereftalato de etileno), PET: Uma revisão sobre os processos de síntese, mecanismos de degradação e sua reciclagem. Polímeros: Ciência e Tecnologia, 19(2), 121-132.

Rosa, F., & Ensslin, S. (2007). A Gestão Ambiental em Eventos Científicos: Um estudo exploratório nos eventos avaliados segundo critério Qualis da CAPES. Anais do Encontro Nacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Curitiba, PR, Brasil, 9.

Selltiz, C. (1974). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU.

Smith, S. B. M., & Ribas, J. R. (2006). O espectro verde na sustentabilidade ambiental. Anais do Simpósio de Engenhara de Produção, Bauru, SP, Brasil, 13.

Steckert, C., & Bridi E. (2005) Marketing verde: a adoção de uma postura ambiental. Recuperado em 12 setembro, 2009 de http://www.agathos.assevim.edu.br/1edicao/Bridi.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015