Análise do mercado de carbono voluntário no Brasil: um estudo sobre o perfil dos projetos de redução de emissão de gases de efeito estufa (GEE) / Analysis of the voluntary carbon market in Brazil: a study on the profile of draft reduction of emissions

André Luis Souza, José Célio Andrade

Resumo


A presente pesquisa teve por objetivo traçar o perfil dos projetos de redução de emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) do mercado de carbono voluntário no Brasil. Para alcançar o objetivo proposto, realizou-se uma pesquisa exploratória, de natureza bibliográfica e documental, por meio de consultas a livros, relatórios corporativos, periódicos, artigos científicos e sites institucionais. Os dados secundários foram coletados por meio do Documento de Concepção dos Projetos (DCP) de cada projeto mapeado, cujos projetos totalizaram 111. Para análise dos documentos utilizou-se a técnica de análise de conteúdo com o objetivo de caracterizar e descrever cada projeto analisado. O status dos projetos desenvolvidos no Brasil do mercado de carbono voluntário ainda é tímido (111) havendo uma concentração de projetos na região sudeste do Brasil. No tocante aos escopos de atividades dos projetos, identificou-se que os principais escopos são: troca de combustível proveniente de mata nativa com 32%, estando o escopo de suinocultura em segundo lugar, com 24% dos projetos, cujos projetos, em sua maioria, são de pequena escala (88%). Constata-se que o mercado voluntário de comercialização de créditos de carbono brasileiro constitui-se em um instrumento econômico de extrema importância na viabilização da redução das emissões de GEE, contribuindo, assim, para a mitigação das mudanças climáticas e para o alcance das metas nacionais de redução de emissão de GEE.


Palavras-chave


Mercado de carbono; Mercado de carbono voluntário; Projeto de redução de emissão de GEE.

Texto completo:

PDF

Referências


Abranches, S. (2010). Agenda climática, sustentabilidade e desafio competitivo. In: Zylbersztajn, D., & Lins, C. (Org.). Sustentabilidade e Geração de valor: A transição para o século XXI. Rio de Janeiro: Elsevier.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2011). NBR 15948:2011. Mercado voluntário de carbono: princípios, requisitos e orientações para comercialização de reduções verificadas de emissões. Recuperado em 29 março, 2013, de http://www.abnt.org.br

Bayon, R.; Hawn, A.; & Hamilton, K. (2009). Voluntary Carbon Makets: an international business guide to what they ate and how they work. London: Earthscan.

Lei Nº 12.187, de 29 de dezembro de 2009. (2009). Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Recuperado em 01 novembro, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12187.htm

Bonfante, T. (2010). Padrões e Mercado de carbono voluntário. São Paulo: IMAFLORA.

Bumpus, A. G., & Liverman, D. M. (2008). Accumulation by Decarbonization and the Governance of Carbon Offsets. Economic Geography, 84(2),127-155.

Carbon Positive. (2009).Standards now integral to voluntary carbon market. Recuperado em 09 março, 2011, de http://www.carbon.org.za/newsitem.php?itemid=144

Ecosystem Marketplace. (2013). Maneuvering the Mosaic: State of the Voluntary Carbon Markets 2013. Recuperado em 14 novembro, 2013, de http://www.forest-trends.org/documents/files/doc_3898.pdf

Esty, D. C., & Ivanova, M. (Org). (2005). Global Environmental Governance: options & opportunities. New Haven, CT: Yale School of Forestry & Environmental Studies.

Godoy, S. G. M. (2010). O Protocolo de Kyoto e os países em desenvolvimento: uma avaliação da utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. (Tese de Doutorado em Ciência). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Goulart, R. C. (2013). Estrutura do Mercado de Voluntário de Carbono no Brasil: Um estudo exploratório. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Hamilton, K.; Sjardin, M.; Peters-Stanley, M., & Marcelo, T. (2010). Building Bridges: state of the voluntary carbon markets 2010. EUA: Ecosystem Marketplace/ Bloomberg New Energy Finance. Recuperado em 14 novembro, 2013, de http://www.forest-trends.org/documents/files/doc_2434.pdf

Hoppen, N.; Lapointe, L.; & Moreau, E. (1996).Um guia para a avaliação de artigos de pesquisa em sistemas de informação. Revista Eletrônica de Administração. Porto Alegre, 2(2), nov./dez.

Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (2009). O Mercado de Carbono. Cadernos IBRI. Série Sustentabilidade. Recuperado em 14 novembro, 2013, de http://www.ibri.com.br/download/publicacoes/IBRI_Caderno_1.pdf

Intergovernmental Panel On Climate Change. (2013). Working Group I Contribution to the IPCC Fifth Assessment Report Climate Change 2013: The Physical Science Basis. 2013. Recuperado em 14 novembro, 2013, de http://www.ipcc.ch/report/ar5/wg1/

Kiperstok, A., Coelho, A., Torres, E. A., Meira, C. C., Bradley, S. P., & Rosen M. (2002). Prevenção da Poluição (tecnologias e Gestão Ambiental). Brasília: SENAI/DN. Recuperado em 14 novembro, 2013, de http://teclim.ufba.br/site/publicacoes/Prevencao_da_Poluicao.pdf

Labatt, S., & White, R. R. (2007). Carbon Finance: The Financial Implications of Climate Change. New Jersey: Hoboken.

Lima, L. F. (2007). Projetos de MDL: Ferramenta para a formação da imagem corporativa sustentável.In: Souza, R. P. (Coord.). Aquecimento Global e Créditos de Carbono: Aspectos Jurídicos e Técnicos. São Paulo: Quartier Latin.

Limiro, D. (2009). Créditos de Carbono: Protocolo de Kyoto e Projetos de MDL. Curitiba: Juruá.

Lombardi, A. (2008). Créditos de Carbono e sustentabilidade: os caminhos do novo capitalismo. São Paulo: Lazuli.

Lorenzoni Neto, A. (2009). Contrato de Crédito de Carbono:análise critica das mudanças climáticas. Curitiba: Juruá.

Lovins, L. H., & Cohen, B. (2011). Climate Capitalism: capitalism in the age of climate change. Hill and Wang: New York.

Ministério da Ciência e Tecnologia. (2011). Status atual das atividades de projeto no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no Mundo. Recuperado em 30 junho, 2011, de http://www.mct.gov.br/upd_blob/0215/215908.pdf

United Nations.(2013). Philippines: aid workers concerned about logistical challenges, ‘incredible despair’ of population. Recuperado em 14 novembro, 2013, de http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=46483#.UoSvztId9CY.

United Nations Framework Convention on Climate Change. (1995). Global Warming Potentials. Recuperado em 13 de novembro, 2013, de http://unfccc.int/ghg_data/items/3825.php

Peters-Stanley, M; Hamilton, K; Marcelo, T., & Sjordin, M. (2011). Back to the Future: State of the voluntary carbon markets 2011. Ecosystem Marketplace & Bloomberg New Energy Finance. Recuperado em 13 de novembro, 2013, de http://www.greenbiz.com/sites/default/files/state-voluntary-carbon-offsets-2011.pdf

Pindyck, R. S. E., & Rubinfeld, D. L. (2002). Microeconomia (5ª ed.). São Paulo: Prentice-Hall.

Quivy, R., & Campenhoudt, L.V. (1998). Manual de Investigação em Ciências Sociais (2ª ed.). Lisboa: Gradiva.

Seiffert, M. E. B. (2009). Mercado de Carbono e Protocolo de Quioto: oportunidades de negócio na busca da sustentabilidade. São Paulo: Atlas.

Silva Junior, A. C. (2011). Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL): promotores de transferência de tecnologia e tecnologias mais limpas no Brasil. (Tese). Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Simoni, W. F. (2009). Mercado de Carbono. In: Fujihara, M. C. & Lopes, F. G. Sustentabilidade e Mudanças Climáticas: guia para o amanhã. São Paulo: Editora Senac.

Souza, A. L. R. (2011). Perfil do Mercado de Carbono no Brasil: Análise Comparativa entre os Mercados Regulado e Voluntário. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Bahia. Salvador, BA, Brasil.

Souza, A. L. R., Gomes, G. A. M. M., & Andrade, J. C. S. (2013). Mercado Regulado de Carbono no Brasil:um ensaio sobre Divergências Contábil e Tributária dos créditos de carbono. (No Prelo).

Souza, A. L. R., Andrade, J. C. S., & Silva Junior, A. C. (2013). Carbon Market Projects: Status and Contribution to GHG Emission Reduction in Brazil. International Journal of Humanities and Social Science. 3(2), Special Issue – Janurary.

Veiga, J. E. (2010). Não é que os empresários vejam a sustentabilidade como obstáculo - ela é mesmo um obstáculo. In: Arnt, R. (Org.). O que os economistas pensam sobre sustentabilidade.São Paulo: Ed. 34.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015