As relações interorganizacionais na rede justa trama como um fator de sucesso na produção e comercialização dos produtos do algodão ecológico / Interorganizational relationships in justa trama network as a success factor in the production and marketing of

Marilia Bonzanini Bossle, Luís Felipe Machado do Nascimento

Resumo


O comércio justo visa estabelecer uma relação comercial e de cooperação entre os elos de uma cadeia produtiva, estimulando a produção sustentável e promovendo ganhos proporcionais entre os envolvidos. Estudos anteriores analisaram outros aspectos do processo de produção do algodão agroecológico. Este trabalho teve por objetivo analisar a comercialização dos produtos da Justa Trama, bem como as relações entre os elos finais desta cadeia de produção. Para tanto, foi realizado um estudo de caso, com visitas à sede da Justa Trama, em Porto Alegre, e entrevista com a sua presidente. A entrevista seguiu um roteiro com perguntas abertas que abordaram aspectos relacionados à comercialização dos produtos da cadeia e sobre como se dá a relação entre produtores, comerciantes e consumidores. O estudo permitiu identificar que as trocas realizadas na cadeia vão além das transações de mercado. A aprendizagem, disseminação do conhecimento e transparência nas relações apareceram como fortes características das organizações.  A Justa Trama exerce um papel muito importante na comunidade onde está inserida. Com relação à comercialização dos produtos a maior parte das vendas são feitas em lojas alternativas ou feiras temáticas. Destaca-se o papel dos consumidores para o crescimento do comércio justo e da Justa Trama.


Palavras-chave


Comércio justo; Cadeia do algodão agroecológico; Relações interorganizacionais; Orgânicos; Desenvolvimento sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


Auroi, C. (2003). Improving Sustainable Chain Management through Fair Trade. Greener Management International, 43(Autumn), 25-35.

Beamon, B. M. (2005). Environmental and Sustainability Ethics in Supply Chain. Management. Science and Engineering Ethics, 11(2),221-234.

Christopher, M. (2007). Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: criando redes que agregam valor (2ª ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Doran, C. J. (2009).The Role of Personal Values in Fair Trade Consumption. Journal of Business Ethics, 84, 549-563.

Doran, C. J., & Natale, S. N. (2010). The Role of Religion in Fair Trade Consumption. Journal of Business Ethics, 98(1), 1-5.

Fair trade Labelling Organization. Recuperado em 20 maio, 2010 de http://www.fairtrade.net/aims_of_fairtrade_standards.html

Forgues B., Frechet M., & Josserand E. (2006). Relations interorganisationnelles. Conceptualisation, résultats et voies de recherche. Revue française de gestion, 32(164),17-32 doi:10.3166/rfg.164.17-32.

Gold, S., Seuring, S., & Beske, P. (2010). Sustainable Supply Chain Management and Inter-Organizational Resources: A Literature Review. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 17(4), 230-245.

Hellström, T. (2007). Dimensions of Environmentally Sustainable Innovation: the Structure of Eco-Innovation Concepts. Sustainable Development, 15(3), 148–159.

Justa Trama. Recuperado em 10 outubro, 2009 de http://www.justatrama.com.br/pt/home/index.php.

Kogg, B. (2004). Greening a Cotton-textile Supply Chain: a Case Study of the Transition towards Organic Production without a Powerful Focal Company. Greener Management International, 43, 53–64.

Loureiro, M. L., & Lotade, J. (2005). Do fair trade and eco-labels in coffee wake up the consumer conscience? Ecological Economics, 53(1), 129– 138.

Maurer, A. M., & Silva, T. N. (2011). Parcerias Interorganizacionais como Indutoras de Empreendimentos Socioambientais de Natureza Coletiva: Três Casos Envolvendo o Artesanato. Teoria e Prática em Administração, 1(1), 1-18.

Metello, D. G. (2007) Os benefícios da associação em cadeias produtivas solidárias: o caso da Justa Trama – cadeia solidária do algodão agroecológico. Dissertação de Mestrado em Engenharia da Produção, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Newman, L. (2005). Uncertainty, innovation, and dynamic sustainable development. Sustentability: Science, Practice & Policy,1(2), 25-31.

Organic Trade Association (2012).Cotton and the Environment. Recuperado em 24 maio, 2014, de http://www.ota.com/organic/fiber/Cotton-and-the-Environment.html.

Renard, M. C. (2005). Quality certification, regulation and power in fair trade. Journal of Rural Studies, 21(4), 419-431.

Riva, F. R., Souza, M. P., Souza Filho, T. A., Paes, D. C. A. S., & Rosa, S. Q. (2012). Cadeia do Algodão Agroecológico: Ações Empreendedoras dos Cooperados da Justa Trama, uma Rede da Economia Solidária. Anais do Congresso SOBER Agricultura e Desenvolvimento com Sustentabilidade, Vitória, ES, Brasil, 50.Brasília: SOBER, p. 1-20.

Schumpeter, J. (1912) The Theory of Economic Development. Harvard University Press, Cambridge.

Turcato, C., Barin-Cruz, L., & Pedrozo, E. A. (2012). Internal and external pressures: How does an organic cotton production network learn to keep its hybrid nature? The Learning Organization, 19 (1), 38-57.

Vermeulen, W. J. V., & Ras, P. J. (2006). The Challenge of Greening Global Product Chains: Meeting Both Ends. Sustainable Development, 14(4), 245–256.

Vialli, A. (2014). Algodão renasce no Ceará a partir do cultivo orgânico - Revista Valor econômico. Recuperado em 24 maio, 2014, de http://alfonsin.com.br/algodo-renasce-no-cear-a-partir-do-cultivo-orgnico/.

Vollenbroek, F. A. (2002). Sustainable development and the challenge of innovation. Journal of Cleaner Production, 10(3), 215–223.

World Commission on Environment And Development. (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015