Sustentabilidade e produção mais limpa: um estudo sobre as implicações na vantagem competitiva empresarial

Jaqueline Guimarães Santos, Vírginia Conceição Vasconcelos Carneiro, Ângela Maria Cavalcanti Ramalho.

Resumo


Este trabalho discute a relação entre a adoção de sistema de gestão ambiental no âmbito empresarial e as vantagens competitivas que podem advir desse processo. Para tanto, são debatidos os efeitos da emergência de um modelo de desenvolvimento sustentável e o papel e as oportunidades da empresa nessa perspectiva. Sendo de cunho teórico, o objetivo deste artigo é discutir sobre as potenciais contribuições que a implantação da tecnologia ambiental Produção mais Limpa pode oferecer para a estratégia competitiva empresarial. Para elucidar tais relações são abordados conceitos relativos a emergência da adequação das empresas aos preceitos do Desenvolvimento Sustentável mediante à introdução de um sistema de gestão ambiental, sendo enfatizada a utilização de medidas ambientais, especificamente as inerentes a Produção mais Limpa que visam diminuir os impactos ambientais da produção industrial, eliminando desperdícios e reduzindo custos. Ademais, o conceito de vantagem competitiva é trabalhado a luz das premissas de Porter sobre a lucratividade proveniente da redução de custos e da diferenciação de produtos. As conclusões indicam que a introdução da Produção mais Limpa ao reduzir custos e agregar valor à imagem do produto, é um instrumento de competitividade que permite a empresa se diferenciar e obter vantagens competitivas. 


Palavras-chave


Sustentabilidade, Ferramentas de gestão ambiental, Produção mais limpa, Vantagem competitiva

Texto completo:

PDF

Referências


Agenda 21. Documento das Nações Unidas (2006). Recuperado em 10 julho, 2012, de http://www.pr.gov.br/meioambiente/agenda_xxi/pdf/agenda_21_brasileira.pdf.

Alves, J. L. S., Lyra, A. V. T. R., Sicsu. A. B., & Medeiros, D. D. (2009). A viabilidade da ecoeficiência como fonte de inovação e ganho competitivo nas micro e pequenas empresas brasileiras. In: Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 5.

Andres, L. F. (2001). A gestão ambiental em indústrias do vale do taquari: vantagens com o uso das técnicas de produção mais limpa. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos instrumentos. 2 ed. São Paulo: Saraiva.

Brown, L. R. (2003). Eco-economia: construindo uma economia para a terra. Salvador: UMA.

Brundtland - Report. (1987). World Comission on Environment and Development: our common future. Oxford and New York. Buarque, S. C. (2006). Construindo o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Christie, I., Rolfe, H., & Legard, R. (2007). Cleaner production in industry: integrating business goals and environmental management. London: Policy Studies Institute.

DIAS, R. (2009). Gestão ambiental: Responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 1ª ed, 4ª reimpressão.

Freeman, C. (2007). The Greening of Technology and Models of Innovation. Technological Forecastingand Social Change. 53(1), 27-39.

Greenpeace. (2013). Organização ambiental sem fins lucrativos. Recuperado em 25 maio, 2013 de http://www.greenpeace.org.br.

Hawkens, P., Lovins, A. E., & Lovins, H. (2009). Natural Capitalism: creating the next industrial revolution. Little Brown – USA. Recuperado em 25 julho, 2013 de http://www.natcap.org /.

Henriques, L. P., & Quelhas, O. L. G. (2007). Produção Mais Limpa: Um exemplo para sustentabilidade nas organizações. Recuperado em 25 setembro, 2013 de http://www1.sp.senac.br/hotsites/sigas/docs/20071016_CAS_ProducaoMaisLimpa.pdf.

Instituto Ethos: Responsabilidade social (2008). Recuperado em 15 setembro, 2013 de http://www3.ethos.org.br/.

Lakhani, M. (2007). The need for Clean Production and Product Re-design. Journal of Cleaner Production, 15,(13-14), 1391-1394.

Leff, E. (2009). Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Vozes.

Motta, N. (2013). Utilização do conceito de P+L no processo de construção de guitarra ecologicamente correta. In Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 9.

