Gestão social e compromisso social solidário / Social management and social commitment in solidarity

Maria da Glória Marcondes Gohn

Resumo


O texto focaliza o debate sobre formas de gestão social de bens públicos desenvolvidas por entidades civis em parceria com órgãos públicos. A questão central focalizada é a do compromisso social dos diferentes atores e agentes envolvidos no desenvolvimento de projetos sociais ou participação em conselhos, ouvidorias, observatórios ou outras formas de participação social na esfera pública. O argumento central desenvolvido é – a ação de compromisso social é uma construção histórica entre diferentes agentes e atores sociais. O compromisso social é fruto de um feixe de relações e ações, com sentido e significado inteligível e pactuado entre as instituições e organizações envolvidas onde há aprendizagens, construção de saberes, ações que situem os indivíduos no centro de formação, onde a informação é um elemento e não a finalidade da ação.


Palavras-chave


Gestão social; Projeto social; Compromisso social.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Organizações não Governamentais. (2012). Comunicação da ABONG. Anais do 1º Fórum Brasileiro de Redes, Organizações e Ativistas de Defesa de Direitos, São Paulo, SP, Brasil.

Adorno, T. (2000). Educação e Emancipação (2ª ed.). Rio De Janeiro: Paz e Terra.

Avritzer, L. (2008). Instituições Participativas e Desenho Institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático. Opinião Pública Campinas, 14(1), 43-64.

Carvalho, M. C. (1995). Participação social no Brasil hoje. São Paulo: Instituto Pólis.

Costa, S. (2002). As Cores de Ercília- Esfera Pública, Democracia, Configurações Pós-Nacionais. Belo Horizonte: UFMG.

Dagnino, E. (Org.). (2002). Sociedade Civil e Espaços Públicos. São Paulo: Unicamp /Paz e Terra.

Etzioni, A. (1998). The Essential Communitarian Reader. New York: Rowman & Littlefield Publishers.

Gohn, M. G. (2014a). Sociologia dos Movimentos Sociais. 2ª ed. São Paulo: Cortez Ed.

Gohn, M. G. (2014b). Educação Não-Formal e Cultura Política (6ª ed.). São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2014c). Conselhos Gestores e Participação Sociopolítica (8ª ed.). São Paulo: Ed. Cortez.

Gohn, M. G. (2014d). Educação Não-Formal e o Educador Social. (3ª ed.). São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2013). Movimentos Sociais e Redes de Mobilizações no Brasil Contemporâneo (7ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Gohn, M. G. (2012a). Teoria dos Movimentos Sociais (10ª ed.). São Paulo: Loyola.

Gohn, M. G. (2012b). Movimentos Sociais e Educação (8ª ed.). São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2008). O Protagonismo da Sociedade Civil: Movimentos Sociais, Ongs e Redes Solidárias (2ª ed.). São Paulo: Cortez.

Gohn, M. G. (2007). Não-Fronteiras: Universos da Educação Não-Formal. São Paulo: Instituto Itaú Cultural.

Habermas, J. (2007). A Inclusão do Outro. Estudos de Teoria Política (3ª ed.). São Paulo: Ed. Loyola.

Honneth, A. (2003). Luta Por Reconhecimento. A Gramática Moral dos Conflitos Sociais. São Paulo: Ed. 34.

Lascoumes, P., & Le Galès, P. (2012). Sociologia da Ação Pública. Maceió: Edufal.

Lavalle, A., Castello, G., & Bichir, R. M. (2008, outubro). Atores Periféricos na Sociedade Civil: Redes e Centralidades de Organizações em São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, 23(68), 73-96.

Lesbaupin, I. (2012). Cúpula dos Povos por justiça social e ambiental, contra a mercantilização da vida e da natureza em defesa dos bens comuns, Informes ABONG: no 499. Recuperado de http://www.abong.org.br/informes.php?id=5300&it=5302

Melucci, A. (2001). A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes.

Ranciére, J. (1995). Políticas da Escrita. São Paulo, Ed. 34.

Ribeiro, T. G. (2010). O Conceito de Desenvolvimento Participativo nas Ações do Estado – Uma Proposta para a Amazônia. Tese de Doutorado em Administração. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 2010.

Romano, J., Andrade, M. P., & Antunes, M. (Orgs.). (2007). Olhar Crítico Sobre Participação e Cidadania (Coleção Olhar Crítico, vol. 1). São Paulo: Expressão Popular/ ActionAid Brasil.

Santos, B. S. (Org.). (2002). Democratizar a Democracia. Rio De Janeiro: Civilização Brasileira.

Touraine, A. (2005). Un Nouveau Paradigme. Paris: Ed. Fayard.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015