Gestão ambiental em obras viárias: estrutura e resultados no caso do Rodoanel Mário Covas, TRECHO Sul / Environmental management in road construction: framework and results in the case of Rodoanel Mario Covas, South Branch

Felipe Thomasin Queiroz, Alexandre de Oliveira e Aguiar, Sidnei da Col de Brito, Haroldo de Godoy Bueno

Resumo


Este trabalho estuda o sistema de gestão ambiental de obras de infraestrutura viária no caso do Rodoanel Trecho Sul Mario Covas, focando a fase de execução das obras. O estudo de caso envolveu acesso aos documentos da gestão ambiental e relatórios; observação direta participante por um dos pesquisadores, e pesquisa bibliográfica. Os principais impactos ambientais ocorridos durante a construção das obras foram decorrentes de terraplanagem, devido ao surgimento de processos erosivos e carreamento de solos. O sistema de gestão adotado incluiu medidas preventivas e mitigadoras de impactos ambientais. Esse sistema apresentou algumas das características do modelo ISO 14001, existindo ainda oportunidades de melhoria como a possibilidade de estabelecimento de uma política ambiental documentada, o estabelecimento de metas de desempenho ambiental baseadas em ecoeficiência em complemento aos índices de não-conformidades, e o aprimoramento do procedimento de tratamento de não-conformidades para incluir a análise das causas raízes.


Palavras-chave


Acompanhamento de impacto ambiental; Construção civil; Sistema de gestão ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, M. P. (2006). Infra-estrutura de transporte e desenvolvimento regional: uma abordagem de equilíbrio geral inter- regional. Tese de Doutorado em Ciência, Escola Superior de Agricultura Luiz e Queiróz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP, Brasil.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (2004). NBR ISO 14001:2004 – Sistemas de Gestão Ambiental – Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro.

Babakri, K. A., Bennett, R. A., Rao, S., & Franchetti, M. (2004). Recycling performance of firms before and after adoption of the ISO 14001 standard. Journal of Cleaner Production, 12(6), 633-637.

Barla, P. (2007). ISO 14001 certification and environmental performance in Quebec's pulp and paper industry. Journal of environmental economics and management, 53(3), 291-306.

Besen, G. C., & Henkes, J. A. (2012). Supervisão e gerenciamento ambiental em obras rodoviárias: estudo de caso sobre a duplicação da BR-101 Sul. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 1(2), p-180. Boiral, O. (2007). Corporate greening through ISO 14001: a rational myth? Organization Science, 18(1), 127-146.

Christini, G., Fetsko, M., & Hendrickson, C. (2004). Environmental management systems and ISO 14001 certification for construction firms. Journal of Construction Engineering and Management, 130(3), 330-336.

Conselho Nacional do Meio Ambiente. (1997). Resolução 237, de 19 de dezembro de 1997. Recuperado em 1 ago, 2012, de: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res97/res23797.html.

Costa, R. M. (2010). O papel da Supervisão Ambiental e proposta de avaliação de desempenho ambiental em obras viárias. Dissertação de Mestrado em Engenharia , Escola Politécnica da Universidade de São Pauo, São Paulo, SP, Brasil.

Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. (1973). Normas para o Projeto das Estradas de Rodagem. Rio de Janeiro:DNER.

Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. (1996). Corpo normativo ambiental para empreendimentos rodoviários. Rio de Janeiro: DNER.

Desenvolvimento Rodoviário S/A & Fundação Escola de Sociologia e Política e São Paulo. (2004a). Estudo de Impacto Ambiental do Trecho Sul Modificado – Programa Rodoanel Mario Covas (Relatório técnico, 9 volumes). São Paulo.

Desenvolvimento Rodoviário S/A & Fundação Escola de Sociologia e Política e São Paulo. (2004b). Relatório de Impacto Ambiental do Trecho Sul Modificado – Programa Rodoanel Mario Covas. São Paulo. Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. (s.d.). Projeto Básico Ambiental. Vol 2.

Duthie, A. G. (2001). A review of provincial environmental impact assessment administrative capacity in South Africa. Impact Assessment and Project Appraisal, 19(3), 215-222.

Fogliatti, M. C.; Fillippo, S. & Goudard, B. (2004). Avaliação de Impactos Ambientais: aplicação aos sistemas de transportes. Rio de Janeiro: Interciência.

Gallardo, A. L. C. F. & Sánchez. L. E. (2006) Gestão Ambiental da Construção da Pista Descendente da Rodovia dos Imigrantes - Atenuação de Impactos Sobre o Meio Físico em Ambientes Frágeis. Solos e Rochas, 29, 341-358.