Nascimento, L. F., Lemos, A. D. C., & Mello, M. C. A. (2008). Gestão Socioambiental Estratégica. São Paulo: Bookman.

Nicolella, G. (2008). Aspectos Técnicos do Sistema de Gestão Ambiental(3ª. Ed. São Paulo: Saraiva.

Nowosielski, R., Babilas, R., & Pilarczyk, W. (2007). Sustainable techonology as a basis of cleaner production. Journal of Achievements in materialis and manufacturing engineering, 20(1), 527 – 537, January/February.

Oliveira Neto, G. C., Chaves, L. E. C., Vendrametto, O., & Sacomano, J. B. (2009). A Implementação da Produção Mais Limpa na Indústria de Borracha – um Estudo de Caso. In: Anais do 2º International Workshop Advances in Cleaner production.

Oliveira Neto, G. C., Vendrametto, O., & Chaves. L. E. C. (2011). Vantagens Ambientais e Econômicas na Implementação da Produção Mais Limpa em uma Empresa Galvânica. In: Anais do 2º International Workshop Advances in Cleaner production.

Ostrom, E. (2008). Sustainable Development of Common-Pool Resources. (2008). Science and Policy for Sustainable Development. Workshop in Political Theory and Policy Analysis. Indiana University. Center for the Study of Institutional Diversity. Arizona State University.

Perretti, O. D., Nivaldo Palmeri, N., Neto, G. O., Kronig, R., & Vendrametto, O. (2009). Vantagens da Implementação da Produção mais Limpa. In: Anais do International Workshop Advances in Cleaner production, São Paulo, SP, Brasil, 1.

Pimenta, H. C. D., & Gouvinhas, R. P. (2011). Implantação da Produção mais Limpa em uma indústria têxtil: vantagens econômicas e ambientais. In: Anais do International Workshop Advances in Cleaner production, São Paulo, SP, Brasil, 3.

Porter, M. E. (1992). Vantagem Competitiva: criando e sustentando um desempenho superior (trad. de Elisabeth Maria de Pinho Braga. 7. ed.) Rio de Janeiro: Campus.

__________. (1996). Estratégia Competitiva: Técnicas para Análise de Indústrias e da Concorrência. Rio Janeiro: Campus.

__________., & Van Der Linde, D. (1995). Green and competitive: ending the stalemate. Harvard Business Review, p. 120-134, Sept./Oct.

__________. (1999). Verde e Competitivo. In: PORTER, M. E. Competição. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Campus. Cap. 10, p. 371-397.

__________., & Kramer, M. R. (2006). Strategy and Society: The link between competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Business Review, 78 – 93. Recuperado em 11 junho, 2012 de http://efbayarea.org/documents/events/ccc2008/Mark-Kramer-Keynote/StrategySociety.PDF.

Santana, M. S. (2009). Aplicação dos princípios de Produção mais Limpa (P+L) e Ecodesign na redução do consumo de energia elétrica. Estudo de caso: SATC, Criciúma – SC. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Curso de Engenharia de Produção. 72p.

Santos, J. G., & Candido, G. A. (2010). A Sustentabilidade da Agricultura Orgânica Familiar dos Produtores Vinculados a Associação de Desenvolvimento Econômico, Social e Comunitário (ADESC) de Lagoa Seca – PB. In: Anais do V Encontro Nacional da Anppas. Florianópolis.

__________. (2013). Sistema de Indicadores de Sustentabilidade para o Turismo: aplicação de uma abordagem participativa em Porto de Galinhas, PE. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Administração (PROPAD/UFPE), 220p.

__________., & Ramalho, A. M. C. (2011). Ecoeficiência em Cadeias Produtivas: Perspectivas, Modelos e Práticas. In: OLIVEIRA, V. F. de; CAVENAGHI, V; MÁSCULO, F. S. (Orgs). Tópicos emergentes e desafios metodológicos em Engenharia de Produção: casos, experiências e proposições (1ª ed). Rio de Janeiro: ABEPRO, p. 213-244.

Schumacher, E. F. (2001). Lo pequeno es hermoso. Espana: Tursen S.A.

Taylor, B. (2006). Encouraging industry to assess and implement cleaner production measures. Journal of Cleaner Production, 14(3), 601-609.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015