Gestão ambiental em obras viárias: estrutura e resultados no caso do Rodoanel Mário Covas, trecho sul

Gallardo, A. L. C. F. & Sánchez, L. E. (2004). Follow-up of a road building scheme in a fragile environment. Environmental impact assessment review,24(1), 47-58.

Geipele, I. & Tambovceva, T. (2011). Environmental Management Systems Experience among Latvian Construction Companies. Technological and Economic Development of Economy, (4), 595-610.

Glanville, T. D. Persyn, R. A., Richard, T. L., Laflen, J. M., & Dixon, P. M. (2004). Environmental effects of applying composted organics to new highway embankments: Part 2. Water quality. Transactions of the ASAE, 47(2), 471.

González, V. & Echaveguren, T. (2012). Exploring the environmental modeling of road construction operations using discrete-event simulation.Automation in Construction, 24, 100-110.

Hammervold, J., Reenaas, M., & Brattebø, H. (2011). Environmental Life Cycle Assessment of Bridges. Journal of Bridge Engineering, 18(2), 153-161.

Hjelmar, O., Holm, J., & Crillesen, K. (2007). Utilisation of MSWI bottom ash as sub-base in road construction: First results from a large-scale test site. Journal of hazardous materials, 139(3), 471-480.

Instituto Socioambiental (2004). Os debates sobre o Rodoanel. Recuperado em 21 set, 2013, de: http://www.socioambiental.org/esp/rodoanel/pgn/historicodaobra.html.

International Organization for Standardization (2012) ISO Survey 2012. Recuperado em 5 fev, 2013, de: http://www.iso.org/iso/home/standards/certification/iso-survey.htm.

Jha-Thakur, U., Fischer T. B. & Rajvanshi A. (2009). Reviewing design stage of environmental impact assessment follow-up: Looking at the open cast coal mines in India. Impact Assessment and Project Appraisal, 27(1), 33-44.

Kosamu, I. B. M. (2011). Environmental impact assessment application in infrastructural projects in malawi. Sustainability Science, 6(1), 51-7.

Lima, L. H.; Magrini, A. (2010). The Brazilian Audit Tribunal's role in improving the federal environmental licensing process. Environmental Impact Assessment Review, 30(2), 108-115.

Link, S., & Naveh, E. (2006). Standardization and discretion: does the environmental standard ISO 14001 lead to performance benefits?. Engineering Management, IEEE Transactions on, 53(4), 508-519.

Lisboa, M.V. (2002). Contribuição para a tomada de decisão na classificação e seleção de alternativas de traçados para rodovia em trechos urbanizados. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lustosa, M. C. (2003). Industrialização, meio ambiente, inovação e competitividade. In P. May, M. C.

Lustosa, & V. Vinha (Org.). Economia do meio ambiente: teoria e prática (p. 155-172) Rio de Janeiro: Elsevier.

Miliutenko, S., Björklund, A., & Carlsson, A. (2013). Opportunities for environmentally improved asphalt recycling: the example of Sweden. Journal of Cleaner Production, 43, 156-165.

Moreno.J.A.T. (2000). Ordenamento ambiental e rodoviário na faixa de domínio da rodovia PE 060. 2000. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Morrison-Saunders, A., Arts J., Baker, J. & Caldwell, P. (2001). Roles and stakes in environmental impact assessment follow-up. Impact Assessment and Project Appraisal, 19(4), 289-296.

Paulraj, A. & de Jong, P. (2011) The effect of ISO 14001 certification announcements on stock performance, International Journal of Operations & Production Management, 31(7), 765–788.

Potoski, M., & Prakash, A. (2005a). Covenants with weak swords: ISO 14001 and facilities' environmental performance. Journal of policy analysis and management, 24(4), 745-769.

Potoski, M., & Prakash, A. (2005). Green clubs and voluntary governance: ISO 14001 and firms' regulatory compliance. American Journal of Political Science, 49(2), 235-248.

Ramjeawon, T. & Beedassy, R. (2004). Evaluation of the EIA system on the Island of Mauritius and development of an environmental monitoring plan framework. Environmental Impact Assessment Review, 24, 537–549.

Rodriguez, G., Alegre, F. J., & Martinez, G. (2011). Evaluation of environmental management resources (ISO 14001) at civil engineering construction worksites: a case study of the community of Madrid. Journal of environmental management, 92(7), 1858-1866.

Sánchez, L.E. & Hacking, T. (2002). An approach to linking environmental impact assessment and environmental management systems, Impact Assessment and Project Appraisal, 20(1), 25-38.

Yin, H., & Schmeidler, P. J. (2009). Why do standardized ISO 14001 environmental management systems lead to heterogeneous environmental outcomes? Business Strategy and the Environment, 18(7), 469-486.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015